Mostrando recursos 1 - 20 de 33

  1. Conservação do sapinho-admirável-de-barriga-vermelha, Melanophryniscus admirabilis (anura: bufonidae) : estudo de ecologia populacional

    Vasconcellos, Michelle Abadie de
    O conhecimento sobre parâmetros populacionais vitais é uma importante ferramenta para a conservação das espécies, permitindo refinar a avaliação do status de conservação e servindo como base para programas de conservação e manejo. A grande lacuna de conhecimento sobre a ecologia das espécies do gênero Melanophryniscus deve-se, sobretudo, à dificuldade de encontrá-los na natureza quando não estão se reproduzindo. Nesse trabalho, empregamos modelos de marcação e recaptura para estimar sobrevivência, emigração temporária, probabilidade de captura e de recaptura e abundância da única população conhecida do ameaçado sapinho-admirável-de-barriga-vermelha, Melanophryniscus admirabilis. Coletamos os dados em intervalos irregulares entre outubro de 2010 e...

  2. Conservação do sapinho-admirável-de-barriga-vermelha, Melanophryniscus admirabilis (anura: bufonidae) : estudo de ecologia populacional

    Vasconcellos, Michelle Abadie de
    O conhecimento sobre parâmetros populacionais vitais é uma importante ferramenta para a conservação das espécies, permitindo refinar a avaliação do status de conservação e servindo como base para programas de conservação e manejo. A grande lacuna de conhecimento sobre a ecologia das espécies do gênero Melanophryniscus deve-se, sobretudo, à dificuldade de encontrá-los na natureza quando não estão se reproduzindo. Nesse trabalho, empregamos modelos de marcação e recaptura para estimar sobrevivência, emigração temporária, probabilidade de captura e de recaptura e abundância da única população conhecida do ameaçado sapinho-admirável-de-barriga-vermelha, Melanophryniscus admirabilis. Coletamos os dados em intervalos irregulares entre outubro de 2010 e...

  3. Análise filogenética de três grupos de espécies de RHINOCRICUS KARSCH, 1881 (DIPLOPODA, SPIROBOLIDA, RHINOCRICIDAE) SENSU SCHUBART, 1951

    Rodrigues, Patricia Elesbão da Silva
    Rhinocricus Karsch, 1881 possui atualmente 207 espécies descritas e distribuídas principalmente pelo continente americano, das quais 65 são descritas para o Brasil. A descrição do gênero foi baseada na presença de escobinas (depressões na porção distal dos prozonitos). O presente estudo avaliou a monofilia de três grupos de espécies previamente propostos em Rhinocricus. A matriz de dados foi composta por 39 caracteres morfológicos e 30 espécies terminais, sendo 21 como grupo interno e nove do grupo externo. Nós realizamos uma analise de parcimônia com pesos implicitos usando o software TNT e obtivemos a melhor árvore com a mesma topologia para...

  4. Análise filogenética de três grupos de espécies de RHINOCRICUS KARSCH, 1881 (DIPLOPODA, SPIROBOLIDA, RHINOCRICIDAE) SENSU SCHUBART, 1951

    Rodrigues, Patricia Elesbão da Silva
    Rhinocricus Karsch, 1881 possui atualmente 207 espécies descritas e distribuídas principalmente pelo continente americano, das quais 65 são descritas para o Brasil. A descrição do gênero foi baseada na presença de escobinas (depressões na porção distal dos prozonitos). O presente estudo avaliou a monofilia de três grupos de espécies previamente propostos em Rhinocricus. A matriz de dados foi composta por 39 caracteres morfológicos e 30 espécies terminais, sendo 21 como grupo interno e nove do grupo externo. Nós realizamos uma analise de parcimônia com pesos implicitos usando o software TNT e obtivemos a melhor árvore com a mesma topologia para...

  5. Padrões de atividade de morcegos insetívoros aéreos no limite sul da Mata Atlântica : influência de variáveis meteorológicas e do habitat

    Chaves, Thais Stefanski
    Os padrões de atividade de muitas espécies de morcegos têm sido frequentemente associados à disponibilidade de alimento, à estrutura da vegetação e ao clima. Usualmente há maior atividade em áreas com maior disponibilidade de recursos alimentares e em ambientes que permitem maior facilidade de deslocamento. Em geral, a atividade de morcegos reduz em períodos com temperaturas extremas, sabendo-se que a redução da atividade de morcegos durante períodos frios está relacionada tanto com questões fisiológicas associadas ao balanço entre produção e perda de calor, quanto com ciclos reprodutivos das espécies. Sendo assim, o objetivo geral deste trabalho é avaliar a influência...

  6. Padrões de atividade de morcegos insetívoros aéreos no limite sul da Mata Atlântica : influência de variáveis meteorológicas e do habitat

    Chaves, Thais Stefanski
    Os padrões de atividade de muitas espécies de morcegos têm sido frequentemente associados à disponibilidade de alimento, à estrutura da vegetação e ao clima. Usualmente há maior atividade em áreas com maior disponibilidade de recursos alimentares e em ambientes que permitem maior facilidade de deslocamento. Em geral, a atividade de morcegos reduz em períodos com temperaturas extremas, sabendo-se que a redução da atividade de morcegos durante períodos frios está relacionada tanto com questões fisiológicas associadas ao balanço entre produção e perda de calor, quanto com ciclos reprodutivos das espécies. Sendo assim, o objetivo geral deste trabalho é avaliar a influência...

  7. Sistemática integrativa : diversidade e relações de Deuterodon Eigenmann 1907 (Teleostei:Characidae) e gêneros afins

    Silva, Priscilla Caroline
    O objetivo principal deste trabalho foi realizar a reconstrução das relações filogenéticas das espécies do gênero Deuterodon, testando suas possíveis relações com espécies de outros gêneros de Characidae que possuem um arranjo similar de dentes do dentário, como em Astyanax, Jupiaba e Myxiops. Na análise filogenética foi utilizada uma matriz previamente publicada e com o acréscimo de 49 táxons, totalizando 233 espécies de Characidae. Vinte novos caracteres foram adicionados a esta matriz com o intuito de entender as relações dos gêneros e espécies de interesse com os demais Characidae. Um total de 219 espécimes tiveram o DNA extraído e 4...

  8. Sistemática integrativa : diversidade e relações de Deuterodon Eigenmann 1907 (Teleostei:Characidae) e gêneros afins

    Silva, Priscilla Caroline
    O objetivo principal deste trabalho foi realizar a reconstrução das relações filogenéticas das espécies do gênero Deuterodon, testando suas possíveis relações com espécies de outros gêneros de Characidae que possuem um arranjo similar de dentes do dentário, como em Astyanax, Jupiaba e Myxiops. Na análise filogenética foi utilizada uma matriz previamente publicada e com o acréscimo de 49 táxons, totalizando 233 espécies de Characidae. Vinte novos caracteres foram adicionados a esta matriz com o intuito de entender as relações dos gêneros e espécies de interesse com os demais Characidae. Um total de 219 espécimes tiveram o DNA extraído e 4...

  9. Aranhas de solo do Cerro Verde (ARACHNIDA, ARANEAE), Sant'Ana do Livramento, RS, Brasil

    Bitencourt, João Anacleto Gomez
    A fauna araneológica de solo forma um elo muito importante dentro das teias alimentares, servindo de alimento a muitos animais e controlando outras populações, principalmente insetos. As aranhas que vivem no solo no sul do Brasil integram a alta biodiversidade que existe nos ―campos‖ de climas temperados. Este estudo foi desenvolvido numa área rural com nome de Cerro Verde, às margens do Arroio Monserrat, município de Sant‘Ana do Livramento – RS. Objetivou-se conhecer as famílias e espécies de aranhas de solo, suas distribuições e variações sazonais nesta área inserida no Bioma Pampa. Três ambientes - mata ciliar (M), zona de...

  10. Aranhas de solo do Cerro Verde (ARACHNIDA, ARANEAE), Sant'Ana do Livramento, RS, Brasil

    Bitencourt, João Anacleto Gomez
    A fauna araneológica de solo forma um elo muito importante dentro das teias alimentares, servindo de alimento a muitos animais e controlando outras populações, principalmente insetos. As aranhas que vivem no solo no sul do Brasil integram a alta biodiversidade que existe nos ―campos‖ de climas temperados. Este estudo foi desenvolvido numa área rural com nome de Cerro Verde, às margens do Arroio Monserrat, município de Sant‘Ana do Livramento – RS. Objetivou-se conhecer as famílias e espécies de aranhas de solo, suas distribuições e variações sazonais nesta área inserida no Bioma Pampa. Três ambientes - mata ciliar (M), zona de...

  11. Revisão taxonômica de Heptapterus mustelinus (Valenciennes, 1835) (Siluriformes: Heptapteridae)

    Fuster, Dario Ruben Faustino
    As populações de Heptapterus mustelinus do rio Uruguai, sistema da Laguna dos Patos e os rios dos sistemas costeiros do sul do Brasil e Uruguai foram revisados com dados morfológicos e moleculares. Duas novas espécies de Heptapterus foram reconhecidas. Heptapterus sp.n.A com distribuição restrita para o rio Pelotas na bacia do alto rio Uruguai. Heptapterus sp.n.B endêmica de tributários do rio Ibicuí na bacia do baixo rio Uruguai. As novas espécies distinguem-se do seu congênere mais próximo H. mustelinus pelo menor número de vértebras. Dados morfométricos e moleculares são congruentes no reconhecimento das duas espécies novas.

  12. Revisão taxonômica de Heptapterus mustelinus (Valenciennes, 1835) (Siluriformes: Heptapteridae)

    Fuster, Dario Ruben Faustino
    As populações de Heptapterus mustelinus do rio Uruguai, sistema da Laguna dos Patos e os rios dos sistemas costeiros do sul do Brasil e Uruguai foram revisados com dados morfológicos e moleculares. Duas novas espécies de Heptapterus foram reconhecidas. Heptapterus sp.n.A com distribuição restrita para o rio Pelotas na bacia do alto rio Uruguai. Heptapterus sp.n.B endêmica de tributários do rio Ibicuí na bacia do baixo rio Uruguai. As novas espécies distinguem-se do seu congênere mais próximo H. mustelinus pelo menor número de vértebras. Dados morfométricos e moleculares são congruentes no reconhecimento das duas espécies novas.

  13. Diversidade de aranhas (ARACHNIDA: ARANEAE) em áreas de campos sulinos, de domínio dos Biomas Pampa e Mata Atlântica

    Marta, Kimberly da Silva
    Os Campos Sulinos são uma fisionomia de vegetação encontrada no Sul do Brasil. Integram dois Biomas brasileiros, sendo eles a Mata Atlântica e o Pampa. Desenvolvem-se em clima temperado e úmido, com chuvas bem distribuídas ao longo do ano. Abrigam muitas espécies vegetais e apresentam uma fauna diversa, com grande número de espécies endêmicas da região. Na América do Sul, os campos e/ou pampas se estendem por uma área de aproximadamente 750 mil km², compartilhada por Brasil, Uruguai e Argentina e parte do Paraguai. No Brasil, o bioma Pampa está restrito ao Rio Grande do Sul, onde ocupa 178.243 km²....

  14. Diversidade de aranhas (ARACHNIDA: ARANEAE) em áreas de campos sulinos, de domínio dos Biomas Pampa e Mata Atlântica

    Marta, Kimberly da Silva
    Os Campos Sulinos são uma fisionomia de vegetação encontrada no Sul do Brasil. Integram dois Biomas brasileiros, sendo eles a Mata Atlântica e o Pampa. Desenvolvem-se em clima temperado e úmido, com chuvas bem distribuídas ao longo do ano. Abrigam muitas espécies vegetais e apresentam uma fauna diversa, com grande número de espécies endêmicas da região. Na América do Sul, os campos e/ou pampas se estendem por uma área de aproximadamente 750 mil km², compartilhada por Brasil, Uruguai e Argentina e parte do Paraguai. No Brasil, o bioma Pampa está restrito ao Rio Grande do Sul, onde ocupa 178.243 km²....

  15. Filogenia e revisão taxonômica do gênero SCLERONEMA (SILURIFORMES: TRICHOMYCTERIDAE)

    Santos, Juliano Ferrer dos
    A monofilia do gênero Scleronema (Siluriformes: Trichomycteridae), sua posição taxonômica dentre os tricomicterídeos e as relações internas são investigadas através de uma análise integrada de dados morfológicos e moleculares. Uma análise filogenética de evidência total incluindo nove espécies de Scleronema como grupo interno (três nominais e seis reconhecidas como novas) e 24 espécies como grupo externo contemplando todas as subfamílias de Trichomycteridae foi realizada com base em 192 caracteres morfológicos e 2728 caracteres moleculares. Os resultados suportam o monofilia do gênero Scleronema e suas espécies estão agrupadas em dois clados irmãos, grupo Scleronema operculatum e grupo Scleronema minutum, diagnosticáveis através...

  16. Morcegos insetívoros aéreos neotropicais : identificação acústica e padrões de estruturação de assembleias

    Aguilar, Adriana Patricia Arias
    Os morcegos, ordem Chiroptera, são ecologicamente o grupo mais diverso dos mamíferos e após Rodentia ocupam o segundo lugar em diversidade taxonômica. Devido à sua dramática radiação ecológica e evolutiva, ocupam virtualmente todos os níveis tróficos. No Neotrópico ocorrem nove famílias de quirópteros, das quais oito (excluíndo Phyllostomidae) incluem quase exclusivamente espécies insetívoras que dependem principalmente da ecolocalização para a navegação e aquisição de alimento. A gravação e posterior análise de chamados de ecolocalização emitidos durante a navegação é uma alternativa ou técnica complementar para o estudo deste grupo de morcegos; este método permite identificar muitas espécies com base na...

  17. Morcegos insetívoros aéreos neotropicais : identificação acústica e padrões de estruturação de assembleias

    Aguilar, Adriana Patricia Arias
    Os morcegos, ordem Chiroptera, são ecologicamente o grupo mais diverso dos mamíferos e após Rodentia ocupam o segundo lugar em diversidade taxonômica. Devido à sua dramática radiação ecológica e evolutiva, ocupam virtualmente todos os níveis tróficos. No Neotrópico ocorrem nove famílias de quirópteros, das quais oito (excluíndo Phyllostomidae) incluem quase exclusivamente espécies insetívoras que dependem principalmente da ecolocalização para a navegação e aquisição de alimento. A gravação e posterior análise de chamados de ecolocalização emitidos durante a navegação é uma alternativa ou técnica complementar para o estudo deste grupo de morcegos; este método permite identificar muitas espécies com base na...

  18. Revisão taxonômica e análise filogenética em Bathytropidae Vandel, 1952 (CRUSTACEA: ISOPODA: ONISCIDEA)

    Cardoso, Giovanna Monticelli
    A ordem Isopoda é um dos o grupo mais diverso dentre os crustáceos, sendo composta por dez subordens. Os representantes da subordem Oniscidea, conhecidos como “tatuzinhos de jardim”, obtiveram grande sucesso no domínio do ambiente terrestre. Para isso, foram necessárias várias adaptações morfológicas, fisiológicas e comportamentais, tais como comportamento gregário para diminuição da perda de água, presença de marsúpio fechado para reprodução e a presença de pulmões pleopodais. Apesar do grupo apresentar ampla uma distribuição geográfica, as espécies apresentam limitada capacidade de dispersão. Essa baixa dispersão resulta em isolamento de populações e alta diversidade genética. Dessa forma, o número de...

  19. Revisão taxonômica e análise filogenética em Bathytropidae Vandel, 1952 (CRUSTACEA: ISOPODA: ONISCIDEA)

    Cardoso, Giovanna Monticelli
    A ordem Isopoda é um dos o grupo mais diverso dentre os crustáceos, sendo composta por dez subordens. Os representantes da subordem Oniscidea, conhecidos como “tatuzinhos de jardim”, obtiveram grande sucesso no domínio do ambiente terrestre. Para isso, foram necessárias várias adaptações morfológicas, fisiológicas e comportamentais, tais como comportamento gregário para diminuição da perda de água, presença de marsúpio fechado para reprodução e a presença de pulmões pleopodais. Apesar do grupo apresentar ampla uma distribuição geográfica, as espécies apresentam limitada capacidade de dispersão. Essa baixa dispersão resulta em isolamento de populações e alta diversidade genética. Dessa forma, o número de...

  20. Estrutura da comunidade de aves florestais em gradiente altitudinal na porção sul da floresta atlântica brasileira : apoio a planos de manejo/ação em unidades de conservação

    Franco, Danielle
    Embora reduzida e fragmentada relativamente à sua distribuição original, o bioma Mata Atlântica apresenta um dos maiores graus de riqueza e de endemismo faunísticos do mundo, abrigando cerca de 900 espécies de aves. No sul do Brasil, observamos o limite sul deste bioma que se estende ao longo da costa atlântica e sobre as escarpas leste da Serra Geral. Devido à destruição de habitats florestais no extremo sul do estado de Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, diversas de espécies de aves características do bioma sofreram decréscimos significativos nas suas populações. Nesta região, espera-se que as aves respondam...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.