Mostrando recursos 1 - 16 de 16

  1. Entre a barganha e a deliberação : notas acerca dos fundamentos filosóficos das teorias da democráticas contemporâneas

    Martins, Nikolay Steffens
    A presente tese examina a disputa no interior da teoria democrática contemporânea entre as concepções agregativas de inspiração economicista e os modelos deliberativos. Argumenta-se que as concepções economicistas são incapazes de apreender adequadamente a dimensão coletiva da comunidade política, cuja natureza, na modernidade, é constitutivamente representativa. Nesse sentido, após a exposição crítica dos modelos agregativos, duas tarefas são levadas a cabo: (i) o escrutínio dos sentidos da representação e (ii) o exame das teorias deliberativas. O ponto de encontro dessas duas dimensões pretende revelar em que medida somente a partir duma concepção deliberativa é possível captarmos o processo de constituição...

  2. Conhecimento, intencionalidade e funcionalismo semântico : desintelectualizando o espaço lógico das razões

    Daniel, Jonatan Willian
    Wilfrid Sellars ficou conhecido por seus ataques ao empirismo e fundacionismo tradicionais em epistemologia e por desenvolver uma abordagem original aos problemas epistemológicos, que criou certa corrente filosófica que tem com seus principais desenvolvedores Rorty, McDowell e Brandom. Segundo essa corrente, o conhecimento, para ser bem compreendido, deve ser tomado como se dando no interior do espaço lógico das razões, no interior do espaço no qual transitamos ao oferecer e pedir por razões para aquilo que fazemos e acreditamos. Porém, essa visão acaba por se mostrar bastante intelectualizada, principalmente pela sua exigência de reflexividade para o conhecimento e por defender...

  3. Do sujeito constituinte à constituição da subjetividade : o problema do fundamento da subjetividade na fenomenologia

    Santos, Adelar Conceição dos
    O presente trabalho de tese consiste em uma abordagem ao problema do fundamento da subjetividade na fenomenologia a partir da hipótese interpretativa de que podemos identificar neste um movimento que se desdobra na transformação da concepção inicial de subjetividade constituinte na questão da constituição da subjetividade. A leitura aqui proposta assume a premissa de que essa transformação tem por base as modificações do programa inicial da fenomenologia em novos paradigmas metodológicos nos quais o método se volta para uma abordagem ontológica, e que é a partir desta que temos o problema posto então não mais nos termos da subjetividade como...

  4. Metafísica Γ4 : um argumento de conquistas progressivas

    Garcia, Luís Fellipe Carvalho
    Este trabalho pretende mostrar como é possível e frutífero ler o capítulo 4 do livro Γ da Metafísica de Aristóteles como um argumento progressivo cujo objetivo é o de estabelecer o princípio mais firme do pensamento. O fio condutor de tal percurso é fornecido pela noção de significação e envolve os seguintes passos intermediários: (I) a necessária atribuição de um significado a um nome; (II) a impossibilidade de predicar contraditórios de um sujeito e, por fim, (III) a impossibilidade de crer em contradições.

  5. Eudaimonia, sophia e theoretike energeia : uma análise da contemplação na Ética Nicomaqueia de Aristóteles

    Silveira, Aline da
    A atividade realizada pelo filósofo configura uma das maiores incógnitas entre os estudiosos da ética de Aristóteles. Na Ética Nicomaqueia (EN), seu tratado moral de maior relevância, pouco é dito sobre tal atividade até as conclusões apresentadas no fim da obra, quando se afirma que a contemplação (theoretike energeia) é a melhor das ocupações humanas no que diz respeito à busca pela autorrealização (eudaimonia). Mas no que consiste, afinal, essa ocupação? Qual a razão de, dentre a ampla gama de atividades exequíveis pelo homem, o exercício dessa se identificar com o melhor tipo de vida? Há como compreendê-la satisfatoriamente apesar...

  6. Compreensão e política em Hannah Arendt

    Monti, Gil Moraes
    O mote deste trabalho se constrói a partir da noção de compreensão (understanding) em Hannah Arendt, que é trazida para o primeiro plano dos seus escritos. Esta noção não aparece de forma evidente em seus escritos, mas manifesta-se como uma linha guia que conduz seus pensamentos. Dar evidencia a tal termo não tem como razão apresentar um conceito, mas busca revelar uma atividade que se manifesta enquanto um gesto filosófico que busca dotar o mundo de sentido. A compreensão é tematizada frente ao totalitarismo, um fenômeno que rompeu com as categorias políticas de seu tempo, é a partir dele que...

  7. Anatomia afetiva em espinosa : os pressupostos metafísicos da dimensão passional da constituição humana e sua função ética

    Silva, Denise Pereira da
    A presente dissertação tem como objetivo explorar os elementos constituintes da teoria sobre a afetividade humana conforme desenvolvida por Espinosa na Ética, analisando seus pressupostos metafísicos bem como a relação dos afetos com o intelecto humano. Serão enfatizadas as particularidades desta teoria mediante análise e exposição dos conceitos centrais que a compõem, identificando as características estruturais do universo conceitual espinosista. A análise crítica utilizada conta também com a avaliação sobre um dado posicionamento interpretativo que pretende destacar a existência de um enfraquecimento do naturalismo espinosista. Destacando-se assim a necessidade de negar certas noções sobre a afetividade humana que a colocam...

  8. O presentismo como resposta ao paradoxo de McTaggart

    Oliveira, Fernando Esteves de
    Um dos marcos mais importantes da filosofia do tempo contemporânea é o artigo de McTaggart (1908) denominado “The Unreality of Time”, no qual o autor defende que a suposição da existência do tempo é contraditória. O texto em questão demorou algumas décadas para ter sua importância filosófica devidamente reconhecida, devido à dificuldade proposta pela segunda parte de sua argumentação, chamada posteriormente de “Paradoxo de McTaggart” , pois não consiste em mostrar a coerência de suposição da que o tempo é irreal, mas que a ideia da existência disso que comumente se entende por tempo é inconsistente devido a uma contradição...

  9. O presentismo como resposta ao paradoxo de McTaggart

    Oliveira, Fernando Esteves de
    Um dos marcos mais importantes da filosofia do tempo contemporânea é o artigo de McTaggart (1908) denominado “The Unreality of Time”, no qual o autor defende que a suposição da existência do tempo é contraditória. O texto em questão demorou algumas décadas para ter sua importância filosófica devidamente reconhecida, devido à dificuldade proposta pela segunda parte de sua argumentação, chamada posteriormente de “Paradoxo de McTaggart” , pois não consiste em mostrar a coerência de suposição da que o tempo é irreal, mas que a ideia da existência disso que comumente se entende por tempo é inconsistente devido a uma contradição...

  10. Verbum interio em Agostinho de Hipona um estudo sobre a genealogia do conceito

    Pereira, Diego Fragoso
    O tema do uerbum é recorrente nos textos de Agostinho de Hipona. Encontra-se em questões que vão desde a teologia até a filosofia da linguagem e a filosofia da mente. Ao longo de seus textos, Agostinho dá diversos sentidos para o termo uerbum. Na teologia, o Verbum é, propriamente, a segunda pessoa da Trindade, o Filho. Trata-se, pois, do Verbum Divinum ou Verbum Dei. Na filosofia da linguagem, uerbum é uma uox articulada e dotada de significado, que pode ser ressoante (prolatum), escrito (scriptum) ou pensado em silêncio (tacitum). Na filosofia da mente, ou mais especificamente, na linguagem ou discurso...

  11. O ceticismo de Hume no Tratado da natureza humana : uma abordagem a partir da discussão sobre a distinção entre qualidades primárias e secundárias

    Santos, Rafael Bittencourt
    A presente dissertação tem como objetivo mostrar que o ceticismo resultante do Livro I do Tratado da Natureza Humana não pode ser fundado na suposta descoberta, por parte de Hume, de uma oposição entre os princípios que considera fundamentais para a natureza humana. Isso porque a factualidade dessa oposição seria defectiva para a filosofia humeana, uma vez que solapa a distinção entre princípios universais e princípios variáveis, essencial para a distinção entre princípios que devem ser aceitos e que devem ser rejeitados; porque um ceticismo dessa natureza é próprio do fideísmo corrente na Renascença e na Modernidade; e porque a...

  12. Moralidade, autonomia e educação em Kant : uma leitura a partir de Barbara Herman

    Mendes, Fábio C. Ribeiro
    A educação é um tema geralmente considerado periférico à teoria moral de Kant. A presente pesquisa pretende apontar para a possibilidade não usual de uma leitura da filosofia moral kantiana, a partir das contribuições de Barbara Herman. Defende-se que é possível adotar a perspectiva da formação moral do agente concreto como uma maneira de compreender uma importante conexão entre os conceitos de moralidade, autonomia e educação. O primeiro passo é observar que a discussão em torno do valor do motivo do dever não compromete Kant com uma filosofia moral rigorista, absolutamente formal e abstrata. Após, avança-se na compreensão de sua...

  13. Moralidade, autonomia e educação em Kant : uma leitura a partir de Barbara Herman

    Mendes, Fábio C. Ribeiro
    A educação é um tema geralmente considerado periférico à teoria moral de Kant. A presente pesquisa pretende apontar para a possibilidade não usual de uma leitura da filosofia moral kantiana, a partir das contribuições de Barbara Herman. Defende-se que é possível adotar a perspectiva da formação moral do agente concreto como uma maneira de compreender uma importante conexão entre os conceitos de moralidade, autonomia e educação. O primeiro passo é observar que a discussão em torno do valor do motivo do dever não compromete Kant com uma filosofia moral rigorista, absolutamente formal e abstrata. Após, avança-se na compreensão de sua...

  14. Em favor do comum : estudo sobre a formação da 'filosofia da linguagem comum'

    Rocha, Ronai Pires da
    Este trabalho aborda o surgimento do movimento filosófico conhecido como “filosofia da linguagem comum”. O objetivo é oferecer uma nova perspectiva sobre as origens e a formação desse movimento, a partir das críticas de Wittgenstein a alguns divulgadores da ciência no Livro Azul. Apresento a seguir, as principais polêmicas ocorridas entre os que simpatizavam com as ideias de Wittgenstein, nos anos quarenta, e alguns críticos que denunciavam as aparentes fragilidades conceituais dos filósofos que defendiam usos comuns da língua. Nessas polêmicas um dos pontos mais complexos diz respeito às possíveis relações entre uma atitude de consideração à língua natural, a...

  15. Mímesis e tragédia em Platão e Aristóteles

    Susin, André Luís
    A presente dissertação visa analisar os conceitos de mimesis e tragédia nas diferentes abordagens dos filósofos Platão e Aristóteles. O problema principal que condiciona a análise é a relação entre, de um lado, as obras de arte e, de outro, a realidade e os juízos morais. Esse problema é estudado através de uma análise dos principais textos nos quais os respectivos filósofos elaboraram suas reflexões sobre o tema, a saber, os livros II-III e X da República de Platão e A Poética de Aristóteles. Nessas diferentes obras vemos progressivamente a elaboração da primeira reflexão ocidental sobre a atividade artística em...

  16. Uma investigação sobre a inevitabilidade da crença em objetos externos segundo David Hume

    Soares, Franco Nero Antunes
    Esta dissertação pretende mostrar que a tese de Hume de que nós estamos inevitavelmente determinados a crer na existência de objetos externos tem a circunscrição de seu significado condicionada à identificação e à resolução de uma inconsistência presente na teoria humeana da crença inevitável em objetos externos. Essa inconsistência se expressa pela incompatibilidade entre a tese de que (P1) nós inevitavelmente cremos em objetos externos e a tese de que (P2) não podemos conceber objetos externos. Essas teses são incompatíveis se se considera que, para Hume, (P4) não podemos crer em algo que não podemos conceber. Esse problema só emerge...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.