Recursos de colección

Repositorio da Universidade dos Açores (8.391 recursos)

O Repositório Institucional da Universidade dos Açores desenvolvido no âmbito do projecto RCAAP.

ARQ - SCH - N 03 (1981)

Mostrando recursos 1 - 20 de 21

  1. Sobre as máscaras da região dos Ndembu-Angola


    “Na literatura etnológica angolense são pouco numerosas as referências à existência de máscaras e mascarados por toda a região que se estende entre os rios Danje (Dande) e Nzenza (Bengo), assim como noutras áreas a norte e a sul dominadas igualmente por chefes jindembu (sing. ndembu). Tanto quanto nos é dado saber, não foi divulgada até agora qualquer imagem em que figure máscara ou mascarado Ndembu. As duas valiosas notícias publicadas de que dispomos devem-se a David Magno, militar que desempenhou papel de relevo na «ocupação dos Dembos», região onde fez recolhas etnográficas de muito interesse. […]”

  2. Signo Sinal de Vergílio Ferreira : a experiência do real


    “A evolução a que, desde cedo, assistimos, na ficção de Vergílio Ferreira, no sentido da implantação de um eu, cuja presença se acentua profundamente em Aparição (embora já presente em romances como Manhã Submersa e Cântico Final), para jamais se afastar da sua obra, reenvia-os à importância que ele confere ao homem como ser individualizado, possuidor de uma riqueza existencial única e inalienável. […]”

  3. Os Açores e a nova economia de mercado (séculos XVI-XVII)


    “Um dos aspectos que, com mais evidência, ressalta no processo de povoamento e colonização dos arquipélagos atlânticos é, muito provavelmente, a rapidez com que decorre. E isto se tivermos em conta as distâncias, os problemas de ordem técnica a resolver, as experiências a variar, a individualidade específica de cada arquipélago, de cada ilha. É evidente, também, desde uma fase inicial, o interesse dos mercadores que, a par e passo com a aristocracia dirigente, acompanharam o movimento de desbravamento e exploração das potencialidades das terras. […]”

  4. Aspectos do trágico no Portugal Contemporâneo de Oliveira Martins


    “[…]. De facto, uma leitura recente do Portugal Contemporâneo deixou-nos a impressão de que à volta do povo português toda um tragédia se desenrolava, grega na estrutura, no espaço vivencial representado, na significância e tratamento das acções e figuras, no objectivo clássico do género, ou melhor, na interpretação hegeliana desse objectivo – reconciliação entre a dissonância temporária da vida e a harmonia eterna que lhe subjaz ou a sobrevoga. […]”

  5. A mulher na poesia francesa do século XII


    “Propomo-nos dar, neste trabalho, uma visão da mulher na poesia em língua d’oc e língua d’oïl do séc. XII. Optámos pelas duas línguas, a fim de evitar que a França actual ficasse reduzida a metade, ou só o Norte ou só o Sul. Tanto mais que as literaturas francesa e provençal se completam: é no seu conjunto que a mulher se revela em toda a sua complexidade e contradição. Vamos, pois, falar da mulher inspiradora de poesia masculina e também criadora ela própria; na introdução referir-nos-emos muito rapidamente às suas funções na vida social dessa época recuada. […]”

  6. Quando Camões fala de si...


    “Quando Camões fala de si próprio, quer na lírica quer n’Os Lusíadas, a sua leitura é sempre difícil. Ou o Poeta emprega uma linguagem ambígua, que já o seria também para a maior parte dos seus contemporâneos, ou faltam-nos elementos, deles conhecidos, que nos possibilitem uma leitura linear. O certo é que, umas dezenas de anos depois da sua morte, ou os seus biógrafos também já não dispunham da chave que permitisse uma interpretação segura da sua poesia autobiográfica ou, por motivos que ignoramos, omitiram ou baralharam, propositadamente ou não, os dados que possuíam, dificultando a compreensão de alguns episódios...

  7. Leitura social de três poemas de António Gedeão


    “A obra de António Gedeão encontra-se repartida em quatro livros – Movimento Perpétuo; Teatro do Mundo; Máquina de Fogo e Linhas de Força, publicados respectivamente em 1956, 1958, 1961 e 1967. No seu conjunto não se trata duma intensa produção poética, o que em nada põe em dúvida o valor literário e estético dos seus poemas. […]. Aparentemente, nada indicava que no professor de físico-química, borbulhasse um poeta preocupado e inquieto pelo destino dos outros: «Penso no ser poeta, e andar disperso / na voz de quem a não tem; / no pouco que há de mim em cada verso,...

  8. Poética universalizante e significação insular : de Nem Toda a Noite a Vida, de Vitorino Nemésio


    “Relação dialéctica mais do que oposição antinómica, regional e universal são, no fundo, duas faces de uma mesma moeda: o regional autêntico é expressão do universal mais sublime. Quanto mais regional, mais singular, mais vital e interiorizada a experiência vivida. As personagens ganham alma e vida próprias, e assim, o facto de se falar «à moda de» apenas comprova o «não sei quê» de especificamente açoriano, insular, atlântico, provocado por um clima, um mar, uma saudade, um isolamento. O conceito de Literatura de Significação Açoriana relaciona-se com a validade de uma obra ou de um autor (válido, não válido, mais...

  9. «Os Lusíadas» e o Antigo Testamento


    “Concordo que seja «mais que tempo de ler Os Lusíadas como um poema e não como um repositório devoto de verdades patrióticas, morais, políticas, ideológicas, filosóficas, religiosas, ou místicas sumptuosas versificadas. Não porque essas ‘verdades’ de algum modo não se possam encontrar lá ou pelo menos o reflexo e eco delas, mas porque estão inseridas e envolvidas por algo bem mais decisivo e radical que é o ‘eu profundo’ do poeta e sob ele o inconsciente de uma época particularmente complexa e dilacerada cuja expressão verdadeira é de ordem mítica (mitológica) e simbólica». […]”

  10. O Visconde do Botelho e a sua obra


    “[…]. Na senda do verdadeiro historiador, encontramos, entre alguns (poucos), o Engenheiro José Honorato Gago da Câmara de Medeiros, Visconde do Botelho, que visa, entre os seus objectivos primários, a análise das estruturas e das conjunturas. Não se propõe apenas revelar resultados; outrossim, vai apresentando o trilhar do seu pensamento, com dúvidas e certezas, criando, então, um entusiasmo pelos difíceis passos que vão revelando importantes situações, cada vez mais curiosas. […]”

  11. Breves reflexões sobre o ensino da Geografia


    “[…]. Entre as várias causas influenciadoras do processo ensino-aprendizagem, destacarei pela sua importância a formação de professores e a sua permanente actualização científica e pedagógica. Para além deste aspecto, sem dúvida o mais relevante, outros há a considerar: programas, número de turmas a atribuir a cada professor, horários, existência ou não, nas escolas, de «sala de Geografia», etc.. […]”

  12. A Inquisição nos Açores : subsídios para a sua história III


    “Continuamos com o mesmo título, juntando alguns subsídios para a história de tão controverso tribunal e a sua incidência nas nossas ilhas açorianas. Não sabemos se os leitores se enfadarão (se é que alguns leitores se atrevem a ler estas notas). Honestamente, no estado actual dos nossos conhecimentos, pouco mais se pode fazer do que o levantamento de fontes. Sem o conhecimento delas não se pode fazer história Tentar uma síntese seria, pelo menos, imprudência indesculpável. […]”

  13. Em torno do Infante Dom Luís e de Luís de Camões


    “Que entre os meus escritos camoneanos, eu venha agora tratar também do Infante D. Luís, quer dizer que encontrei ou pressuponho já variadas razões, quanto a biografia e quanto a obra, para ligar o Poeta ao Príncipe. Não é sobre estas que vou deter-me essencialmente, mas sim sobre alguns aspectos, que têm estado na sombra, da figura de D. Luís e sobre questões de autoria que lhe dizem respeito. […]”

  14. No tempo da língua : reflexões sobre os valores, a Universidade e o Discursus do poder


    “[…]. Goste-se ou não, nunca é gratuitamente que sobre o Homem os fogos se cruzam. O deslocamento da noção de escrita para o próprio centro das actividades crítica e criativa pulverizou com aparato toda uma ordenação antiga que propendia a separá-las. Jamais as coisas voltaram a ser como eram, desde que a nova crítica mostrou ter fôlego para ser mais do que a nova impostura que pretendera Picard. Já começa todavia a ser tempo de cada um se interrogar, livremente, no próprio momento em que a escrita se pratica, isto é, agora, se as alterações no campo dos factos se...

  15. José do Canto vivo


    “De José do Canto – importante homem de negócios do século XIX açoriano, bibliófilo ilustre, notável coleccionador de plantas – nos propomos falar aqui. O Plínio o Moço dos Açores, lhe chamava António Feliciano de Castilho, seu amigo e seu compadre. Alguns traços da sua natureza íntima serão o tema deste apontamento, capítulo primeiro de um trabalho mais vasto que intitulámos José do Canto Vivo. Subsídios para a História Micaelense. […]”

  16. Opções políticas do clero regular nortenho nas vésperas do triunfo do liberalismo : uma sondagem


    “É absolutamente certo que a Igreja católica desempenhava ainda um papel de primeiríssimo plano na sociedade portuguesa, quando a grei se degladiava acerrimamente em torno do projecto político que seria mais adequado adoptar para melhor a conduzir aos caminhos do futuro: liberalismo ou absolutismo monárquico E se o «peso» do clero diocesano era fácil de aferir pelos contemporâneos em virtude dos meios de acção e comunicação social postos tradicionalmente ao seu dispor (magistério, imprensa, assistência, púlpito, catequese …), outro tanto não sucedia com a influência dos regulares, cujas casas, dispersas por todo o país, ascendiam a mais de quatro centenas,...

  17. O sistema educacional na R.F.A.


    “[…]. Consoante a Lei Fundamental, o «Grundgesetz», como se chama a Constituição da R.F.A., o sistema escolar, inclusivé as escolas particulares, é fiscalizado pelo Estado. Todas as questões escolares são da competência dos estados federais, os «Bundesländer», entre os quais há várias diferenças neste aspecto. Para as equilibrar, encontra-se com regularidade a Conferência Permanente dos Ministros da Educação dos Estados Federais. […]”

  18. Alfred Lewis : romance e poesia em dois idiomas


    “[…]. Da experiência açoriana tirou Alfred Lewis a inspiração para escrever, em inglês, o seu primeiro romance, Home is an Island. Aí se retrata a vida de um jovem ilhéu, José de Castro, até ao momento da sua emigração para a Terra do Ouro. O livro teve bastante sucesso no mercado americano e perante os muitos críticos que o comentaram. Notou-se o estilo ao mesmo tempo singelo e cheio de ricas imagens poéticas, a qualidade sensível e espiritual do romance e a atmosfera de repouso e tranquilidade que o distingue. […]”

  19. Os Lusíadas, a Mensagem e as comemorações camonianas


    “[…] uma breve contribuição ao estudo comparativo d’Os Lusíadas e da Mensagem, no que toca ao carácter épico e à exploração do plano mítico. Nesta aproximação se cruzam os grandes problemas do «ser português», do pensar a história e o modo de ser, a fatalidade e o destino histórico, a grandeza e a decadência, enfim, o Passado, o Presente e o Futuro. Nesses planos, tanto Os Lusíadas como a Mensagem oferecem larga matéria de reflexão e um pendor para insinuar um juízo sobre o «ser-se português». […]”

  20. Metamorphoses noires chez Lautreamont, F. Kafka et G. Orwell


    “Il y a des milliers d’années que le scarabée fascine par son activité «pilulaire», surtout les néophytes qui en ignorent la raison. Or, le petit animal montre une telle détermination pour rouler sa boule, qu’il suscite en nous une image ambivalente. L’insecte peut devenir symbole de la Connaissance (cachée ou révélée), l’étrangeté s’affirmant comme garant du savoir; ou, à l’inverse, l’inquiétude provoquée par l’incompréhensible peut devenir dominante, d’autant qu’il s’y ajoute un possible dégoût entraîné par la vision d’une activité scatologique. Cette ambivalence positive-négative attachée au coléoptère nous est curieusement proposée par trois ouevres modernes de pays différents, où se...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.