Recursos de colección

Biblioteca Digital do IPB (53.442 recursos)

A Biblioteca Digital do IPB, tem por objectivo divulgar e permitir o livre acesso à produção científica produzida pela comunidade académica, promovendo a integração, partilha e a visibilidade da informação científica e garantindo a preservação da memória intelectual do Instituto Politécnico de Bragança.

CEG - Comunicações em Encontros Científicos Não Indexadas ao ISI

Mostrando recursos 1 - 20 de 48

  1. Rotavírus- uma realidade pediátrica

    Lopes, Ângela; Sousa, Filomena; Antão, Celeste
    A infeção por Rotavírus é considerada a causa mais comum de diarreia grave na infância em todo o mundo. O vírusé responsável por um grande número de gastroenterites que ocorrem em crianças menores de cinco anos. (Oliveira. Melo & Simonetti, 2008). Os rotavírus são eliminados em alta concentração nas fezes de crianças infectadas e entre os mecanismos de transmissão do mesmo destaca-se a via fecal- oral. (Salvador. Almeida. Alves & Dantas, 2011). A água, objectos contaminados e o contacto directo entre pessoas, são segundo Vranjac (2004) também uma das formas de transmissão. Quanto à distribuição sazonal das gastroenterites por Rotavírus, em Portugal, este surge principalmente no Inverno...

  2. Indicadores demográficos potenciadores de risco em saúde na população idosa do Distrito de Bragança

    Pimentel, Maria Helena; Mata, Maria Augusta; Fernandes, Adília; Magalhães, Carlos Pires; Baptista, Gorete
    Portugal tem uma taxa de envelhecimento muito elevada (cerca de 19%). O distrito de Bragança situa-se no Nordeste de Portugal, tem uma área de 6608Km2 e uma população de 136252 a que corresponde uma densidade populacional de cerca de 21 habitantes por km2. A proporção de idosos é cerca de 29% (INE; 2011). O número de idosos, em Portugal, é cerca de 39 mil, dos quais cerca de 24 mil (63% do total de idosos) residem sozinhos ou com outros idosos. De acordo com a WHO (1995) cerca de 15% dos idosos sofrem de semi-dependência resultante da perda gradual de...

  3. Recursos e respostas pessoais dos profissionais de saúde dos cuidados continuados da região de trás-os-montes e alto douro para lidarem com o fim de vida

    Marcos, Lia J. P.; Pimentel, Maria Helena; Baptista, Gorete
    A evolução da ciência e das tecnologias fez o Homem acreditar que podia controlar todos os fenómenos, acreditando que podia ser imortal. Esta forma de pensar está muito vincada nos profissionais de saúde, pois estes foram instruídos para lutarem pela vida a todo o custo, sendo a morte vista como um fracasso a nível profissional. Compreender como os profissionais de saúde vivenciam o processo de doença terminal e morte, bem como conhecer que recursos pessoais são adotados para lidar com situações de fim de vida. Totalidade dos profissionais de saúde que exercem a sua atividade laboral nas unidades de cuidados continuados da região de Trás-os-Montes e Alto Douro...

  4. Adolescentes: perceção da autoimagem

    Sousa, Filomena; Mata, Maria Augusta; Antão, Celeste
    A adolescência é uma etapa evolutiva peculiar do ser humano. Nela culmina o processo maturativo biopsicossocial do indivíduo, podendo ser considerada como o período que marca, não só a aquisição da imagem corporal do homem adulto, mas sobretudo aquela que determina a estruturação final da personalidade. Avaliar o seu Indice de Massa Corporal e conhecer a perceção e o grau de satisfação face à imagem corporal dos adolescentes com idades compreendidas entre os 12 e 15 anos de idade. Estudo de abordagem quantitativa de plano não-experimental descritivo, foi aplicado um questionário a uma amostra de 281 adolescentes. Dos adolescentes que participaram no estudo, 16,85% apresentavam excesso de peso...

  5. Acidentes com crianças: perceção de pais

    Antão, Celeste; Mata, Maria Augusta; Sousa, Filomena
    Os acidentes infantis constituem uma importante causa de morbilidade e mortalidade. O relatório de avaliação de segurança infantil de 2012 reconhece que Portugal tem feito um trabalho razoável no que se refere à segurança infantil. No entanto, considera que ainda há muito a fazer para prevenir outros tipos de lesões que ocorrem em casa e no seu meio envolvente. Consciente desta realidade a DGS (2012) recomenda que em todas as consultas previstas no esquema de vigilância infantil da criança e adolescente seja abordado o tema da segurança infantil e os riscos associados ao seu crescimento e desenvolvimento. Avaliar a perceção dos...

  6. Colocação de cateter venoso periférico em ambiente de práticas laboratoriais e sucesso da primeira punção venosa em contexto real (Ensino clínico/ Estágio). Estudo realizado em estudantes de enfermagem

    Preto, Leonel; Martins, Matilde
    A simulação é uma estratégia formativa que tem como objetivo principal melhorar competências clínicas. Na formação em enfermagem, pode ser útil quando desejamos aperfeiçoar técnicas que envolvam um certo risco para o paciente ou quando desejamos promover a confiança do aluno na execução de cuidados complexos. Analisar a primeira punção venosa periférica com cateter realizadas em utentes do foro médico-cirúrgico por alunos de enfermagem em ensino clínico/estágio; descrevendo as dificuldades sentidas na execução da técnica, e relacionando o sucesso da mesma com o tipo de aulas práticas simuladas e orientadas, que os formandos previamente tiveram em ensino teórico-prático. Estudo descritivo...

  7. Sofrimento na doença crónica

    Baptista, Gorete; Novo, André; Galvão, Ana Maria
    O depender de uma máquina para viver é, sob o ponto de vista psicossocial, "aterrador". O indivíduo sofre no mais interno do seu ser o que, apesar de não ser visível para os que o rodeiam, é o mais dramático. A doença renal terminal é uma das doenças crónicas mais exigentes pela natureza dos tratamentos e pela necessidade de cuidados contínuos, com inevitáveis repercussões na vida dos doentes, levando muitas vezes ao suicídio, mesmo que inconsciente. Neste estudo pretendemos avaliar o sofrimento dos doentes em tratamento de hemodiálise, verificar a sua relação com algumas variáveis sociodemográficas e clínicas e ainda validar...

  8. Burnout em enfermeiros dos cuidados continuados

    Alves, Laura Filipa Águia; Baptista, Gorete; Pimentel, Maria Helena
    A Síndrome de Burnout é geralmente definida como um conceito multidimensional, caracterizada por uma exaustão emocional elevada, desenvolvimento de atitudes de indiferença e afastamento emocional das pessoas a quem se prestam os serviços ou cuidados e um sentimento de ineficácia. Esta síndrome é mais frequente entre os profissionais que trabalham no seu quotidiano com pessoas, ou seja, entre os profissionais que prestam ajuda e a sua origem, está relacionada com a exposição a uma carga excessiva de stress ocupacional crónico. Avaliar o nível de Síndrome de Burnout nos enfermeiros que trabalham nas Unidades de Cuidados Continuados (Média Duração e Reabilitação e Longa Duração e Manutenção) da...

  9. A depressão em doentes crónicos

    Baptista, Gorete; Novo, André; Pimentel, Maria Helena
    As doenças crónicas podem ser mais ou menos exigentes pela natureza dos tratamentos e pela necessidade de cuidados contínuos, com inevitáveis repercussões na vida dos doentes. A depressão tem sido muito estudada e verifica-se que tem uma prevalência elevada em diabéticos e hemodialisados, podendo ser um fator relacionado com maior taxa de morbilidade e mortalidade nesses doentes, incluindo o suicídio. Neste estudo pretendemos avaliar os níveis de depressão em hemodialisados e diabéticos tipo II e verificar diferenças entre as duas amostras, uma vez que diferem relativamente à necessidade de alterações de modos de vida. Foi feito um estudo exploratório numa amostra de 210...

  10. Avaliação do conhecimento referente à deteção precoce e prevenção do acidente vascular cerebral

    Fernandes, Adília; Azevedo, Ana; Magalhães, Carlos Pires; Antão, Celeste; Anes, Eugénia
    Este estudo procurou investigar qual o nível de conhecimento dos sinais e sintomas do acidente vascular cerebral. Optou-se por um estudo quantitativo, descritivo e transversal. Participaram 171 indivíduos. Os dados foram recolhidos em 2009, utilizando-se a técnica de amostragem não probabilística acidental. A maioria da amostra revela desconhecimento dos três sinais de alerta primordiais na deteção precoce do acidente vascular cerebral, pois 34 indivíduos (19,9%) selecionaram as três opções corretas relativas aos primeiros sinais de alerta (dificuldade em falar; menos força no braço; desvio da comissura labial), 20 dos respondentes (11,7%) não identificaram corretamente qualquer manifestação.

  11. Avaliação do conhecimento dos estudantes de enfermagem no âmbito do envelhecimento

    Fernandes, Adília; Azevedo, Ana; Magalhães, Carlos Pires; Antão, Celeste; Anes, Eugénia
    O desconhecimento do processo de envelhecimento está na origem de muitos dos estereótipos de cariz negativo. Este é considerado um fenómeno individual, heterogéneo, multidimensional e multidirecional (Baltes, 1987; Birren, 1995; Sánchez & Ulacia, 2005) à semelhança de outras etapas do ciclo vital, nesta podem surgir quer perdas, quer ganhos. Pretende-se com este estudo, avaliar o conhecimento dos estudantes do 1º ano de enfermagem no âmbito do envelhecimento, e facultar os resultados à comunidade científica visando a desmistificação de conceções erradas no âmbito da temática. Optou-se por um estudo quantitativo, descritivo e transversal. Através de uma amostragem não probabilística acidental obteve-se uma amostra de 42 estudantes do 1º ano,...

  12. Representação social sobre os cuidados continuados do cuidador informal de uma pessoa dependente: experiências de quem cuida.

    Mata, Maria Augusta; Sousa, Filomena; Fernandes, Adília
    Desde sempre a família tem estado na primeira linha da prestação de cuidados a um familiar portador de dependências e incapacidades, tornando-se essa realidade muito visível na actualidade atendendo à situação demográfica global. A maioria destas dependências estão associadas a doenças crónicas e o seu cuidado conduz necessariamente a repercussões que se irão refletir a diferentes níveis como o familiar, social e/ou económico. Na sequência destas necessidades surgem os cuidados continuados integrados que, de acordo com o o Decreto-Lei nº 101/2006 constituem “o conjunto de intervenções sequenciais de saúde e ou de apoio social, decorrente de avaliação conjunta, centrado na recuperação global entendida como o processo terapêutico...

  13. O idoso e a medicação

    Fernandes, Adília; Magalhães, Carlos Pires; Antão, Celeste; Anes, Eugénia; Mata, Maria Augusta; Pimentel, Maria Helena
    Atualmente uma grande percentagem da população depara-se com a necessidade de consumir medicação face ao crescimento acentuado das doenças, necessitando adotar medidas para as controlar e tratar. Esta realidade é acompanhada da toma de vários fármacos em simultâneo, mas, nem sempre lhe é dispensada a atenção devida. A automedicação pode acarretar diversas consequências como resistência bacteriana, dependência e aumento do risco para determinadas neoplasias (Ribeiro et al., 2010). Objetivos: Avaliar o comportamento dos indivíduos na toma da medicação e determinar a prevalência da poli e automedicação.Material e Métodos: Estudo quantitativo, descritivo e transversal. Obteve-se uma amostra não probabilística acidental de...

  14. Sobrecarga em cuidadores informais de idosos dependentes e sua relação com variáveis do cuidador e dependência dos idosos nas avd

    Mata, Maria Augusta; Pimentel, Maria Helena; Fernandes, Adília; Magalhães, Carlos Pires; Brás, Manuel
    Inúmeros estudos reportam diversos problemas sentidos pelos cuidadores informais, principalmente quando o cuidado se prolonga no tempo. Ribas et al. (2000) afirmam que o cuidador principal enfrenta diariamente desafios imprevisíveis e sofre perdas de controlo pessoal que se vão reflectir na sua saúde física e emocional. Zarit e Zarit (1983), Zarit, Orr e Zarit (1985), Zarit, Todd e Zarit (1986), Zarit (1997), referem que a intensidade da sobrecarga constitui melhor predictor de institucionalização do que o estado mental ou conductual da pessoa cuidada, pelo que, consideraram a carga do cuidador como sendo a chave para a manutenção na comunidade, das pessoas com demência. Metodologia: Com o objectivo...

  15. Exercício físico em idosos diabéticos e perceção da sua importância no controlo da doença

    Fernandes, Adília; Magalhães, Carlos Pires; Mata, Maria Augusta; Pimentel, Maria Helena
    A diabetes Mellitus caracteriza-se por uma hiperglicemia crónica com distúrbios no metabolismo dos hidratos de carbono, lípidos e proteínas, resultante de deficiências da secreção da insulina e/ou da sua ação (Tahrani, 2009), sendo responsável pelo aparecimento de várias complicações que afetam a qualidade de vida. A prevalência desta doença aumenta com a idade (OND, 2011). Estudos destacam a importância do exercício físico no controlo glicémico (Silva & Lima, 2002; Araújo, Prada, Córdova & Prada, 2009), bem como no retardar da ocorrência de incapacidades e dependências. Objetivo: Identificar práticas de exercício físico em idosos diabéticos dos centros de saúde do distrito...

  16. Comparação da qualidade de vida de idosos residentes em meio rural e urbano

    Anes, Eugénia; Fernandes, Adília; Antão, Celeste; Magalhães, Carlos Pires; Geraldes, Maria de Fátima
    É real, a crescente representatividade da população idosa. A incidência das doenças crónicas aumenta à medida que a população envelhece, reforçando o seu papel na morbilidade e mortalidade (World Health Organization, 2004). Muitos estudos se têm dedicado a estudar a velhice, sob novas óticas, nomeadamente a qualidade de vida (Martins, Albuquerque, Gouveia, Rodrigues & Neves, 2007). A avaliação da qualidade de vida constitui um instrumento fundamental e indispensável ao planeamento em saúde, em especial, pela sua relação com a adoção de comportamentos promotores de saúde (Araújo, Ramos & Lopes, 2011). Este estudo pretendeu comparar a avaliação da qualidade de vida subjetiva,...

  17. A força de preensão manual como indicador da funcionalidade em idosos

    Novo, André; Preto, Leonel; Mendes, Eugénia
    A avaliação da força da mão é uma ferramenta relevante no planeamento e avaliação dos cuidados em geriatria e reabilitação. Fornece informações valiosas sobre a funcionalidade do indivíduo e ajuda a implementar e monitorizar estratégias com o objetivo de preservar ou recuperar a força muscular global. Objectivos: Perceber a relação existente entre a idade, os valores obtidos através de dois métodos de avaliação da força de preensão da mão e do teste de avaliação funcional up and go. Material e métodos: Desenhou-se um estudo de carácter descritivo, quantitativo e transversal. Para avaliar a força de preensão manual utilizou-se um dinamómetro...

  18. Análise das quedas que resultaram em fratura da extremidade próximal do fémur

    Preto, Leonel; Mendes, Eugénia; Novo, André; Barreira, Elisabete Maria Gomes
    As quedas constituem uma das principais causas de morbilidade no idoso. Investigámos fatores de risco e características das quedas que resultaram em fratura da anca, com base em entrevistas a idosos internados em ortotraumatologia. Objetivos: Identificar fatores intrínsecos e ambientais e analisar o relato da queda. Avaliar, retrospetivamente, a independência funcional do idoso antes da queda; e prospectivamente a independência seis meses após alta. Estudo descritivo e correlacional com 18 idosos participantes; sendo critérios de inclusão apresentarem-se orientados, colaborantes e sem amnésia para o episódio de queda. A recolha de dados fez-se durante o internamento e seis meses após alta...

  19. Funcionalidade de idosos com osteoartrite

    Mendes, Eugénia; Novo, André; Preto, Leonel
    A osteoartrite (OA) é um processo involutivo que afeta as articulações. Do ponto de vista histológico, o processo degenerativo altera a cartilagem articular que perde elasticidade natural após anos de desgaste intenso. Atinge principalmente as articulações dos joelhos, anca e dedos, mas pode ocorrer em todas as articulações que permitem mobilidade, designadamente as da coluna vertebral. Apresenta taxas de prevalência mais elevadas a partir da quarta década de vida e é uma das patologias mais comuns na população idosa. A doença tem uma maior prevalência e incidência no sexo feminino a partir da menopausa, onde a severidade, sobretudo na artrose...

  20. Frequência de acidentes de trabalho nos serviços de urgência dos Hospitais Portugueses entre 2000 e 2010

    Martins, Matilde; Barbiéri, Maria do Céu; Correia, Teresa
    O ambiente de trabalho hospitalar é caraterizado por agregar um conjunto de fatores de risco, que vão desde os físicos, aos químicos, aos biológicos e aos psicossociais, que expõem os seus trabalhadores a riscos acrescidos para a sua saúde, facilitando a ocorrência de acidentes de trabalho. Uva (2007); Martins, Silva e Correia (2012). Nos serviços de urgência/emergência, estes fatores são agravados. Os serviços de urgência/emergência são caracterizados por atenderem vítimas de doença súbita ou trauma em situação muitas vezes de risco de vida, que exige uma atuação rápida e recurso a tecnologia de ponta, favorecendo ou intensificando os riscos de...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.