Recursos de colección

Repositorio da Universidade dos Açores (8.391 recursos)

O Repositório Institucional da Universidade dos Açores desenvolvido no âmbito do projecto RCAAP.

ARQ - Hist1s - N Especial (1988)

Mostrando recursos 1 - 13 de 13

  1. Correspondência de Jaime Batalha Reis para Ernesto do Canto.

    Rocha, José Olívio M. Rocha
    A publicação das cartas de Jaime Batalha Reis para Ernesto do Canto, incluídas numa «Miscelânea Documental» que integra um número especial da Revista Arquipélago sobre as relações dos Açores com a Inglaterra, constitui um contributo para ilustrar o movimento de ideias trocadas entre os Açores e a Inglaterra. Ilustra também o papel desempenhado por pessoas como Jaime Batalha Reis, que, servindo-se das posições que ocupavam, divulgaram o que por cá se fazia no campo da investigação histórico-geográfica. As quatro cartas que Jaime Batalha Reis escreveu a Ernesto do Canto, existentes no Fundo Ernesto do Canto da Biblioteca Pública e Arquivo...

  2. Correspondência de Nicolau Maria Raposo do Amaral com Berthon & Koster e Roberto Kite & Cª, de Londres.

    Cordeiro, Carlos Alberto da Costa
    As cartas que a seguir se transcrevem estão incluídas no importante arquivo Raposo do Amaral, em depósito nos Serviços de Documentação da Universidade dos Açores. Com a sua publicação pretende-se unicamente chamar a atenção para a relevância que o estudo da documentação deste espólio poderá assumir ao procurar compreender-se aspectos da história económica, social e mesmo político-institucional dos Açores, principalmente a partir do terceiro quartel do século XVIII. […].

  3. «Manoela» : a story of young love «West of the Archipelago».

    Monteiro, George
    Em 1859 o jornal londrino Ladies' Companion, and Monthly Magazine publicou «Manoela» numa tradução inglesa do francês de Théodore Marie Pavie. Com o subtítulo de «Uma história dos Açores» dado pelo editor, esta moralística historieta põe em contraste a sinceridade e o amor de dois jovens das Flores com o tédio e a superficialidade de duas mulheres peruanas. Romanticamente, o autor vê virtude sólida e uma larga capacidade para sentimentos profundos nos jovens naturais das Flores. (Transcreve-se aqui a história.)

  4. Relações de Edgar Prestage com escritores açorianos.

    Vilhena, Maria da Conceição
    Utilizámos na elaboração deste trabalho dez cartas de Edgar Prestage, oito delas enviadas a Teófilo Braga e duas a Alice Moderno. A avaliarmos pela qualidade e número de trabalhos publicados sobre a literatura e história de Portugal. Edgar Prestage é sem dúvida um dos maiores lusófilos ingleses da segunda metade do séc. XIX e primeira do séc. XX (1869-1951). Se no início da sua carreira E.P. se dedicou à tradução de obras portuguesas, ao tornar-se célebre em Portugal são os portugueses que se comprazem em traduzir os seus trabalhos. A temática que tratou pode ser assim resumida: descobrimentos, relações diplomáticas,...

  5. Prescription, description : a doctor-invalid and his brother explore the Azores

    Calado, Kathleen J. Mundell
    Joseph Bullar, um médico inglês de Southampton, visitou os Açores em 1838, acompanhado pelo seu irmão, Henry. Os irmãos registaram as experiências e impressões da sua viagem e estadia de oito meses no arquipélago, resultando num relato extremamente pormenorizado e completo da vida açoreana de então. Este artigo foca a dupla faceta de Joseph, como médico e doente, O seu interesse profissional nos benefícios do clima e propriedades geológicas próprias das ilhas, sobretudo da zona das Fumas em São Miguel, dá à narrativa uma precisão e objectividade complementadas por passagens mais subjectivas e reflectivas onde o autor surge no papel...

  6. A perspectiva do comandante Edward Boid, oficial inglês e romântico.

    Silva, João Paulo A. Pereira da
    O ano de 1832 trouxe aos Açores a célebre expedição liberal liderada por D. Pedro e constituída quase inteiramente por militares britânicos. Integrado neste contingente militar estava o comandante Edward Boid, autor de "A Description of the Azores or Western Islands" (1834), relato de viagem onde registou as experiências colhidas no Arquipélago. A narrativa encerra duas visões opostas mas complementares das Ilhas Ocidentais, denunciando a complexidade do temperamento e da formação do autor. Assim, a par de uma apreciação estética da paisagem do Arquipélago, claramente integrada no espírito romântico, deparamos com uma análise bastante desfavorável do panorama social, político e...

  7. Viagens e viajantes.

    Sousa, Maria Leonor M. de
    A literatura de viagens é um género ainda pouco estudado do ponto de vista teórico, mas que tem grande interesse documental, sobretudo em épocas em que os naturais do país visitado não registavam a sua realidade quotidiana. Os relatos dos viajantes estrangeiros são importantes tanto em relação à novidade que constavam como à diferença em termos da sua cultura de origem, que muitas vezes condiciona o seu ponto de vista.

  8. Alguns tópicos sobre as relações entre os Açores e a Grã-Bretanha (durante a Segunda Guerra Mundial).

    Andrade, Luís Manuel Vieira de
    Neste artigo analisa-se, de uma forma necessariamente sucinta, as relações, nomeadamente de natureza geoestratégica, entre os Açores e a Inglaterra durante a Segunda Guerra Mundial. Podemos constatar, que, durante este período, o interesse da maior potência marítima pelo arquipélago dos Açores, assentava na sua relevante situação geográfica quase a meio do Atlântico Norte, o que contribuiu também para a derrota da Alemanha.

  9. British empire cable communications (1851-1930) : the Azores connection.

    Cogan, Donard de
    O advento da telegrafia transatlântica em 1866 teve largas implicações para as reportagens noticiosas, o comércio, e a diplomacia. Curiosamente o significado estratégico desta tecnologia dominada pelos britânicos não foi plenamente apreciado até relativamente tarde no século XIX. Existiram ligações telegráficas via Portugal desde muito cedo e os Açores foram então ligados ao continente. Dado terem sido os cabos utilizados pelo seu valor estratégico, a «relação especial» com Portugal e a posição geográfica dos Açores ganharam um novo significado. Informações sobre a importância técnica, comercial. Política, militar e social dos cabos açoreanos ainda restam por explorar. Este artigo estuda o...

  10. Organs in the Azorean Archipelago

    Cranmer, David
    A procura de um órgão para tocar nos Açores, o autor descreve a riqueza de instrumentos com que deparou - alguns provenientes de Lisboa, outros construídos localmente e ainda um outro, um piano-órgão, importado de Inglaterra. Entre os provenientes de Lisboa, inclui-se o magnífico órgão Fontanes da de S. José, em Ponta Delgada, e vários outros construídos por António Xavier Machado nos finais do século XVIII e princípios do século XIX. Entre os instrumentos fabricados localmente encontra-se um trabalho de Manoel de Serpa da Silva, do Faial, dos finais do séc. XIX. O piano-órgão é um trabalho da firma de...

  11. St. Michael's Hicklings, Fayal Dabneys, and their british connections.

    Rogers, Francis Millet
    Thomas Hickling (1745-1834). John Bass Dabney (1766-1826) e seus descendentes constituíram duas ilustres famílias consulares dos Estados Unidos nos Açores, Da Nova Inglaterra, embora com raízes na Velha Inglaterra, e viajantes consagrados ao mesmo tempo que mercadores, os membros de ambas as famílias mantiveram várias ligações com as Ilhas Britânicas através de casamentos, dos recém-colocados cabos telegráficos submarinos, e dos seus próprios navios. O artigo debruça-se sobre a residência no Faial do financeiro J. Pierpont Morgan em 1852-1853 e a sua visita de retorno, em 1906, e também sobre o papel açoriano durante a Guerra Civil Americana (1861-1865).

  12. Os Açores e os interesses ingleses no Atlântico durante a Guerra Peninsular.

    Leite, José Guilherme Reis
    Com o fim da neutralidade portuguesa na guerra entre a Inglaterra e a França, em 1807, D. João retira-se para o Brasil e Portugal é invadido. A esquadra inglesa inicia um bloqueio aos portos portugueses e nos termos da aliança luso-britânica assume o papel principal na defesa das rotas do Atlântico. Estuda-se aqui a importância dos Açores nesta guerra, como ponto de abastecimento de cereais e como ponto estratégico e também as difíceis situações criadas que chegaram a pôr em perigo a soberania portuguesa. Estudam-se também as relações entre as autoridades insulares e os súbditos britânicos fixados nas ilhas.

  13. Sinais de presença britânica na vida açoreana (séculos XVI-XIX).

    Sousa, Nestor de
    Marco importante de apoio ás viagens quatrocentista, de exploração ultramarina portuguesa, os Açores foram-no igualmente nas subsequentes torna-viagens das armadas do Oriente e das Américas, como o são hoje ainda no jogo de forças dos blocos que comandam a estratégia internacional, Zona periférica do comércio internacional e intercontinental, o arquipélago nele se integrou, todavia, a menos de um século ainda do início sistemático da ocupação dos seus territórios, quer através dos circuitos em que se movia a economia luso-atlântica, quer como origem de negócios que algumas das suas ilhas foram, Nas transacções com o estrangeiro, a Grã-Bretanha foi o parceiro...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.