Recursos de colección

Repository ESEPF Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti (2.261 recursos)

The Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Institutional Repository is an on-line platform for collecting, preserving, and disseminating the intellectual output of this institution in digital form.

02 Caderno Crianças: Sujeito de Direitos

Mostrando recursos 1 - 9 de 9

  1. A Po(ética) da Infância e a Formação para os Valores

    CAVALCANTI, Joana
    A Literatura para a Infância se constitui como uma das grandes possibilidades de contacto da criança com a realidade e com o mundo. Para além de propor sensibilização estética, o espaço literário também se oferece como lugar de busca e produção de sentido. Assim, uma (po)ética da Literatura para a Infância deve ser considerada na medida em que se situa como um conjunto ou sistema de ideias destinado à compreensão do universo da infância, englobando alguns aspectos referentes à educação ética e moral das crianças. A proposta assenta numa reflexão com vista à função do texto literário destinado à criança na construção do sujeito e...

  2. (Re)Inventar um Espaço Reflexivo

    Gonçalves, Daniela
    A nossa proposta assenta numa mudança epistemológica que rompe, definitivamente, com a concepção e as correspondências representativas da Criança como “objecto”, devolvendo às Crianças a sua subjectividade, visto que a acção pedagógica que preconizamos exige a (re)invenção de um espaço reflexivo, cooperando com as seguintes matrizes: a) a participação na comunidade (educativa); b) o aprofundamento da sociedade democrática, garantindo a fundação de uma cultura de participação sustentada; c) o desenvolvimento adequado e constante de competências para uma cultura de exercício cívica e activa.

  3. Propostas de actividades

    PROJECTO, "Criança, sujeito de direitos: a infância que se ergue"
    O conjunto de actividades que apresentamos tem a sua origem no trabalho desenvolvido pelos diversos professores/as juntamente com as crianças com as quais partilharam o projecto “Criança, sujeito de direitos: a infância que se ergue”. Sendo assim, são propostas já desenvolvidas e experimentadas com sucesso. Enfatizamos que qualquer actividade pedagógica deve ser cautelosamente analisada para poder servir como ponto de partida, sendo redimensionada de acordo com cada grupo de crianças, contextualizada para atender aos níveis e padrões de interesse e objectivos que se pretendam atingir. Evidentemente que devem ser adaptadas criteriosamente e sempre no sentido de melhor desenvolver o trabalho, enriquecendo-o, acrescentando, inovando, mas sobretudo sem perder...

  4. O Direito à Língua – a diversidade linguística na Escola

    Silva, Maria Cristina Vieira
    Na reflexão que aqui apresentamos, em torno do direito à Língua em contextos de diversidade linguística na Escola, guiaram-nos as seguintes preocupações: A sensibilização para a diversidade linguística e cultural; A necessidade de formar cidadãos plurilingues e pluriculturais; A premência em consciencializar os educadores para o facto de a diversidade linguística poder ser encarada não como um obstáculo, mas antes como um recurso para o enriquecimento do processo de aprendizagem; O reconhecimento do valor de línguas maternas com baixo estatuto social visando a valorização da própria identidade do falante; A necessidade de o educador conhecer e saber adequar estratégias, materiais e actividades no apoio a situações de diversidade linguística.

  5. Dinâmicas de Reconhecimento da Criança, sujeito de direitos

    Gonçalves, José Luís
    Os Direitos Humanos estabilizaram, ao longo de décadas, um património conceptual que necessita de ser permanentemente actualizado em sede educativa para ser eficaz na promoção da dignidade humana. Diante da emergência de uma quarta geração de direitos baseada no paradigma da diversidade, o desafio educativo actual consiste em tornar visível o outro diverso para que possa usufruir das prerrogativas da contemporaneidade. As dinâmicas de reconhecimento da singularidade do ser humano em todas as suas fases e contextos de vida – como é a criança na sua infância – pressupõem a construção da identidade(s) a partir de um humanismo relacional que se exprime numa educação aberta à...

  6. Criança, Sujeito de Direitos: A Infância que se ergue: breve fundamentação

    Trevisan, Gabriela; Gonçalves, Daniela; Cavalcanti, Joana; Silva, Maria Cristina Vieira; Gonçalves, José Luís
    Partindo de uma reflexão sobre os Direitos da Criança, este projecto centra-se no papel da Educação e das instituições sócio-educativas na promoção, reflexão e defesa dos mesmos, numa perspectiva de formação de adultos e crianças. Ao longo do percurso, foram promovidas acções de esclarecimento e sensibilização junto dos agentes educativos, sobre os aspectos pedagógicos, jurídicos, psicológicos e sociais sobre os quais versa a Convenção dos Direitos da Criança. Posteriormente, e porque a interpretação das dimensões que compõem este documento depende de condições que extrapolam a sua divulgação, procurou-se promover a participação activa e consciente de um conjunto de educadores/professores que se disponibilizaram para colaborar no projecto. É...

  7. A redescoberta da Infância e da Criança

    Trevisan, Gabriela
    A(s) reconstrução (ões) da (s) imagen(s) produzida (s) sobre a Infância e sobre as crianças continuam a assumir-se como desafio actual e necessário, à consideração de uma criança-cidadã, sujeita de direitos e deveres, e competente para o seu exercício. O modo como estas imagens influenciam essas possibilidades é visível em diferentes contextos de vida quotidiana da criança sendo, a escola, local por excelência de exercício democrático e de aprendizagem dos direitos das crianças. Os professores, por sua vez, constituem-se como agentes centrais na promoção, defesa, e leitura crítica dos direitos da criança, nomeadamente, o de expressar a sua voz pelos seus próprios meios e de participar...

  8. A Po(ética) da Infância e a Formação para os Valores

    Cavalcanti, Joana
    A Literatura para a Infância se constitui como uma das grandes possibilidades de contacto da criança com a realidade e com o mundo. Para além de propor sensibilização estética, o espaço literário também se oferece como lugar de busca e produção de sentido. Assim, uma (po)ética da Literatura para a Infância deve ser considerada na medida em que se situa como um conjunto ou sistema de ideias destinado à compreensão do universo da infância, englobando alguns aspectos referentes à educação ética e moral das crianças. A proposta assenta numa reflexão com vista à função do texto literário destinado à criança na construção do sujeito e...

  9. (Re)Inventar um Espaço Reflexivo

    GONÇALVES, Daniela
    A nossa proposta assenta numa mudança epistemológica que rompe, definitivamente, com a concepção e as correspondências representativas da Criança como “objecto”, devolvendo às Crianças a sua subjectividade, visto que a acção pedagógica que preconizamos exige a (re)invenção de um espaço reflexivo, cooperando com as seguintes matrizes: a) a participação na comunidade (educativa); b) o aprofundamento da sociedade democrática, garantindo a fundação de uma cultura de participação sustentada; c) o desenvolvimento adequado e constante de competências para uma cultura de exercício cívica e activa.

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.