Recursos de colección

Repositório do ISPA Instituto Superior de Psicologia Aplicada (11.353 recursos)

No Repositório do ISPA pode encontrar diversos tipos de documentos, em formato digital, resultantes da produção científica do ISPA designadamente: teses de doutoramento, teses de mestrado, artigos em publicações periódicas nacionais e internacionais, relatórios técnicos, artigos em actas de conferências nacionais e internacionais e capítulos de livros.

UIPCDE - Actas de congressos nacionais

Mostrando recursos 1 - 20 de 24

  1. Diferenças de género no autoconceito artístico e a sua relação com a auto-estima em estudantes do ensino secundário

    Pipa, Joana; Peixoto, Francisco José Brito
    De forma geral, as diferenças de género no autoconceito dos sujeitos tendem a revelar um efeito de estereótipo, onde se mostra que as raparigas apresentam, entre outros domínios, níveis superiores nos domínios artísticos do autoconceito.O presente estudo teve como objectivo verificar o efeito da variável género nos níveis de autoconceito artístico e a sua relação com a auto-estima em jovens do ensino artístico e regular. Participaram no estudo 226 adolescentes que responderam a uma escala de autoconceito e auto-estima (Peixoto & Almeida, 1999) e à adaptação portuguesa da escala de autoconceito artístico de Vispoel (1993). Foram evidenciadas diferenças significativas entre os géneros para os...

  2. "Só apanhei o F que é da última" - Descobrir ou mostrar? Uma abordagem à promoção do conflito cognitivo em crianças de idade pré-escolar

    Almeida, Tiago Alexandre Fernandes; Silva, Ana Cristina
    Este estudo procura analisar qual o impacto de diferentes metodologias de interação (didática diretiva e didática construtivista) na evolução das conceptualizações infantis sobre a linguagem escrita. Foram definidos três grupos (2 experimentais e um de controlo) com participantes de idade pré-escolar que foram convidados a participar em 6 sessões de intervenção com diferentes formas de interação em função do grupo. Os resultados indicam que os participantes cuja interação adulto-criança se baseou em princípios construtivista evoluíram significativamente mais do que todos os outros participantes. ------ ABSTRACT ------ The aim of this was analyse the impact of different methodologies for interaction (directive didactics and constructivist didactics) in the...

  3. O impacto de programas de intervenção em escrita com crianças de idade pré-escolar

    Almeida, Tiago Alexandre Fernandes; Silva, Ana Cristina
    O presente trabalho tem como objectivo analisar o impacto de programas de intervenção sobre a escrita na evolução das conceptualizações que crianças em idade pré-escolar têm sobre a escrita. Participaram 40 crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 6 anos divididas em 4 grupos experimentais (n = 8) e um grupo de controlo (n = 8). Os grupos experimentais diferiam quanto ao tipo de palavras facilitadoras e quanto à instrução dada para as crianças reflectirem sobre a escrita. Verificou-se que todos os grupos experimentais evoluíram mais do que o grupo de controlo, dando suporte às evidências que este tipo de metodologia promove competências...

  4. Viver com um filho especial: Estudo descritivo acerca das vivências de mães de jovens adultos com paralisia cerebral

    Nunes, Ana Carolina; Morgado, José
    Este estudo, de natureza qualitativa, teve como principal objetivo caracterizar as dificuldades e as vivências diárias de mães com filhos portadores de Paralisia Cerebral. Assim, verificámos como é que as vivências e as dificuldades das mães foram mudando ao longo dos ciclos de vida dos filhos (e.g. do nascimento à primeira infância, idade escolar, adolescência e adultez), e se ao longo dos ciclos de vida os apoios que as mães tiveram foram ao encontro das dificuldades sentidas, compreendendo quais as perceções das mães acerca dos apoios e/ou falta deles, ao longo dos ciclos de vida dos filhos. Participaram 8 mães de jovens adultos com Paralisia Cerebral, com...

  5. Percepções dos professores face à importância do envolvimento dos pais na vida escolar dos filhos

    Prego, João; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves
    Este trabalho teve como objecto de estudo as percepções dos professores do 1º Ciclo do Ensino Básico face à importância do envolvimento dos pais no sucesso escolar dos alunos. Participaram 65 professores do 1º ciclo de algumas escolas da região de Lisboa, dos quais 13 eram do sexo masculino e 52 do sexo feminino. Os professores foram questionados sobre a importância do envolvimento parental no sucesso dos alunos e sobre o envolvimento dos pais dos bons alunos e dos pais dos alunos mais fracos. O instrumento utilizado media três dimensões do envolvimento de acordo com o referido na literatura: 1)- o envolvimento dos pais na escola, 2)-...

  6. O impacto da revisão no desempenho ortográfico, coesão e coerência textual

    Silva, Ana Cristina
    O objectivo deste estudo é investigar o impacto de instruções orientadas para o processo de revisão através de suportes estruturados em grelhas, que funcionaram como regulador do processo de revisão. Participaram neste estudo 30 crianças do 4º ano de escolaridade, divididas num Grupo experimental e de Grupo de controle. Foram construídas três grelhas, cada uma delas com orientações sobre a ortografia, coesão e coerência, usadas pelo grupo experimental. Foi proporcionado também um feedback específico sobre a natureza dos erros e lacunas de coesão e coerência da versão inicial das composições das crianças. Os resultados apontam para uma melhoria na qualidade das composições infantis de crianças do 4º...

  7. O "pensamento vivo" centro de recursos psicopedagógicos: Estudo-piloto de intervenção e monitorização de saúde mental em meio escolar

    Marta, Francisco; Moita, Miguel; Torres, Nuno
    O Pensamento Vivo – Centro de Recursos Psicopedagógicos é uma iniciativa do Programa para a Inclusão e Cidadania (PIEC), Região Lisboa e Vale do Tejo tendo como alvo os estudantes da medida PIEF- Programa Integrado de Edução Formação, constituída maioritariamente por jovens com dificuldades de aprendizagem, problemas emocionais, comportamentais e adversidade social. Estes jovens e suas famílias apresentam desafios pedagógicos e relacionais particulares para os técnicos educativos, determinados por vivências traumáticas de negligência, maus-tratos e exclusão socio-educacional, recorrentes nos vários contextos pessoais e educativos e conducentes ao abandono escolar. Este trabalho apresenta: 1) a intervenção Psicopedagógica “Pensamento-Vivo”; 2) resultados do estudo-piloto de monitorização da psicopatologia dos jovens 1. A...

  8. Motivação para a aprendizagem e percepção de clima de sala de aula em alunos do 2º ano de escolaridade

    Rosa, Nádia Silva; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves
    O presente trabalho pretende caracterizar a motivação para a aprendizagem e as percepções de clima de sala de aula em crianças no início de escolaridade e estudar a sua diferenciação em função de variáveis como o género e o desempenho. Participaram no estudo 126 crianças que frequentavam o 2º ano de escolaridade do ensino básico, na região de Lisboa. Para cumprir os nossos objectivos houve necessidade de proceder à adaptação de instrumentos que se adaptassem ás características dos participantes. A escala de Motivação para a Aprendizagem ficou constituída por 4 dimensões: Prazer/Valor, Pressão, Competência Percebida e Reconhecimento Social. A escala de Clima de Sala de Aula contemplava...

  9. Motivação para a aprendizagem da matemática e sua relação com perceção de clima de sala de aula

    Ricardo, Ana Filipa; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves; Monteiro, Vera; Peixoto, Francisco José Brito
    Com o intuito de verificar e analisar as relações entre a motivação dos alunos para a aprendizagem da Matemática e as suas perceções sobre o clima de sala de aula em função das variáveis desempenho escolar e comportamentos disruptivos, e a relação entre motivação e clima de sala de aula, realizou-se uma investigação, onde participaram 390 alunos do 3º ciclo, de duas escolas da região de Lisboa. Foram utilizadas duas escalas, uma que avalia a perceção do clima de sala de aula “Na Sala de Aula de Matemática” e outra que avalia a motivação dos alunos para a aprendizagem da disciplina “Eu e a Matemática”. Os...

  10. Escala de desenvolvimento mental de Ruth Griffiths - Adaptação para a população portuguesa

    Borges, Patrícia; Costa, Inês Pessoa e; Ferreira, Carlota Themudo; Gil, Iolanda Maria Cortez Lopes Campos; Carvalhão, Inês; Fernandes, Solange; Veríssimo, Manuela
    As Escalas de Desenvolvimento Mental de Ruth Griffiths são um instrumento de avaliação que permite diagnosticar perturbações do desenvolvimento ao longo do primeiro período da vida. Ruth Griffiths teve como intenção inicial criar uma escala que avaliasse as sequências do desenvolvimento significativas da evolução cognitiva, ou seja, indicativas do crescimento mental. Griffiths defendia que em situações de risco de alterações do desenvolvimento, era fundamental fazer um diagnóstico da condição mental da criança o mais cedo possível para que se pudesse intervir e compensar os déficites precocemente, evitando assim, o agravamento dos riscos. Desenvolvidas primeiramente em Inglaterra para a população inglesa, as Escalas de Ruth Griffiths foram posteriormente estudadas...

  11. Emoções na sala de aula: Estudo das relações entre emoções, autoconceito e percepção do clima de sala de aula em alunos do 3º ciclo

    Abril, Maria João de; Peixoto, Francisco José Brito
    O estudo das emoções em contextos educativos tem sido bastante negligenciado (Pekrun et al., 2002; Schutz & Lanehart, 2002). Apesar de existirem relativamente poucas pesquisas nesta área, as emoções desempenham um papel importante na educação (Meyer & Turner, 2006). O estudo das emoções tem vindo a ser desenvolvido especialmente com estudantes universitários relacionando-as com as suas orientações motivacionais (Pekrun et al., 2006; Tyson et al., 2009). Apesar disso, pouca atenção tem sido prestada à forma como os ambientes de aprendizagem se relacionam com a vivência de emoções. Assim, este estudo exploratório visa alargar a investigação a alunos mais novos no que concerne às emoções em sala de...

  12. Dificuldade sentida por professores do 2º e 3º ciclos na implementação de práticas pedagógicas diferenciadas

    Gaitas, Sérgio Miguel Protásio; Pipa, Joana
    O acolhimento e a resposta educativa de qualidade à diversidade dos alunos no contexto de sala de aula constituem-se como um grande desafio à comunidade educativa que, ao ser vencido, fará com que a qualidade na educação seja possível para todos os alunos, sem excepção (Morgado, 2004). Contudo, a organização do trabalho por parte dos professores parece ser desadequada aos objectivos educativos. Os professores habituaram-se a dar lições a todos os alunos ao mesmo ritmo e em simultâneo (Niza, 1998).O nosso objectivo foi o de avaliar a percepção de dificuldade sentida por professores na implementação de práticas de trabalho diferenciadas e verificar as diferenças existentes em função...

  13. Autoconceito no pré-escolar: Comparação das autopercepções das crianças e as heteroperceções dos pais e educadores

    Custódio, Lara Valente; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves
    O autoconceito engloba os valores, imagens e perceções que temos em relação a nos próprios, resultando de interações e experiências sociais (Schaffer, 1998; Peixoto, 2003; Navarro, 2007; Miranda, 2005). O objetivo deste estudo é compreender a relação entre as autoperceções das crianças pré-escolares e as heteroperceções dos pais e educadores. Os instrumentos usados foram a Escala Pictórica de Competências Percebidas e Aceitação Social (EPCPAS) (Harter & Pike, 1984) e um questionário para pais e educadores contemplando as mesmas dimensões. Os participantes constituem um conjunto de 40 crianças com uma média de idades de 5.33 anos, frequentando dois jardins de infância na cidade de Setúbal, oito educadoras e 40...

  14. Autoconceito e motivação para as aprendizagens em crianças do 1º e 2º ano de escolaridade

    Simões, Joana Vargas; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves
    O presente estudo tem como objetivos caracterizar o autoconceito e as características motivacionais, perceber que variáveis estão associadas a diferenças nessas características, bem como analisar as relações entre o autoconceito e a motivação. Autores como Marsh, Craven e Debus (1991) ou Mantzicopoulos (2006) referem a importância de conduzir este tipo de investigações com crianças em idade pré-escolar e início de escolaridade, pois esta fase do desenvolvimento poderá ser crucial para a formação de um autoconceito positivo. Participaram nesta pesquisa 57 crianças em início escolaridade. Os instrumentos utilizados foram a Escala de Autoconceito para crianças de 1º e 2º ano de escolaridade, uma Escala de Motivação para as Aprendizagens...

  15. Autoconceito e autoconceito artístico em alunos do 1º e 2º anos do ensino básico abrangidos por um programa de educação pela arte. Um estudo comparativo

    Rodrigues, Margarida; Mata, Maria de Lourdes Estorninho Neves
    O objetivo do presente estudo foi avaliar a forma como o autoconceito e autoconceito artístico em crianças em idade escolar são influenciados por atividades artísticas circunscritas por um projeto de Educação pela Arte. Participaram neste estudo 80 crianças do 1º ciclo do ensino básico, das quais 43 frequentam as atividades do programa de Educação pela Arte, e 37 não frequentavam as mesmas. Os resultados obtidos evidenciaram a existência de diferenças nos níveis de autoconceito artístico e autoconceito entre os alunos que frequentam as atividades do programa de Educação pela Arte, alunos que possuem atividade extracurriculares artísticas fora da escola e alunos que não possuem quaisquer atividades extracurriculares.

  16. Atitudes de pais e professores perante a inclusão

    Pinto, Nuno; Morgado, José
    A inclusão de crianças com Necessidades Educativas Especiais (NEE), tem vindo a ganhar particular relevância nas escolas. Assim, torna-se fundamental compreender as atitudes dos pais e professores perante a inclusão, sendo este o principal objectivo deste estudo de carácter qualitativo. Para o efeito foram realizadas entrevistas livres constituídas por uma questão aberta, a 64 participantes, dos quais 34 professores e 30 pais, neste último grupo, 15 apresentavam contacto com inclusão e outros 15 não apresentavam contacto com inclusão. Os dados obtidos foram sujeitos a análise e tratamento com base no método de análise de conteúdo de Bardin e ainda a um processo de análise estatística com recurso...

  17. Adaptação da escala "Basic Need Satisfaction at Work" para professores

    Granjo, Manuel; Peixoto, Francisco José Brito
    Neste estudo apresenta-se a adaptação da escala“Basic Need Satisfaction at Work” (BNSW), de Ilardi et al. (1993) para professores. Esta escala é suportada pela Teoria da Autodeterminação (TAD), um quadro amplo para o estudo da motivação humana e da personalidade, que releva o facto de as necessidades psicológicas básicas serem inatas e universais. Para a TAD, a satisfação de três necessidades básicas - autonomia, competência e relacionamento - constitui um contexto ideal para a expressão das capacidades e competências pessoais e para a vivência de experiências de autodeterminação (Deci & Ryan, 2000). A Escala de Realização Profissional Docente (ERPD), designação por nós adotada, foi aplicada a 201 professores do...

  18. Práticas de ensino da leitura e da escrita no 1º ano de escolaridade

    Gaitas, Sérgio Miguel Protásio; Martins, Margarida Alves
    A investigação sobre o ensino da linguagem escrita tem descrito o debate e a controvérsia sobre a melhor forma de iniciar os alunos neste processo complexo. Este debate tem como principais intervenientes os defensores do método sintético, que defendem a importância do domínio do código da linguagem escrita – as letras têm sons que se combinam para formar palavras de forma mecânica e previsível, e os defensores do método global, que postulam a importância dos alunos perceberem a funcionalidade da linguagem escrita – experiências reais com verdadeiros suportes de leitura e escrita. Recentemente, ultrapassando esta dicotomia código/significado, diferentes trabalhos têm demonstrado a eficácia de uma abordagem que contemple...

  19. Didática experimental e aquisição da linguagem escrita

    Pereira, Miguel Leite Borges da Mata; Fijalkow, Jacques; Martins, Margarida Alves
    A aquisição da linguagem escrita tem sido entendida como um processo psicogenético, durante o qual as crianças vão colocando ativamente hipóteses sobre a natureza da relação entre a escrita e a oralidade (Alves Martins, 1994). Porém, os fatores contextuais deverão também ser considerados (Fijalkow, Cussac-Pomel, & Hannouz, 2009). Neste estudo, colocamos como hipótese geral que o contexto didático influencia o desenvolvimento da escrita. Participaram 36 crianças portuguesas que frequentavam o jardim-de-infância. O seu nível de inteligência, consciência fonológica e conhecimento das letras foi controlado. Os participantes foram distribuídos por três grupos: experimental, comparação e controlo. Utilizámos uma prova de escrita inventada para avaliar o seu nível de escrita...

  20. A interligação de modelos pedagógicos: Gentle teaching e o modelo ecológico de desenvolvimento humano

    Pereira, Miguel Leite Borges da Mata
    A implementação do modelo ecológico do desenvolvimento humano (Brofenbrenner, 1979) permite enquadrar os alunos da Associação QE numa perspetiva bio-psico-social, de acordo com a qual os contextos de interação social e de criação de redes de suporte social assumem um papel determinante. O Gentle Teaching (McGee, Menolascino, Dobbs, & Menousek, 1987), enquanto modelo relacional, promove a intersubjetividade, indo ao encontro das necessidades básicas de segurança, afeto e confiança em si e nos outros. Como modelo de intervenção, baseia-se na criação de relações de vinculação individualizadas, protótipo de novas relações sanígenas, securizantes e estruturantes. É a partir destas novas relações totipotenciais que é possível devolver, na forma reabilitada, a...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.