Recursos de colección

Repositorio da Universidade dos Açores (9.269 recursos)

O Repositório Institucional da Universidade dos Açores desenvolvido no âmbito do projecto RCAAP.

Departamento de Matemática

Mostrando recursos 1 - 20 de 266

  1. Frações (Parte II)

    Santos, Carlos Pereira; Teixeira, Ricardo Emanuel Cunha
    A temática dos números racionais não negativos é provavelmente o assunto mais delicado no que diz respeito ao ensino da matemática elementar, no 1.º e 2.º ciclos do ensino básico. Por terem múltiplas aplicações, contextos e sentidos, as frações pedem um ensino altamente especializado e esmerado. Há que promover de forma cuidada a construção de modelos mentais adequados ao conceito de fração, fasear e ordenar os nós conceptuais ao longo dos anos e dosear o caráter abstrato/concreto dos exemplos e atividades. Muito se testou, teorizou e escreveu sobre esta temática. Este trabalho consiste num resumo alargado sobre o ensino das...

  2. Transição, praxe e resiliência. Estudos na Universidade dos Açores

    Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigou-se a resiliência em estudantes no Ensino Superior, com e sem vivência da praxe, e a relação entre resiliência e integração social. Participaram 163 estudantes do 1.º ano da Universidade dos Açores. Usou-se um questionário referente a dados pessoais, académicos e familiares, a Escala de Resiliência de Wagnild e Young (ER), o Questionário de Vivências da Praxe (QVP) e o Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES). Os inquiridos apresentaram níveis moderados de resiliência, não sendo encontradas diferenças significativas entre os que vivenciaram e os que não vivenciaram a praxe. Constatou-se uma correlação positiva e estatisticamente significativa entre ER...

  3. Transição, praxe e resiliência. Estudos na Universidade dos Açores

    Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigou-se a resiliência em estudantes no Ensino Superior, com e sem vivência da praxe, e a relação entre resiliência e integração social. Participaram 163 estudantes do 1.º ano da Universidade dos Açores. Usou-se um questionário referente a dados pessoais, académicos e familiares, a Escala de Resiliência de Wagnild e Young (ER), o Questionário de Vivências da Praxe (QVP) e o Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES). Os inquiridos apresentaram níveis moderados de resiliência, não sendo encontradas diferenças significativas entre os que vivenciaram e os que não vivenciaram a praxe. Constatou-se uma correlação positiva e estatisticamente significativa entre ER...

  4. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  5. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  6. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  7. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  8. Novos elementos sobre praxes no Ensino Superior. Estudos na Universidade dos Açores

    Mendes, Maria; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Martins, Maria J.
    Este trabalho procura elementos que contribuam para um melhor entendimento da expressão tendencialmente positiva face à praxe académica, por parte de estudantes caloiros de uma instituição de ensino superior em Portugal. Participaram no estudo 163 estudantes de 1.º ano e de ambos os sexos que responderam ao Questionário de Vivências da Praxe (QVP), de Vieira (2012), e ao Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES), de Diniz, 2017. Os principais resultados indicam existir mais alunos a afirmarem sentir-se integrados, em detrimento de ansiosos (QVP), e que o sentimento de integração relaciona com a Relação com os Amigos (QISES).

  9. Novos elementos sobre praxes no Ensino Superior. Estudos na Universidade dos Açores

    Mendes, Maria; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Martins, Maria J.
    Este trabalho procura elementos que contribuam para um melhor entendimento da expressão tendencialmente positiva face à praxe académica, por parte de estudantes caloiros de uma instituição de ensino superior em Portugal. Participaram no estudo 163 estudantes de 1.º ano e de ambos os sexos que responderam ao Questionário de Vivências da Praxe (QVP), de Vieira (2012), e ao Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES), de Diniz, 2017. Os principais resultados indicam existir mais alunos a afirmarem sentir-se integrados, em detrimento de ansiosos (QVP), e que o sentimento de integração relaciona com a Relação com os Amigos (QISES).

  10. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  11. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  12. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  13. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  14. Perceções acerca de evento desportivo (2009 versus 2015): Duas tipologias de variáveis

    Sousa, Áurea; Batista, Maria da Graça Câmara; Pinheiro, Sérgio; Silva, Osvaldo
    24th APDR Congress “Intellectual Capital and Regional Development: New landscapes and challenges for space planning”. July 6-7, Covilhã (Portugal).

  15. Perceções acerca de evento desportivo (2009 versus 2015): Duas tipologias de variáveis

    Sousa, Áurea; Batista, Maria da Graça Câmara; Pinheiro, Sérgio; Silva, Osvaldo
    24th APDR Congress “Intellectual Capital and Regional Development: New landscapes and challenges for space planning”. July 6-7, Covilhã (Portugal).

  16. Inserção profissional de jovens açorianos : O papel dos contactos pessoais no acesso ao mercado de trabalho

    Silva, Osvaldo; Palos, Ana Cristina Pires; Diogo, Fernando
    24th APDR Congress “Intellectual Capital and Regional Development: New landscapes and challenges for space planning”. July 6-7, Covilhã (Portugal).

  17. Inserção profissional de jovens açorianos : O papel dos contactos pessoais no acesso ao mercado de trabalho

    Silva, Osvaldo; Palos, Ana Cristina Pires; Diogo, Fernando
    24th APDR Congress “Intellectual Capital and Regional Development: New landscapes and challenges for space planning”. July 6-7, Covilhã (Portugal).

  18. Total and attuned multiple autonomy support and the social development of early adolescents

    Simões, Francisco Alexandre Melo; Calheiros, Maria Manuela de Amorim; Silva, Madalena Moutinho Alarcão; Sousa, Áurea; Silva, Osvaldo
    The effects of Multiple Autonomy Support (MAS), meaning the autonomy support provided by two or more sources, is an overlooked topic in social development literature. The aim of this study is to understand how two types of MAS, Total Multiple Autonomy Support (TMAS) and Multiple Autonomy Support Attunement (MASA), are related to early adolescents’ social development indicators (prosocial behavior, self-regulation, antisocial behavior, alcohol use, and 1-year substance use intention). TMAS pertains to the general amount of autonomy support perceived by a MAS recipient, irrespectively of each provider’s contribution to that score. MASA refers to the interindividual patterns of perceived coordination...

  19. Total and attuned multiple autonomy support and the social development of early adolescents

    Simões, Francisco Alexandre Melo; Calheiros, Maria Manuela de Amorim; Silva, Madalena Moutinho Alarcão; Sousa, Áurea; Silva, Osvaldo
    The effects of Multiple Autonomy Support (MAS), meaning the autonomy support provided by two or more sources, is an overlooked topic in social development literature. The aim of this study is to understand how two types of MAS, Total Multiple Autonomy Support (TMAS) and Multiple Autonomy Support Attunement (MASA), are related to early adolescents’ social development indicators (prosocial behavior, self-regulation, antisocial behavior, alcohol use, and 1-year substance use intention). TMAS pertains to the general amount of autonomy support perceived by a MAS recipient, irrespectively of each provider’s contribution to that score. MASA refers to the interindividual patterns of perceived coordination...

  20. Análise dos perfis de consumo de cannabis pelos adolescentes de Ponta Delgada

    Sousa, Áurea; Pereira, Hélder Rocha; Raposo, Sara; Silva, Osvaldo; Bacelar-Nicolau, Helena
    A cannabis é a droga ilícita mais produzida e consumida na Europa e, embora seja uma “droga leve”, é reconhecido o seu impacto nas alterações de memória, nas sensações e nos comportamentos. Apresentam-se as principais conclusões obtidas, com base num questionário e em métodos de Análise de Dados (do univariado ao multivariado), com o objetivo de estimar a prevalência e determinar os perfis de consumo de cannabis por parte dos estudantes do Ensino Secundário do concelho de Ponta Delgada (Açores).

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.