Recursos de colección

Repositório do ISPA Instituto Superior de Psicologia Aplicada (11.453 recursos)

No Repositório do ISPA pode encontrar diversos tipos de documentos, em formato digital, resultantes da produção científica do ISPA designadamente: teses de doutoramento, teses de mestrado, artigos em publicações periódicas nacionais e internacionais, relatórios técnicos, artigos em actas de conferências nacionais e internacionais e capítulos de livros.

MTI - Artigos em revistas nacionais

Mostrando recursos 1 - 20 de 104

  1. A análise de dados nas representações sociais

    Pereira, Costa
    Este artigo pretende dar resposta a algumas questões sobre a análise de dados no campo das represem tações sociais. O estudo das representações sociais é plurimetodológico, existem variadas técnicas, quer para a recolha dos dados, Vergès, De Rosa, Abric quer para a análise dos dados por elas recolhidos. As prin. cipais técnicas para a análise de dados são a Análise de Semelhanças, a mais poderosa, a Análise Factorial de Correspondências e o Escalonamento Multidimensional. A Análise de Semelhanças estuda as estruturas locais da representação e é apoiada na teoria dos grafos que permite a identificação da estrutura, sistema central e periférico. A análise de correspondências é uma técnica para estudar o sistema social...

  2. Os modelos log-lineares em investigação psicológica

    Garcia-Marques, Teresa; Quelhas, Ana Cristina; Gomes, Jorge, F.
    O recurso aos modelos log-lineares em psicologia começa a ganhar relevo por permitir uma compreensão mais estruturada dos dados de planos experimentais associados a variáveis de natureza nominal. Nomeadamente, planos experimentais factoriais com uma ou mais variáveis dependentes discretas (frequências) e planos correlacionais, onde todas as variáveis de medida têm uma natureza nominal e se pretende estudar as associações entre elas. Neste artigo pretendemos apresentar a abordagem log-linear, referindo-nos igualmente ao modelo logit. Ilustraremos o uso da técnica no âmbito de um estudo de raciocínio dedutivo, comparando-a com uma abordagem fragmentada em tabelas de contingência bivariadas (recurso a testes de homogeneidade e independência).

  3. A hipótese de estudo determina a análise estatística: Um exemplo com o modelo ANOVA

    Garcia-Marques, Teresa
    As decisões sobre a análise estatística dos dados de uma investigação, estando intimamente relacionadas com o delineamento do estudo e com as hipóteses que o geram, não podem ser encaradas como uma tarefa independente, a ser realizada após a recolha de dados.Para ilustrar a estreita relação entre hipótese de estudo e hipótese estatística, dados de um estudo publicitário são abordados de três modos diferentes, tendo por subjacente o modelo ANOVA. A primeira abordagem negligencia o delineamento factorial do estudo e analisa cada efeito principal por uma ANOVA Oneway. A segunda tem em consideração a natureza factorial do delineamento experimental mas não a especificidade das hipóteses em estudo. A terceira procura a total adequação...

  4. O que pensamos sobre estes grupos? Um pré-teste de características estereotípicas de homossexuais e heterossexuais masculinos e de árabes e americanos

    Garrido, Margarida Vaz; Palma, Tomás; Carrega, Ana; Padeiro, Cátia; Barrileiro, Fátima; Castelo, Filipa; Figueiredo, Luciano; Raposo, Marisa; Feliciano, Ricardo; Santos, Samanta; Rodrigues, Sandra; Silva, Sandrine; Casaleiro, Susana; Lory, Susana
    O objectivo deste artigo foi pré-testar um conjunto de características incluídas no estereótipo de alguns grupos sociais. Especificamente procurámos averiguar quais as principais características associadas aos homossexuais e heterossexuais masculinos bem como aos árabes e aos americanos. Para tal, foram geradas 139 características potencialmente ilustrativas dos estereótipos de homossexual masculino e heterossexual masculino e 275 características potencialmente associadas aos estereótipos de árabe e de americano. Estas características foram avaliadas por duas amostras independentes, de 49 e 68 estudantes universitários respectivamente. Os resultados permitem não só seleccionar, para cada grupo, as características que são significativamente diferentes do ponto médio da escala como também, identificar aquelas que melhor parecem...

  5. 8 ou 80! Adaptação e validação da Escala Breve de Intensidade Afectiva

    Prada, Marília; Rodrigues, David; Palma, Tomás
    O constructo de intensidade afectiva reflecte o facto das pessoas reagirem diferenciadamente perante um mesmo estímulo emocional. De entre os factores que determinam a intensidade das respostas pessoais a um estímulo evocador de afecto, podemos salientar as características individuais. No presente trabalho tivemos como principais objectivos adaptar e validar a versão reduzida de uma das medidas mais utilizadas para aceder a este constructo – Escala Breve de Intensidade Afectiva (EBIA) – recorrendo a uma amostra de estudantes universitários portugueses (Estudo 1). Os resultados sugerem a escala como sensível a diferenças individuais, apresentando uma boa consistência interna. Uma análise factorial confirmatória permitiu dar suporte ao modelo trifactorial subjacente...

  6. Escala de atitudes altruístas : Estudo de validação e fiabilidade

    Loureiro, Ana; Lima, Maria Luísa
    Neste estudo apresenta-se uma escala de atitudes altruístas, a qual pretende avaliar as atitudes altruístas nas suas componentes cognitiva, afectiva e comportamental. A escala foi aplicada a 213 indivíduos, com o objectivo de obter resultados sobre a sua validade e fiabilidade. A escala é composta por 12 itens organizados em 3 sub-escalas (cognitiva, afectiva e comportamental). Para avaliar a validade da escala, procedeu-se a uma análise factorial confirmatória com modelos de equações estruturais. Os resultados suportam uma visão tri-partida das atitudes altruístas. A validade da escala foi ainda testada com a aplicação da escala a uma amostra de indivíduos voluntários de uma ONG. Os resultados mostram que...

  7. Determinação de atributos verbais para a análise sensorial : Estudo para a avaliação táctil de tecidos finos de lã

    Albuquerque, Pedro B.; Fernandes, Alexandra
    Através das tarefas apresentadas neste trabalho, procurou-se definir um conjunto de adjectivos que permitissem uma descrição consistente das propriedades tácteis de um conjunto de tecidos, durante provas de análise sensorial. Os atributos foram seleccionados recorrendo a participantes não – especialistas, uma estratégia distinta da habitual em estudos de análise sensorial. Procurou-se ainda definir rigorosamente os adjectivos utilizados previamente à introdução dos produtos a avaliar. Desta forma, as primeiras tarefas realizadas exploram os adjectivos de forma puramente conceptual, sendo introduzidos os tecidos a avaliar apenas na fase final do estudo de vocabulário, procurando validar os atributos seleccionados na ausência dos tecidos. Através de quatro tarefas – identificação categorial, caracterização do...

  8. Estudo da validação das escalas de crenças sobre a natureza da homossexualidade e de preconceito contra homossexuais

    Pereira, Annelyse; Monteiro, Maria Benedicta; Camino, Leoncio
    O objectivo deste estudo foi realizar a validação factorial de escalas que medem o preconceito contra os homossexuais e as crenças explicativas sobre a natureza da homossexualidade. O preconceito foi avaliado com base numa medida de rejeição de proximidade com homossexuais e numa medida de expressão de emoções positivas e negativas em relação a alvos homossexuais. Participaram 482 estudantes portugueses de diversos cursos universitários na área de Lisboa. Com o objectivo de validar a estrutura factorial das medidas, vários modelos foram testados recorrendo a Análises Factoriais Confirmatórias. Os resultados obtidos confirmam a estrutura factorial da escala de crenças sobre a natureza da homossexualidade, a qual é composta...

  9. Avaliação da valência e familiaridade de 270 nomes comuns e adjectivos da língua portuguesa

    Gaspar, Nuno S.
    Este estudo apresenta a avaliação de uma lista de 270 nomes e adjectivos comuns na língua portuguesa relativamente a familiaridade e valência feita por uma amostra composta por 183 alunos do ensino superior. O objectivo deste estudo foi recolher dados de valência e familiaridade para palavras. Cada palavra foi avaliada por uma sub-amostra constituída por um número de participantes que variava entre 79 (mínimo) e 89 (máximo). As dimensões foram avaliadas através da utilização de escalas de 7 pontos ancoradas em ‘Muito Desagradável/Muito Agradável’, no caso da valência, e ‘Nada Familiar/ /Muito Familiar’, no caso da familiaridade. As médias, os intervalos de confiança e os desvios-padrão são...

  10. Traços estereotípicos associados a pessoas jovens e idosas em Portugal

    Marques, Sibila; Maria Luísa, Maria Luísa; Novo, Rosa
    O objectivo geral deste trabalho foi o de recolher os atributos estereotípicos do grupo das pessoas jovens e idosas em Portugal. Foi conduzido um estudo em que se procedeu ao controlo do sexo dos alvos e da pertença etária dos participantes. Na primeira fase do estudo, 67 pessoas jovens e 85 pessoas idosas realizaram uma tarefa de geração espontânea de traços culturalmente associados a pessoas jovens e idosas de ambos os sexos. No segunda fase do estudo, 62 pessoas jovens e 62 pessoas idosas avaliaram a estereotipicalidade e a valência dos traços recolhidos na primeira fase e ainda de outros identificados a partir da revisão da...

  11. Traços estereotípicos associados a pessoas jovens e idosas em Portugal

    Marques, Sibila; Lima, Maria Luísa; Novo, Rosa
    O objectivo geral deste trabalho foi o de recolher os atributos estereotípicos do grupo das pessoas jovens e idosas em Portugal. Foi conduzido um estudo em que se procedeu ao controlo do sexo dos alvos e da pertença etária dos participantes. Na primeira fase do estudo, 67 pessoas jovens e 85 pessoas idosas realizaram uma tarefa de geração espontânea de traços culturalmente associados a pessoas jovens e idosas de ambos os sexos. No segunda fase do estudo, 62 pessoas jovens e 62 pessoas idosas avaliaram a estereotipicalidade e a valência dos traços recolhidos na primeira fase e ainda de outros identificados a partir da revisão da...

  12. Normas para figuras do corpus de Cycowicz, Friedman, Rothstein & Snodgrass (1997)

    Ventura, Paulo
    O presente estudo fornece medidas normativas Portuguesas para 140 figuras retiradas do corpus de Cycowicz, Friedman, Rohtstein, & Snodgrass (1997). Excluiram-se deste corpus as 260 figuras que pertencem ao corpus de Snodgrass e Vanderwart (1980), para as quais já tinham sido previamente obtidas normas adaptadas para Portugal (Ventura, 2003). As dimensões consideradas foram: familiaridade, valor para o percepiente, ambiguidade visual, idade de aquisição, tamanho real, manipulabilidade e movimento característico. As sete dimensões são importantes dado o seu potencial efeito em muitos campos da psicologia, em particular no estudo de processos cognitivos tais como a percepção visual, a memória e a...

  13. Normas de imagética e concreteza para substantivos comuns

    Marques, José Frederico
    Este estudo apresenta dados normativos de imagética (imagery) e concreteza (concreteness) para controlo e manipulação de substantivos comuns em Portugal. Medidas de imagética e concreteza foram recolhidas e são apresentadas para um total de 250 substantivos comuns.

  14. O sonho (DREAM) comanda a memória: Listas de palavras associadas para estudos de falsas memórias.

    Valchev, Nikola Stanimirov; Garcia-Marques, Leonel; Ferreira, Mário Augusto Boto
    O material experimental testado neste estudo consiste em listas de palavras associadas a uma palavra alvo. Os sujeitos lêem a palavra alvo e registam as primeiras seis palavras que lhes ocorrem. As listas assim produzidas podem ser utilizadas para estudar o fenómeno das falsas memórias utilizando o paradigma DRM (Deese-Roediger-McDermott, ver Roediger & McDermott, 1995).

  15. O João entornou o café, logo é desastrado, mas foi empurrado, logo não é desastrado : Frases implicativas de traços com continuações situacionais e neutras para o estudo das inferências espontâneas de Ttraços

    Ferreira, Mário Augusto Boto; Morais, Ana Sofia Alves Conte de; Ferreira, Daniel Gil Gonçalves; Valchev, Nikola Stanimirov
    A investigação em Inferências Espontâneas de Traços de personalidade envolve comummente o uso de descrições comportamentais implicativas de traços. A extensão em que a percepção social é afectada pelo traço de personalidade subjacente a cada comportamento (através de diversas manipulações experimentais) é um indicador da ocorrência de inferências espontâneas. Neste sentido, é crucial garantir que as descrições comportamentais usadas desencadeiem a inferência do traço que o experimentador tem em mente. O presente trabalho apresenta os pré-testes de 44 frases implicativas de traço quanto ao consenso dos traços implicados e dos efeitos atribucionais de dois tipos de continuação para cada frase...

  16. Produção de evocações e reconhecimentos falsos em 100 listas de palavras associadas portuguesas

    Albuquerque, Pedro B.
    O paradigma DRM tem sido usado de forma intensa na produção de ilusões de memória em contexto laboratorial a partir de materiais tão simples quanto o são listas de palavras associadas a um item crítico. O objectivo deste artigo é o de apresentar os índices de evocação falsa e reconhecimento falso para 100 listas de palavras portuguesas criadas a partir de uma tarefa de produção de associados (Albuquerque, 2001). Os participantes deste estudo foram estudantes universitários portugueses que realizaram o procedimento criado por Roediger e McDermott (1995, experiência 1). Os resultados, à semelhança do que acontece noutras línguas, revelam que...

  17. Normas de associação livre de 16 palavras portuguesas para crianças de diferentes faixas etárias

    Carneiro, Paula; Albuquerque, Pedro B.; Fernandez, Angel
    Neste estudo são apresentadas as normas de associação livre de 16 palavras portuguesas para 3 faixas etárias de crianças – 3/4 anos, 7/8 anos e 11/12 anos – e adultos. As comparações efectuadas entre as faixas etárias revelaram uma diferença significativa entre os 3/4 anos e os 7/8 anos ao nível do número de associados obtidos, provavelmente atribuída a um aumento considerável do vocabulário nesta fase do desenvolvimento. Mudanças conceptuais na organização do conhecimento foram também analisadas, verificando-se nos pré-escolares associações que revelam relações funcionais e um predomínio de relações taxonómicas a partir dos 7/8 anos.

  18. Comportamentos e traços de personalidade: Traços gerados para comportamentos de duas dimensões de personalidade

    Jerónimo, Rita; Garcia-Marques, Leonel; Garrido, Margarida Vaz
    Neste artigo são apresentados traços de personalidade (correspondentes e não correspondentes) gerados para 96 comportamentos de duas dimensões de personalidade (simpatia-antipatia, e inteligência-estupidez) num contexto de formação de impressões de personalidade. Os comportamentos de cada dimensão de personalidade foram apresentados a duas amostras independentes de 15 e 17 participantes (n=32), respectivamente para simpatia-antipatia e inteligência-estupidez. Os resultados são apresentados por tipo de comportamento.

  19. Normas de familiaridade para substantivos comuns

    Marques, José Frederico
    Este estudo apresenta dados normativos de familiaridade para utilização enquanto base para controlo e manipulação de substantivos comuns em Portugal. Medidas de familiaridade com o referente e com o significado (Larochelle & Saumier, 1993) foram recolhidas em dois momentos, num primeiro caso englobando apenas substantivos concretos (n=320) e num segundo momento englobando tanto substantivos concretos como abstractos (n=219). As normas são apresentadas para um total de 459 palavras diferentes.Este estudo apresenta dados normativos de familiaridade para utilização enquanto base para controlo e manipulação de substantivos comuns em Portugal. Medidas de familiaridade com o referente e com o significado (Larochelle & Saumier, 1993) foram recolhidas em dois momentos,...

  20. O sentimento da complexidade

    Morin, Edgar; Silva, Francisco Vaz da
    RÉSUME: Dans cet entretien, Edgar Monn parIe de son cheminernent épistémologique, depuis l'an zero d'Allemagne, son premier livre écrit dans Ies années quarante, jusqu'á son ouvrage récent, La méthode. Au cœur de sa pensée nous trouvons Ie sentiment de la complexité, dégagé dès le début par le jeu dialectique la vie et de la mort, de l'organisé et de l'entropie. A travers la microphysique, la biologie, la psychologie, la sociologie et l'anthropologie, Edgar Morin retrouve cette notion de complexité et le rôle du hasard, de l'aléatoire dans l'enjeu du désordre et de l'organisation. En annonçant l'advent d’une nouvelle perspective épistémologique...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.