Recursos de colección

Repositório Comum (25.504 recursos)

É um repositório para instituições de ensino e investigação produtoras de literatura científica cuja dimensão ainda não justifica a criação de um repositório próprio. Permite integrar instituições, grupos ou indivíduos na infra-estrutura do projecto, nomeadamente através das pesquisas do Portal RCAAP e da B-On.

IDN - Instituto da Defesa Nacional

Mostrando recursos 1 - 20 de 103

  1. O referencial energético de gás natural euro-russo e a anunciada revolução do Shale Gas

    Fânzeres, José Manuel Ferreira
    No sentido da minimização do deficit energético de génese estrutural que regista, a Europa viu-se naturalmente obrigada a recorrer a fontes e origens de energia externas, possuindo neste particular a Federação Russa atualmente uma elevada importância. Por forma a diversificar a dependência entretanto gerada e mitigar a alavancagem geopolítica que dessa realidade advém para a Federação, o desenvolvimento do shale gas, entre outras, poderá constituir-se como uma modalidade na concretização daquele desiderato. Contudo, para além de se afigurar que essa alternativa tenha de ser conjugada com outras existentes, a indústria do shale encerra ela mesma importantes dúvidas e questões, como por exemplo...

  2. Entre o poder da palavra e a palavra do poder

    Moreira, Adriano

  3. A relevância do Fórum Macau : o Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa

    Mendes, Carmen
    Este artigo analisa a relevância do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa nas relações entre a China e o mundo lusófono, argumentando que esta importância aumenta nos casos em que a ligação bilateral é mais frágil. Conhecido por Fórum Macau,inspira-se no legado lusófono que Portugal deixou nesta Região Administrativa Especial da China. O facto da língua e cultura portuguesas serem preservadas em Macau, juntamente com as boas relações que Lisboa mantém com as ex-colónias e o papel de liderança na CPLP, oferecem a Portugal a possibilidade de assumir um papel mais ativo no...

  4. Dimensões da segurança de Timor-Leste : balanço e perspectivas

    Mendes, Nuno Canas
    Este artigo procura estabelecer um quadro para a compreensão dos principais desafios de segurança que Timor-Leste enfrenta. Num primeiro passo dar-se-á conta do contexto regional e num segundo, analisar-se-ão os principais factos, decisões e realizações dos últimos anos, em especial dos anos 2011-2012, no âmbito alargado da dimensão securitária articulada com a política externa, a economia e a justiça. Neste período foi atingido um clima de estabilidade nos planos político e económico o qual, ainda que volátil, pode favorecer o modo como o Estado, o Governo e a sociedade-civil timorenses vão responder ao vasto conjunto de desafios que têm pela frente. Posteriormente é...

  5. India's strategic traditions and options in the indo-pacific security system

    Xavier, Constantino
    Perante um complexo de segurança Ásia-Pacífico que se encontra em expansão para a região mais ampla do Indo-Pacífico, a Índia é forçada a adaptar- se e redefinir as suas prioridades estratégicas. Este artigo apresenta os novos desafios que o país enfrenta nesta nova Ásia, bem como o grande debate indiano sobre a futura postura estratégica do país, incluindo a sua ambição em garantir autonomia estratégica. São desenvolvidos quatro cenários possíveis: continuada aproximação aos Estados Unidos de forma a contrabalançar a China; criação de uma aliança ou eixo de segurança de estados asiáticos visando a contenção da China; estabelecimento conjunto com a China...

  6. Nuclear strategy and leadership change in North Korea : old soju in a new bottle

    Magalhães, Nuno Santiago de
    Sob as lideranças de Kim il-sung e Kim Jong-il,a Coreia do Norte desenvolveu uma estratégia nuclear que misturava ciclicamente ações de confronto e aproximação junto dos restantes atores do palco político do Nordeste Asiático. Essa estratégia visava evitar o fim do programa nuclear de Pyongyang e, de modo complementar, procurava extrair benefícios internacionais através de negociações. Ao suceder ao seu pai, Kim Jong-un trouxe sinais de transformação ao nível da imagem pública da liderança, da predominância dos militares no regime, e da reforma económica. Contudo, a tendência transformadora da nova liderança não se estendeu à estratégia nuclear. Kim Jong-un manteve basicamente intacta a...

  7. O novo ambiente estratégico da Ásia-Pacífico e a política de segurança de Taiwan

    Silva, Jorge Tavares
    Este artigo avalia a política de defesa e às questões de segurança de Taiwan e identifica as linhas de orientação deste domínio tendo em conta, por um lado, as necessidades de reestruturação interna das forças armadas; por outro, o conjunto dos desafios tradicionais e emergentes no espaço da Ásia- Pacífico. Salienta-se, desde logo, a mais central das preocupações, a relação inconstante com a China, dividida entre uma crescente cooperação do domínio socioeconómico e a perpetuação do conflito político-militar. Acrescentam-se novos factores conjunturais, desde ameaças como o terrorismo e os desastres ambientais, ao desenhar do puzzle geopolítico regional e à intensa diplomacia económica....

  8. O império da periferia marítima

    Cunha, Luis
    Quando uma multimilenária potência continental expressa a vontade em transformar-se numa potência marítima, o mundo geopolítico reage com natural apreensão. Partindo desse cenário, este artigo discute a importância estratégica do novo poder naval chinês. A China dispõe, finalmente, das condições para transformar recursos económicos em poder estratégico. O período unipolar será, tudo o indica, remetido para os livros de história. Os próximos anos serão marcados por uma maior competição entre as duas grandes potências mundiais – EUA e China. Esta terá enveredado por uma postura assertiva no plano internacional, em parte baseada na reencontrada pujança das suas forças armadas, objeto de um ambicioso programa de...

  9. Cinco debates, uma grande estratégia

    Carriço, Alexandre
    O artigo analisa as diferenças metodológicas ocidentais e chinesa na formulação da “grande estratégia”. Através da leitura de artigos e livros publicados por investigadores chineses associados aos mais relevantes think tanks, instituições universitárias e órgãos do governo e do Exército Popular de Libertação, e adotando um critério de relevância e autoridade institucional bem como de prestígio dos autores, descrevem-se os campos em confronto relativamente à existência ou não de uma “grande estratégia” por parte da China. Subsequentemente descrevem-se as quatro vagas de debate interno acopladas ao pressuposto de que existe uma “grande estratégia” da China as quais tiveram lugar durante a última década: a...

  10. Conflitos, convergências e crises

    Gaspar, Carlos
    O conflito, a convergência e a crise caracterizam cada um dos três ciclos sucessivos nas relações entre os Estados Unidos e a China durante os últimos sessenta anos. O primeiro ciclo foi dominado pelos conflitos entre a China como nova potência comunista, aliada da União Soviética, e os Estados Unidos, principal potência ocidental. O segundo ciclo definiu-se pela convergência, ao mesmo tempo tardia e inesperada, entre Washington e Pequim. O terceiro ciclo ficou marcado pelas crises recorrentes no pós-Guerra Fria. Os Estados Unidos e a China representam culturas radicalmente diferentes, têm interesses estratégicos divergentes e estão separados por uma profunda heterogeneidade política. Porém,...

  11. Strategic perspectives on the sino-japanese dispute over the Diaoyu/Senkaku Islands

    Maurício, Tiago Alexandre
    Nos últimos anos, mas particularmente nos últimos meses, testemunhamos uma crescente atenção mediática e académica dedicada à disputa entre o Japão e a República Popular da China no Mar da China Oriental. O grupo de ilhas e rochedos conhecido como Senkaku no Japão, e Diaoyu na China, tem assumido papel de relevo nos debates sobre a evolução do ambiente securitário na relação bilateral, assim como na região Ásia-Pacífico. Analisando a disputa, é de realçar não só as rápidas transformações a ocorrer tal ambiente securitário, mas também o potencial para erros afetarem o comportamento estratégico dos países da região. Existe, pois, um perigo...

  12. Japan's declining soft power and the US-China-Japan relations

    Neves, Miguel Santos
    O artigo analisa a posição do Japão no contexto de segurança da Ásia Oriental, tendo em conta as mudanças no equilíbrio de poder na região e a crescente assimetria entre uma China poderosa e “musculada” e um Japão mais vulnerável que se debate com uma economia estagnada, uma população em rápido envelhecimento e uma imagem ambígua e problemática na região. A disputa territorial sobre as ilhas Senkaku/Diaoyu é uma manifestação da reorganização do poder na ordem regional na medida em que acentua a vulnerabilidade do Japão e foi usada pela China como um mecanismo para enfraquecer a aliança EUA-Japão e...

  13. A política russa para a Ásia-Pacífico as relações Rússia-Japão

    Freire, Maria Raquel
    Num quadro em que a região Ásia-Pacífico assume crescente importância na agenda de política externa russa, este texto analisa as implicações do maior empenho das políticas de Moscovo face a este espaço alargado e como estas se refletem na relação Rússia-Japão. O artigo argumenta que o regresso da Rússia à Ásia-Pacífico reflete um entendimento abrangente das mudanças atuais que o sistema internacional experimenta, e face às quais a Rússia mantém uma postura proactiva através das políticas que desenvolve e promove, e que se têm revelado ora de integração nesta área, ora de retração face a desenvolvimentos entendidos como potenciando relações de...

  14. A arquitetura de segurança na Ásia-Pacífico

    Tomé, Luis
    Este artigo analisa e procura compreender as circunstâncias ambivalentes que caraterizam a arquitetura de segurança na Ásia-Pacífico, evidenciando os impactos cruzados da geografia, da história e da nova estrutura de poder e demonstrando como as interações regionais são marcadas pela conjugação simultânea de competição e de cooperação(congagement) e, por outro lado, por posturas multivetoriais e multidirecionais (hedging) para redução de riscos, em função da volatilidade da situação e do pragmatismo com que os principais atores operam e se articulam.

  15. Precisará Portugal de uma política externa para a Ásia?

    Jesus, José Manuel Duarte de
    Este artigo aborda alguns conceitos e ideias básicas sobre a política externa e a diplomacia nacional, argumentando que Portugal precisa de uma estratégia para a Ásia, devidamente articulada com as suas outras valências, mas tão clara e decisiva quanto a fragilidade que a nossa dimensão exige.

  16. A dimensão economica do acordo nuclear iraniano

    Galamas, Francisco

  17. Segurança coletiva : desafios no âmbito das Nações Unidas

    Santana, Joaquim

  18. National cibersecurity strategies : Australia and Canada

    Barbas, João Manuel Assis

  19. A experiência expedicionaria das forças Armadas portuguesas no seculo XX

    Duarte, António Paulo

  20. O poder dos pequenos e médios estados na Grande Guerra : comparação Portugal-Brasil

    Pires, Ana Paula; Duarte, António Paulo; Reis, Bruno Cardoso

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.