Recursos de colección

Repositório do ISPA Instituto Superior de Psicologia Aplicada (12.461 recursos)

No Repositório do ISPA pode encontrar diversos tipos de documentos, em formato digital, resultantes da produção científica do ISPA designadamente: teses de doutoramento, teses de mestrado, artigos em publicações periódicas nacionais e internacionais, relatórios técnicos, artigos em actas de conferências nacionais e internacionais e capítulos de livros.

Outras Áreas

Mostrando recursos 1 - 20 de 69

  1. Contributos da literacia da informação para a ciência aberta

    Lopes, Carlos Alberto; Antunes, Maria da Luz; Sanches, Tatiana
    El campo de actuación de la Ciencia Abierta se traduce en un proceso colaborativo, transparente, de diseminación, creación y transferencia de conocimiento, accesible a la investigación y basado en los principios del acceso abierto. Los diferentes agentes del proceso de investigación, dotados de un conjunto de competencias de alfabetización de la información, adquieren la aptitud —en ambientes de información impresa o digital, y partiendo de su propio pensamiento crítico y reflexivo— de transformar la información en nuevo conocimiento. Este artículo explora la integración de los conceptos de la Ciencia Abierta en la alfabetización de la información. Se presenta una reflexión teórica que evidencia las contribuciones de la alfabetización de la información en el contexto...

  2. Literacia da informação e ciência aberta em saúde: O antes e o depois

    Antunes, Maria da Luz; Lopes, Carlos Alberto; Sanches, Tatiana
    A ACRL editou, no ano 2000, o documento INFORMATION LITERACY COMPETENCY STANDARDS FOR HIGHER EDUCATION que padroniza e descreve os objetivos específicos de aprendizagem para estudantes do ensino superior na área da informação (i.e., o quê e onde pesquisar, como definir estratégias de pesquisa, como selecionar e avaliar a informação recuperada, como usar de forma ética e legal a informação). Estes STANDARDS estabeleceram objetivos de aprendizagem para implementar ativamente a literacia da informação na comunidade académica. Reconheceram também o papel dos profissionais da informação que há muito tempo desenvolviam informalmente estas práticas. Ao longo dos anos, muitas disciplinas se inspiraram...

  3. Literacia da informação e ciência aberta em saúde: O antes e o depois

    Antunes, Maria da Luz; Lopes, Carlos Alberto; Sanches, Tatiana
    A ACRL editou, no ano 2000, o documento INFORMATION LITERACY COMPETENCY STANDARDS FOR HIGHER EDUCATION que padroniza e descreve os objetivos específicos de aprendizagem para estudantes do ensino superior na área da informação (i.e., o quê e onde pesquisar, como definir estratégias de pesquisa, como selecionar e avaliar a informação recuperada, como usar de forma ética e legal a informação). Estes STANDARDS estabeleceram objetivos de aprendizagem para implementar ativamente a literacia da informação na comunidade académica. Reconheceram também o papel dos profissionais da informação que há muito tempo desenvolviam informalmente estas práticas. Ao longo dos anos, muitas disciplinas se inspiraram...

  4. Repositório do ISPA: Contributos para a ciência aberta

    Nunes, Paulo Pinhão; Santos, Ana Patricia; Oliveira, Miguel Ângelo de Castro
    Introdução: Todos os anos no mês de outubro, o Centro de Documentação participa com a equipa do Repositório na Semana Internacional de Acesso Aberto, através de um conjunto de iniciativas e atividades. Uma das atividades visa desenvolver um estudo com dados sobre a evolução do repositório institucional. Este estudo é afixado, em formato de póster, durante um ano na sala de informática, depositado no repositório e difundido através do microsite a toda a comunidade académica. Trata-se de uma iniciativa que visa comunicar a importância dos repositórios institucionais de acesso aberto como sistemas de informação no modelo de difusão e publicação...

  5. Testes de nomeação rápida: Contributos para a avaliação da linguagem oral

    Albuquerque, Cristina Petrucci; Simões, Mário R.
    A Bateria de Avaliação Neuropsicológica de Coimbra (BANC) integra, entre diversos outros instrumentos de avaliação, um teste de Nomeação Rápida de Cores para crianças com 5 e 6 anos, um teste de Nomeação Rápida de Números e um teste de Nomeação Rápida de Formas e Cores, ambos para crianças dos 7 aos 15 anos. No presente trabalho, apresentam-se dados relativos às propriedades psicométricas destes testes, designadamente à estabilidade temporal, às respectivas intercorrelações e relações com os resultados escolares, e à capacidade de diferenciarem crianças com e sem problemas de aprendizagem. Os resultados obtidos atestam, por um lado, a adequação psicométrica dos testes e, por outro lado, indicam que os testes de Nomeação de Números e...

  6. Domínios de investigação, orientações metodológicas e autores nas revistas portuguesas de psicologia: Tendências de publicação nas últimas quatro décadas do século XX

    Alferes, Valentim Rodrigues; Bidarra, Maria da Graça; Lopes, Claúdia Abreu; Mónico, Lisete dos Santos
    O presente artigo retoma e desenvolve o conteúdo de uma comunicação apresentada no II Congresso Hispano-Português de Psicologia (secção História da Psicologia), realizado na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, nos dias 23, 24 e 25 de Setembro de 2004.

  7. Reflexões sobre o pesquisar em psicologia como processo de criação ético, estético e político

    Zanella, Andréa Vieira; Sais, Almir Pedro
    Este texto, fundamentado nos aportes teórico- -metodológicos do enfoque histórico-cultural em psicologia, apresenta reflexões sobre o processo de produção de conhecimentos e defende a tese de que pesquisar é um processo de criação ético, estético e político. Tendo como foco a pesquisa acadêmica, apresentam-se alguns debates sobre o processo de produção de conhecimentos para identificar fundamentos do pesquisar que podem vir a ser reconhecidos como comuns às diferentes tendências metodológicas em psicologia, o que se entende como condição para que algum diálogo possa vir a ser instituído em torno da tese aqui apresentada. Esses fundamentos são: a importância da pergunta de pesquisa; o reconhecimento da complexidade do que se quer investigar; a inexorável relação...

  8. Literacia da informação: O primeiro degrau para a ciência aberta

    Antunes, Maria da Luz; Sanches, Tatiana; Lopes, Carlos Alberto
    Introdução – No ensino superior, bibliotecários e professores têm desenvolvido estratégias para apoiar o desempenho académico dos estudantes, particularmente no respeitante às competências de literacia da informação, as quais são consideradas como uma poderosa ferramenta de intervenção na esfera da produção do conhecimento. Também a Ciência Aberta, centrada no eixo pesquisar fontes abertas/organizar dados abertos/publicar em acesso aberto, sobrevive das mesmas competências e dos mesmos saberes. Objetivos – O objetivo deste estudo é fazer uma reflexão sobre a missão das bibliotecas de ensino superior e o seu contributo para a Ciência Aberta, enquanto fonte e resultado da investigação científica, do ensino e da aprendizagem, através do fornecimento...

  9. As duas faces de Janus da psicologia em Portugal

    Machado, Armando; Lourenço, Orlando; Pinheiro, Ana P.; Silva, Cátea
    A fim de caracterizar o que se publica em Portugal nas revistas especializadas em psicologia, analisámos os artigos publicados desde 1996 até 2003 em três revistas: Psicologia: teoria, investigação e prática, associada à Universidade do Minho; Psychologica, associada à Universidade de Coimbra; e Análise Psicológica, associada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa. Após descrevermos a nacionalidade, género e filiação institucional dos autores dos artigos, classificámos o conteúdo de cada artigo em termos de área temática e de metodologia utilizada. Os resultados – muito semelhantes nas três revistas – mostram que a) os artigos provêm sobretudo de autores portugueses com filiação universitária, muitas vezes na própria instituição que publica a revista; b) os...

  10. Literacia da Informação: O Primeiro Degrau para a Ciência Aberta

    Antunes, Maria da Luz; Sanches, Tatiana; Lopes, Carlos Alberto; Rosdrigues, Bruno Soares; Grupo de Investigação em Psicopatologia, ISPA - Instituto Universitário Emoções, Cognição e Documentação
    Inexistente

  11. Literacia da Informação: O Primeiro Degrau para a Ciência Aberta

    Antunes, Maria da Luz; Sanches, Tatiana; Lopes, Carlos Alberto; Rosdrigues, Bruno Soares
    Inexistente

  12. Literacia da Informação: O Primeiro Degrau para a Ciência Aberta

    Antunes, Maria da Luz; Sanches, Tatiana; Lopes, Carlos Alberto; Rodrigues, Bruno Soares
    Inexistente

  13. Movimento Dada: O banal e o indizível

    Martins, Ana Maria Pina
    Neste artigo a autora aponta a literalidade como a característica predominante do Movimento Dada, tentando também captar o lado indizível da sua poesia e estética.

  14. Evolução do Repositório do ISPA (2009-2017)

    Lopes, Carlos Alberto; Nunes, Pailo Pinhão; Oliveira, Miguel; Santos, Ana Patricia
    Apresenta-se um poster com informação relativa à evolução do Repositório do ISPA entre os anos 2009 e 2017

  15. Evolução do Repositório do ISPA (2009-2017)

    Lopes, Carlos Alberto; Nunes, Paulo Pinhão; Oliveira, Miguel Ângelo de Castro; Santos, Ana Patricia
    Apresenta-se um poster com informação relativa à evolução do Repositório do ISPA entre os anos 2009 e 2017

  16. Evolução do Repositório do ISPA (2009-2017)

    Lopes, Carlos Alberto; Nunes, Paulo Pinhão; Oliveira, Miguel Ângelo de Castro; Santos, Ana Patricia
    Apresenta-se um poster com informação relativa à evolução do Repositório do ISPA entre os anos 2009 e 2017

  17. Evolução do Repositório do ISPA (2009-2017)

    Lopes, Carlos Alberto; Nunes, Paulo Pinhão; Oliveira, Miguel Ângelo de Castro; Santos, Ana Patricia
    Apresenta-se um poster com informação relativa à evolução do Repositório do ISPA entre os anos 2009 e 2017

  18. Doença e grupo doméstico entre os Mapuche (Vale Central do Chile)

    Pereira, Luís Carlos Cirilo da Silva
    O autor expõe as hipóteses que testou no trabalho de campo que efectuou entre grupos de Mapuche do sul do Vale Central chileno: os grupos locais têm teorias derivadas de práticas pragmáticas do seu viver e herdadas da memória social oral, complexas e sistematizadas que conformam o processo de prevenção e cura; para as entender há que conhecer as condições naturais, sociais e históricas que enquadram as pessoas que reproduzem ideias e práticas ancestrais; a deficiente comunicação entre os representantes da ciência médica ocidental e os membros daqueles grupos radica na ignorância dos primeiros relativamente ao conhecimento que os segundos têm do seu mundo, do seu corpo e do trabalho deste como tecnologia...

  19. Doença e grupo doméstico entre os Mapuche (Vale Central do Chile)

    Pereira, Luís Carlos Cirilo da Silva
    O autor expõe as hipóteses que testou no trabalho de campo que efectuou entre grupos de Mapuche do sul do Vale Central chileno: os grupos locais têm teorias derivadas de práticas pragmáticas do seu viver e herdadas da memória social oral, complexas e sistematizadas que conformam o processo de prevenção e cura; para as entender há que conhecer as condições naturais, sociais e históricas que enquadram as pessoas que reproduzem ideias e práticas ancestrais; a deficiente comunicação entre os representantes da ciência médica ocidental e os membros daqueles grupos radica na ignorância dos primeiros relativamente ao conhecimento que os segundos têm do seu mundo, do seu corpo e do trabalho deste como tecnologia...

  20. Acerca das estórias da História da Psicologia

    Carvalho, Cláudia Maria Constante Ferreira de
    O presente artigo nasce de algumas breves reflexões sobre a História da Psicologia em torno dos seus conteúdos – os sistemas teóricos – e da sua forma – as estratégias que organizam a sua narrativa. Sabendo que não há abordagens neutras da História, a autora sublinha a importância das estórias (ficções) como elementos importantes na construção e narração da História da Psicologia, bem como o papel que as histórias (ou estórias) das pessoas comuns poderão assumir no discurso da Psicologia científica.

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.