Recursos de colección

Repositório Comum (38.772 recursos)

É um repositório para instituições de ensino e investigação produtoras de literatura científica cuja dimensão ainda não justifica a criação de um repositório próprio. Permite integrar instituições, grupos ou indivíduos na infra-estrutura do projecto, nomeadamente através das pesquisas do Portal RCAAP e da B-On.

IPP - C3i – Coordenação Interdisciplinar para a Investigação e Inovação

Mostrando recursos 1 - 20 de 33

  1. Educar para a cidadania em educação pré-escolar: OCEPE, guiões e curricula

    Henriques, Helder; Marchão, Amélia
    O objetivo deste trabalho prende-se com a necessidade de valorizar a Educação para a Cidadania no quadro formativo de um Mestrado em Educação Pré-Escolar em Portugal. Entendemos que é necessário incluir no âmbito da formação de educadoras/es de infância, de um modo articulado e transversal, aspetos direcionados para a Educação para a Cidadania – como a igualdade de oportunidades; as questões de género; educação para a paz; multiculturalidade; entre outros. Assim, relevamos a importância de um diálogo entre as recém publicadas Orientações Curriculares para a Educação de Infância (OCEPE) (2016), os Guiões de Educação, Género e Cidadania (GEGC) (2010) e os programas curriculares concebidos no âmbito de...

  2. Igualdade de género: uma reflexão crítica a partir do jardim de infância

    Marchão, Amélia; Henriques, Helder
    Este artigo centra-se na promoção da igualdade de oportunidades em Portugal, num quadro de cidadania a partir do jardim de infância, e nele objetivamos destacar as representações de educadoras de infância e de crianças em idade pré-escolar sobre a problemática da igualdade no seu contexto pedagógico. Fundamos a nossa análise nos resultados de investigações orientadas desenvolvidas em cinco Jardins de Infância do distrito de Portalegre, Portugal. Os estudos que selecionámos foram desenvolvidos através de uma abordagem de natureza qualitativa, em que os participantes (educadoras e crianças) foram observados e escutados através de processos de questionário (adultos) e de entrevistas (adultos e crianças). A análise desenvolvida sobre o...

  3. A cena típica da cruz

    Henriques, Luís
    Os historiógrafos portugueses do século XVI reinventaram a cena típica do estandarte das legiões romanas transmitida pela historiografia romana. Fizeram-no à luz da ideologia e dos valores coevos.

  4. A cena típica da cruz

    Henriques, Luís
    Os historiógrafos portugueses do século XVI reinventaram a cena típica do estandarte das legiões romanas transmitida pela historiografia romana. Fizeram-no à luz da ideologia e dos valores coevos.

  5. A arenga militar feminina na historiografia portuguesa quinhentista

    Henriques, Luís
    Este artigo analisa o modo como a historiografia portuguesa do século XVI adaptou um tipo de discurso que contava já com alguns exemplos na historiografia romana: a arenga militar feminina. Em particular, são identificados os contextos narrativos que favorecem a sua ocorrência, a sua tipologia discursiva, bem como os tópicos argumentativos mais recorrentes e a sua relação com a tradição retórica prévia e também com a envolvência histórica coeva. Finalmente, são ainda apuradas as funções que estes discursos desempenham nas obras históricas em que estão inseridos. Protagonistas destas alocuções são as mulheres de Diu, que, nos cercos de 1538 e...

  6. O capitão-soldado na historiografia portuguesa de Quinhentos

    Henriques, Luís
    A historiografia portuguesa do século XVI apresenta numerosas descrições de batalhas que favorecem a emersão do ideal do general-soldado, figura que remonta à épica homérica. A entrada em cena dogeneral-soldado ou do capitão-soldado segue um guião bem estabelecido: cumprindo as suas funções de lídermilitar, quer nos preliminares, quer durante a batalha, o capitão irrompe por entre os soldados, proferindo uma ou várias exortações, procurando avivar nas tropas a disposição para a luta. Em seguida, qual soldado, arrebatando um escudo ou uma lança, é o primeiro a arrostar com o inimigo, ato que tem por objeto arrastar os soldados duvidosos para o...

  7. Retórica e historiografia: a arenga militar do século XVI

    Henriques, Luís
    Atendendo à tradição retórico‑literária que vinha da Antiguidade, os historiadores portugueses do século XVI introduziram nas suas obras numerosas arengas militares, a fim de caracterizarem os seus protagonistas e emocionarem os seus leitores. Este artigo analisa, a partir de diferentes perspetivas e transversalmente, o papel da arenga militar na historiografia e na épica portuguesas do século XVI, focando, em especial, os tópicos retóricos mais destacados da respetiva argumentação.

  8. Job satisfaction and leaving intentions of midwives: analysis of a multinational cross-sectional survey

    Jarosova, Darja; Gurkova, Elena; Palese, Alvisa; Godeas, Gloria; Ziakova, Katarina; Song, Mi Sook; Lee, Jongwon; Cordeiro, Raul; Chan, Sally Wai-Chi; Babiarczyk, Beata; Fras, Malgorzata; Nedvedova, Daniela
    To investigate the relationship between turnover intentions and job satisfaction among hospital midwives from seven countries and to determine how the related variables differ between countries.Studies investigating professional turnover and job satisfaction among midwives are limited in scope. A cross-sectional descriptive survey was used to investigate the intended turnover and job satisfaction relationship among 1190 hospital midwives in European and Asian countries. Data were collected using a set of questionnaires that included questions regarding the leaving intentions of midwives and the McCloskey/Mueller satisfaction scale. Midwives were least satisfied with their extrinsic rewards and professional opportunities and with the balance between family and...

  9. Job satisfaction and leaving intentions of midwives: analysis of a multinational cross-sectional survey

    Jarosova, Darja; Gurkova, Elena; Palese, Alvisa; Godeas, Gloria; Ziakova, Katarina; Song, Mi Sook; Lee, Jongwon; Cordeiro, Raul; Chan, Sally Wai-Chi; Babiarczyk, Beata; Fras, Malgorzata; Nedvedova, Daniela
    To investigate the relationship between turnover intentions and job satisfaction among hospital midwives from seven countries and to determine how the related variables differ between countries.Studies investigating professional turnover and job satisfaction among midwives are limited in scope. A cross-sectional descriptive survey was used to investigate the intended turnover and job satisfaction relationship among 1190 hospital midwives in European and Asian countries. Data were collected using a set of questionnaires that included questions regarding the leaving intentions of midwives and the McCloskey/Mueller satisfaction scale. Midwives were least satisfied with their extrinsic rewards and professional opportunities and with the balance between family and...

  10. A epipolesis - receção de um discurso de origem homérica pela historiografia portuguesa de Quinhentos

    Henriques, Luís
    Este artigo aborda, de forma breve, a receção de um tipo de discurso que remonta à épica homérica pela historiografia portuguesa do século XVI: a epipolesis. Numa época de emulação, os historiógrafos quinhentistas fizeram das suas obras não só repositórios da memória passada, mas também composições elevadas e eruditas em que a retórica desempenhou um papel determinante. Tal como na Antiguidade, assiste -se à progressiva dramatização das obras historiográficas, com a inserção de impressivas descrições de batalhas e de discursos, como a epipolesis. Na circunstância, este tipo de discurso imprime enargeia às ekphraseis em que se enquadram, já que um...

  11. A epipolesis - receção de um discurso de origem homérica pela historiografia portuguesa de Quinhentos

    Henriques, Luís
    Este artigo aborda, de forma breve, a receção de um tipo de discurso que remonta à épica homérica pela historiografia portuguesa do século XVI: a epipolesis. Numa época de emulação, os historiógrafos quinhentistas fizeram das suas obras não só repositórios da memória passada, mas também composições elevadas e eruditas em que a retórica desempenhou um papel determinante. Tal como na Antiguidade, assiste -se à progressiva dramatização das obras historiográficas, com a inserção de impressivas descrições de batalhas e de discursos, como a epipolesis. Na circunstância, este tipo de discurso imprime enargeia às ekphraseis em que se enquadram, já que um...

  12. Uma expedição ao ethos do Preste João

    Henriques, Luís
    A Expansão ultramarina esteve na génese da literatura dos Descobrimentos que alcançou grande fulgor em meados do século XVI. Diante de uma nova geografia e de povos recém-descobertos, escritores, mas também viajantes, foram revelando à Europa notícias desses mundos exóticos. Assim sucedeu com a obra de Miguel de Castanhoso (1564): interveniente numa expedição militar ao Reino do Preste João, deixou-nos uma impressiva descrição, não só da campanha militar, mas também da geografia, da etnografia, da religião e da economia do reino abexim. Neste artigo, analisamos algumas dessas passagens que configuram aquele relato como uma comovente expedição ao ethos do Preste...

  13. Uma expedição ao ethos do Preste João

    Henriques, Luís
    A Expansão ultramarina esteve na génese da literatura dos Descobrimentos que alcançou grande fulgor em meados do século XVI. Diante de uma nova geografia e de povos recém-descobertos, escritores, mas também viajantes, foram revelando à Europa notícias desses mundos exóticos. Assim sucedeu com a obra de Miguel de Castanhoso (1564): interveniente numa expedição militar ao Reino do Preste João, deixou-nos uma impressiva descrição, não só da campanha militar, mas também da geografia, da etnografia, da religião e da economia do reino abexim. Neste artigo, analisamos algumas dessas passagens que configuram aquele relato como uma comovente expedição ao ethos do Preste...

  14. FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO NA E PARA A INCLUSÃO: IGUALDADE DE GÉNERO

    Marchão, Amélia; Henriques, Hélder
    A instituição escolar deve contribuir para uma sociedade mais justa, equitativa e sem estereótipos, promovendo a inclusão. O presente artigo, resultado da avaliação do percurso desenvolvido em duas oficinas de formação realizadas no Instituto Politécnico de Portalegre, aborda a escola inclusiva em sentido lato e demonstra a necessidade de intervir na consciencialização e sensibilização dos atores educativos para uma ação baseada na igualdade de oportunidades, nomeadamente no campo do género. Através de uma análise qualitativa de dispositivos e estratégias aplicadas nessa oficina de formação apresentam-se algumas representações e concepções, bem como algumas das reflexões e avaliações das/os docentes produzidas ao...

  15. FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO NA E PARA A INCLUSÃO: IGUALDADE DE GÉNERO

    Marchão, Amélia; Henriques, Helder
    A instituição escolar deve contribuir para uma sociedade mais justa, equitativa e sem estereótipos, promovendo a inclusão. O presente artigo, resultado da avaliação do percurso desenvolvido em duas oficinas de formação realizadas no Instituto Politécnico de Portalegre, aborda a escola inclusiva em sentido lato e demonstra a necessidade de intervir na consciencialização e sensibilização dos atores educativos para uma ação baseada na igualdade de oportunidades, nomeadamente no campo do género. Através de uma análise qualitativa de dispositivos e estratégias aplicadas nessa oficina de formação apresentam-se algumas representações e concepções, bem como algumas das reflexões e avaliações das/os docentes produzidas ao...

  16. FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO NA E PARA A INCLUSÃO: IGUALDADE DE GÉNERO

    Marchão, Amélia; Henriques, Helder
    A instituição escolar deve contribuir para uma sociedade mais justa, equitativa e sem estereótipos, promovendo a inclusão. O presente artigo, resultado da avaliação do percurso desenvolvido em duas oficinas de formação realizadas no Instituto Politécnico de Portalegre, aborda a escola inclusiva em sentido lato e demonstra a necessidade de intervir na consciencialização e sensibilização dos atores educativos para uma ação baseada na igualdade de oportunidades, nomeadamente no campo do género. Através de uma análise qualitativa de dispositivos e estratégias aplicadas nessa oficina de formação apresentam-se algumas representações e concepções, bem como algumas das reflexões e avaliações das/os docentes produzidas ao...

  17. A narrativa autobiográfica nos processos de avaliação e certificação de competências escolares

    Calha, António
    Em Portugal os processos de reconhecimento, validação e certificação de competências (RVCC) adotaram o Portfólio Reflexivo de Aprendizagem (PRA) como instrumento de identificação de competências adquiridas nos diferentes contextos de vida. É através da construção do PRA que cada adulto evidencia as aprendizagens que realizou ao longo da vida e as competências que delas decorreram. Dada a natureza dos processos RVCC a construção do PRA assenta em metodologias de balanço de competências e na abordagem autobiográfica. É através dos materiais que o adulto produz e que colige, de forma contextualizada e crítica, que se validam e certificam as competências. Propomos...

  18. A imagem fotográfica e a narrativa como recursos no planeamento de intervenções de enfermagem ao idoso

    Calha, António; Monteiro, Francisco; Hilário, Margarida
    Este artigo visa a reflexão em torno da imagem fotográfica e da narrativa enquanto instrumentos no planeamento de intervenções de enfermagem ao idoso. Utilizou-se a técnica da fotoelicitação com o intuito de analisar a perceção que um grupo de idosos utentes de um Centro de Dia tem das alterações ocorridas na sua qualidade de vida. Esta é uma pesquisa de natureza qualitativa em que para a obtenção dos dados foi utilizada a fotografia, como estímulo dos participantes envolvidos no estudo, e o discurso que estes produziram sobre as imagens visualizadas. Dos dados obtidos procurou-se identificar aspetos da qualidade de vida...

  19. Relatos Autobiográficos da Experiência Escolar: Marcas das Influências Contextuais no Envolvimento dos Alunos na Escola

    Calha, António
    Procuramos retratar as transformações institucionais ocorridas na escola ao longo das últimas décadas e a sua implicação no envolvimento dos alunos. Para tal, apresentamos os resultados da análise de relatos das experiências escolares presentes num conjunto de cem autobiografias elaboradas por adultos que passaram pelo sistema de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências (RVCC), entre 2006 e 2011. O nosso objetivo é a caracterização da forma como na narrativa dos candidatos é gerida toda uma economia de justificações da experiência e do abandono escolares. Dada a abrangência intergeracional do programa, são múltiplas as variáveis contextuais (formas escolares e os modos de...

  20. As condições de produção da narrativa autobiográfica nos processos de reconhecimento, validação e certificação de competências

    Calha, António
    Os processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) adotaram o Portefólio Reflexivo de Aprendizagem (PRA) como instrumento de identificação de competências adquiridas nos diferentes contextos de vida. É através da construção do PRA que cada adulto evidencia as aprendizagens que realizou ao longo da vida e as competências que delas decorreram. A construção do PRA, da responsabilidade dos candidatos à certificação, é realizada com o auxílio de uma equipa técnico-pedagógica, constituída por profissionais RVC e formadores, e orientada pela necessidade de evidenciar as competências contempladas nos Referenciais de Competências-Chave. Dada a natureza dos processos RVCC a construção do PRA...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.