Mostrando recursos 1 - 20 de 28

  1. Idália Farinho Custódio y Maria Aliete Farinho Galhoz, Memória tradicional de Vale Judeu, Vols. I y II, Loulé, Câmara Municipal de Loulé, 1996-1997, 356 y 457 pp.

    Pedrosa, José Manuel
    Depois do volume dedicado aos "Contos" (saído em 2004), estamos em presença dp II vol. do "Património Oral do Concelho de Loulé.

  2. José Manuel Fraile Gil, El Mayo y su fiesta en tierras madrileñas, (apéndice musical de Eliseo Parra)

    Jesús Ruiz, María
    De entre los muchos repertorios de textos recogidos de la tradición oral hispánica que en los últimos años han ido publicándose, éste sobresale por un rasgo excepcional: su autor dedica igual espacio, aténcion, tiempo, rigor y esmero tanto al asunto puramente textual (los mayos) como as las cuestiones referidas al contexto folklórico (la fiesta) en el que los textos se actualizan.

  3. A poesia popularizante de Vitorino Nemésio

    Nogueira, Carlos
    Publicado em 1950, Festa Redonda é um livro de poeta proteiforme, extasiado com a substância telúrica e literária da sua terra natal. A força apelativa dos poemas coligidos nesta obra provém em grande parte da literatura de transmissão oral, à qual a criatividade nemesiana dá o cunho de poesia individual e original. A euforia do telurismo e da oralidade artística de Festa Redonda interage com as características da poesia moderna que percorrem grande parte da poesia de Vitorino Nemésio: a austeridade e a ideia obsidiante de vazio. A poesia de Festa Redonda, radicada nas fontes remotas da iniciação humana e literária de Vitorino Nemésio...

  4. Des polyphonies sauves des eaux: les représentations de la "Tradition" dans une micro-localité de la Serra de Gerês

    Caufriez, Anne
    A região montanhosa do noroeste de Portugal é conhecida há muito pelos seus cantos polifónicos femininos, que apresentam microvariações duma aldeia para outra e estavam tradicionalmente ligados à cultura dos cereais (centeio e milho). Há muito que a aldeia de São João do Campo (concelho de Terras de Bouro, distrito de Braga) não pratica a agricultura, mas as suas mulheres continuam a cantar em polifonia de modo perfeito, usando as vozes como actividade recreativa e transmitindo às filhas a arte de cantar. Uma das razões para a idealização dos seus cantos poderia ser a desaparição da aldeia vizinha, Vilarinho da Furna, engolida pelas...

  5. As contaminações no Conde Claros em Hábito de Frade Português

    Boto, Sandra
    Sendo a tradição portuguesa particularmente fértil em versões contaminadas do romance Conde Claros em hábito de frade, e sabendo que o conjunto de temas contaminadores é considerável num tema tão abundantemente recolhido, tem como propósito o presente estudo descrever o comportamento das contaminações no seio deste romance. Numa primeira instância, e obedecendo a pressupostos diacrónicos de metodologia, observamos o traçado fabular do romance no século XVI e confrontamo-lo com a fábula que a tradição portuguesa apresenta, daí retirando algumas ilações quanto à posição das contaminações. Estas estão concentradas, regularmente, no início das versões, adquirindo o estatuto de enquadramento contextual da trama do...

  6. Para uma teoria da anedota popular portuguesa

    Nogueira, Carlos
    Corpo errático e volátil por excelência, a anedota constitui porventura o género do discurso através do qual uma comunidade (conceito, como se sabe, cada vez mais alargado) mais dinâmica e prontamente comenta os sentidos dos múltiplos fenómenos –éticos, culturais, filosóficos, pragmáticos, etc.– com que a cada passo se confronta e (re)constrói. Operando, antes de mais, em termos de uma concepção lúdica da vida, a anedota distende-se por múltiplas e versáteis conformações de natureza tipológica, tropológica e topológica.

  7. La duplicitat d'objectes mágics a la història d'Aladdín i a una rondalla d'Antoni M. Alcover

    Grimalt, Josep A.
    A história de Aladino, tal como aparece em muitas edições de As Mil e uma Noites, contém uma particularidade que a afasta das leis da economia do conto popular, em relação às quais se mostra um tanto incoerente: a presença de dois objectos mágicos com poderes ilimitados: o anel e a lâmpada. As versões do conto que achamos em As Mil e uma Noites são muito literárias, mas no seu conteúdo podemos reconhecer o tipo 561 do Índice de Aarne-Thompson. A versão de Galland, da qual poderiam derivar todas as outras, até as dos textos redigidos em árabe, procede de Hanna Diab,que lhe deu...

  8. Nacionalismo y poesía popular. Manuel Murguía y la invención de romancero gallego apócrifo

    Cid, Jesús-Antonio
    La anómala situación de los estudios sobre el Romancero de Galicia, y la indefinición de su propio estatuto como rama del Romancero hispánico, tienen su origen, en última instancia, en las posturas cambiantes que adoptó el primer nacionalismo cultural gallego, por razones ideológicas, ante el género de la poesía oral narrativa. Manuel Murguía es considerado hoy, por la amplitud y el eco de su obra, además de por su longevidad (1833-1923) y su papel como impulsor y heredero de la obra poética en gallego de Rosalía de Castro, como indiscutible padre fundador del galleguismo. Un nacionalismo gallego fundamentado en la tradición histórica y cultural tenía forzosamente que conceder...

  9. O romanceiro dos Açores em duas obras recentes

    Marques, J. J. Dias
    Em 2002, foram publicadas duas obras de enorme importância para o conhecimento do romanceiro açoriano. Começarei por me referir ao Romanceiro Tradicional das Ilhas dos Açores, I: Corvo e Flores.1 Este é o primeiro de um conjunto de volumes que dará a conhecer os romances recolhidos no arquipélago, em 1969-70, por Joanne B. Purcell, deixados inéditos na sua quase totalidade pela morte prematura desta investigadora norte-americana.

  10. José Luís Forneiro, El romancero tradicional de Galicia: una poesía entre dos lenguas ("Biblioteca Mítica", 3) Oiartzun (guipuzkoa), Sendoa, 2000, 317 pp.

    Acuña, Ana
    O estudio do romanceiro de Galicia vén merecendo unha atención especial tanto dentro como fóra do país [pénsese nas análises de A. Valenciano (1998) ou A. Requeixo (1996), entre outras].

  11. O ladrão da mão-cortada: análise comparada de um corpus ibérico do conto tipo-AT 956 B

    Correia, Paulo
    Este artigo é um estudo comparativo do conto AT 956 B (The Clever Maiden Alone at Home Kills the Robbers), centrado na análise de versões portuguesas e espanholas, embora recorrendo a outras tradições europeias e do Norte de África. O objectivo final da análise é estabelecer uma matriz da estrutura deste conto-tipo tal como ele aparece em Portugal, na sua relação com outras tradições próximas. As versões são analizadas tendo em linha de conta os seus aspectos narrativos, simbólicos e etno-sociológicos.

  12. La tradición oral en el antiguo testamento. Aproximación al legado de los patriarcas

    Camarena, Julio
    Há muito que, graças a diversos investigadores (Frazer, Gaster, Patai, etc.), se sabe ter o texto da Bíblia chegado até nós cheio de episódios e motivos que aparecem também nas epopeias de outros povos vizinhos de Israel (o Grande Dilúvio, o menino no cestinho de vime, a Torre de Babel...), todas elas, em geral, anteriores à narrativa bíblica. Mas, deixando de lado a questão das datas e fontes do Pentateuco, assim como da sua relação com as epopeias limítrofes, é possível verificar também que existem episódios que estão, ao mesmo tempo, na Bíblia e na literatura oral moderna e, além disso,...

  13. A estética discursiva nos contos da literatura oral mirandesa: uma abordagem estatístico-pragmática

    Alves, António Bárbolo
    Neste artigo, pretendo destacar a forma como o discurso dos contos da literatura oral obedece a regras e leis que podem ser medidas e verificadas.Para tal, analisarei três narrativas, em língua mirandesa, recolhidas na Terra de Miranda onde este idioma é falado. Em seguida, procederei à descrição da sua estrutura, assim como à trajectória e organização discursiva, que sobressai para além da aparente simplicidade e desorganização. Na primeira parte, de carácter empírico, descreverei algumas particularidades desta região, reflectindo sobre o papel dos contos da literatura oral na construção da identidade mirandesa. Na segunda, de âmbito estatístico, será feita a análise dos...

  14. Rimas infantis: a poesia do recreio

    Tarujo, Luís
    Nos últimos anos tem - se assistido à publicação de um sem número de obras dedicadas à Literatura Infantil. No entanto, poucas são aquelas que se referem à herança legada pela literatura de tradição oral ao mundo das crianças. De entre elas, tivémos o grato prazer de conhecer o estudo que Clara Sarmento elaborou sobre as rimas infantis. Este tipo de folclore infantil rimado de transmissão oral é aquele que mais próximo se encontra do universo das crianças – desde o nascimento até às brincadeiras e outras acti vidades infantis durante os Primeiro e Segundo Ciclos do Ensino Básico – sendo, por isso, um instrumento importante para quem pretende estudar não só o património cultural...

  15. Quadra tradicional: questões de estrutura e de forma

    Saraiva, A. Arnaldo; Nogueira, Carlos
    O elevado grau de fluidez da quadra tradicional – que participa da mutabilidade e flexibilidade características de toda a literatura de transmissão oral – faz dela um espaço complexo, movediço e resistente a quadros taxinómicos rígidos ou definitivos. Partindo desse pressuposto, quisemos determinar neste artigo as principais linhas de instabilidade desta forma poética e os seus principais processos de edificação, nos planos estrutural e formal. Procurámos demonstrar que a quadra encerra uma força de conflito decorrente de uma dialéctica de abertura e de fechamento, relacionada com impulsos quer de condensação e fixação quer de intensificação ou derivação de sentidos.

  16. El romance de La adúltera em hispanoamérica. Análisis de variantes

    Mancebo Perales, Paco
    O presente artigo expõe o resultado prático duma análise comparativa, ao nível da intriga, dentro de um amplo e variado corpus hispanoamericano do romance La aúltera. A busca de elementos comuns e distintivos nas 42 versões submetidas a estudo revela a existência de dois tipos do romance. Um corresponde às versões procedentes dos Estados Unidos, México e Nicaragua (tipo 1); o outro engloba os textos recompilados em Cuba, República Dominicana, Porto Rico, Venezuela, Colômbia, Perú, Chile, Argentina e Uruguai (tipo 2). Enquanto o primeiro evoluiu de acordo com o sistema de valores dos seus re-criadores, o segundo manteve-se mais apegado à...

  17. Walter Heissig, Rüdiger, Schott, Die Heutige Bedeutung Oraler traditionen. IHRE Archivierung, Publikation und index-Erschießung

    Cardigos, Isabel
    The book under review is the publication of 28 contributions to a workshop which has tak en place in St. Augustin, near Bonn, in November 1995. This was attended by a large number of proeminent scholars, gathered around the commonly felt concern for the need to preserve “the oral traditions of all kinds” (p. 26). The papers, written in German (11), in English (16) and in French (1), are introduced by the organisers Walter Hessig and Rüdiger Schott in both German and English.

  18. Maria Teresa Cortez. Os contos de Grimm em Portugal. A recepção dos Kinder-und Hausmärchen entre 1837 e 1910, Coimbra, Minerva (Centro Interuniversitário de Estudos Germanísticos) e Universidade de Aveiro, 2001. 531 pp.

    Cardigos, Isabel
    Trabalho que investiga a recepção dos Kinder - und Hausmärchen em Portugal, fruto duma aturada e minuciosa pesquisa documental. Com efeito, Teresa Cortez passa em revista os livros e publicações periódicas enquadrados entre 1837 — data do aparecimento das primeiras traduções de contos dos KHM, no periódico lisboeta Biblioteca Familiar e Recreativa — e 1910, data a que a autora estendeu a sua pesquisa. Cada incidência da presença dos contos dos Grimm em Portugal é cuidadosamente investigada, contextualisada e analisada, Assim, à medida que vemos surgir, primeiro esparsas em revistas destinadas a um público infantil, e sem indicação de autoria, traduções (do francês) dos KHM, vamo-nos inteirando sobre o...

  19. Teófilo Braga e Adolfo Coelho: duas posições face aos irmãos Grimm e à colecção Kinder-und Hausmärchen

    Cortez, Maria Teresa
    No presente artigo pretendo documentar as diferentes posições assumidas pelos dois fundadores do movimento etnográfico português, Teófilo Braga (1843-1924) e Adolfo Coelho (1847-1919), face ao trabalho de investigação e recolha de contos populares alemães realizado pelos Irmãos Grimm. Ao longo da sua obra, Teófilo Braga testemunhou repetidamente uma enorme admiração pelos Irmãos Grimm, muito em especial por Jacob, cujo exemplo procurou seguir. Teófilo Braga orientou-se na sua pesquisa pelas teses dos Irmãos Grimm, nomeadamente, pela tese da génese mítica dos contos, e concebeu a sua colecção de contos populares portugueses como recolha etnográfica e livro infantil, na esteira dos Kinder- undHausmärchen. A...

  20. Folk-lore, política y literatura popular en el siglo XIX (cartas inéditas de A. Machado y Álvarez a Teófilo Braga)

    Baltanás, Enrique
    Neste artigo publicam-se, editam-se e comentam-se pela primeira vez as cartas enviadas pelo fundador da sociedade El Folk-Lore Español, Antonio Machado y Álvarez, ao ilustre polígrafo e líder português Teófilo Braga, conservadas actualmente na Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada (Açores). Através destas treze cartas podemos conhecer mais em detalhe as estreitas relações entre os folcloristas portugueses e espanhóis no século XIX, assim como aprofundar as implicações ideológicas e políticas do inovador conceito de Folclore que ambos partilhavam. No final do artigo inclui-se um Apêndice bibliográfico de temas e autores portugueses nas publicações da sociedade de El Folk-Lore Español.

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.