Recursos de colección

Repository ESEPF Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti (2.257 recursos)

The Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Institutional Repository is an on-line platform for collecting, preserving, and disseminating the intellectual output of this institution in digital form.

Mestrados - Área Formação de Professores

Mostrando recursos 1 - 20 de 278

  1. A imagem em contexto de educação de infância: um recurso educativo e de documentação pedagógica

    Silva, Inês da Cunha Vale de Vitorino
    A temática abordada no presente relatório de estágio, realizado no âmbito do Mestrado em Educação Pré-Escolar diz respeito à imagem enquanto recurso pedagógico em contexto de educação de infância. Os objetivos deste estudo passam por perceber a importância educativa facultada à imagem enquanto recurso pedagógico e recurso de documentação na educação de infância; conhecer modelos de apreciação de imagens possíveis de serem trabalhados na educação de infância; apreender o papel que a documentação pedagógica traz para a criança; averiguar atitudes do educador relativamente às suas práticas documentais pedagógicas e artísticas; perceber como os educadores de infância promovem a apreciação de imagens nos contextos de jardim de infância e creche;...

  2. A compreensão dos profissionais de uma instituição sobre a inclusão de crianças com necessidades educativas especiais

    Oliveira, Ana Elisa Pinto de Sousa
    No passado, a sociedade desenvolveu um obstáculo à inclusão de pessoas com deficiência. De entre diversos fatores, os medos, os receios e as superstições, são os exemplos mais atribuídos para a existência deste obstáculo. A inclusão é, então, uma preocupação humana, necessitando antes de mais nada, de respostas humanizadas que se refletem e refletirão no presente e no futuro da humanidade. Deste modo, estará uma instituição de Educação Pré-Escolar apta para receber e integrar esta diversidade? Estarão as educadoras preparadas e com formação suficiente para integrar crianças com Necessidades Educativas Especiais? E a família, será que também é chamada e incluída no...

  3. As estratégias mais valorizadas pelos educadores de infância na inclusão de crianças com necessidades educativas especiais

    Ferreira, Beatriz de Fátima Moreira
    A inclusão de crianças com Necessidades Educativas Especiais (NEE) é algo que merece realce pois se, no passado, estas eram colocadas à parte das restantes, hoje em dia tal não se verifica. A inclusão procura levar estas crianças a frequentarem as escolas regulares, a interagirem e a comunicarem com os seus pares e com o meio envolvente. Os educadores de infância, assim como as famílias, são considerados os principais agentes para facilitar a inclusão das crianças com NEE nos Jardins-deinfância e, portanto, é pertinente que trabalhem em conjunto de modo a tornarem esta inclusão positiva e tranquila para as mesmas. Os profissionais de Educação Pré-escolar têm a função de...

  4. A criança e o divórcio – repercussões no desenvolvimento emocional

    Brás, Andreia Cristina Rebelo
    O presente relatório foi realizado no Mestrado em Educação Pré-escolar. A sociedade em que vivemos tem sofrido alterações que apresentam consequências a nível das estruturas familiares, nomeadamente através da crescente taxa de divórcios. As crianças mais pequenas acabam por sofrer com o divórcio dos seus pais, pois esta situação vai muito além da sua capacidade de compreensão. Neste sentido, o presente relatório apresenta como questão de partida “Até que ponto o divórcio tem ou não repercussões no desenvolvimento da criança?”. Assim sendo, foi realizada uma investigação e utilizados instrumentos com o intuito de proceder à recolha de dados. Esses instrumentos de...

  5. Contextos promotores de iniciativa na educação de infância

    Cunha, Jéssica Correia Martins da
    O presente relatório de estágio enquadra-se no âmbito do Mestrado em Educação Pré-Escolar e tem como objetivo demonstrar uma investigação e intervenção decorridos ao longo dos estágios em contexto de Creche e em contexto de Educação Pré-Escolar. O tema principal deste relatório incide em perceber como o educador promove a iniciativa, tendo como objetivos perceber a importância da iniciativa, perceber as estratégias que fomentem a iniciativa, perceber o papel do educador de infância na promoção da iniciativa e perceber se as crianças podem exercer iniciativa. É fundamental perceber através da educadora, do ambiente vivido na sala e da opinião das crianças...

  6. Perceções dos educadores sobre a inclusão de crianças com necessidades educativas especiais na educação pré-escolar

    Soares, Marta Alexandra Amorim
    O presente relatório foi elaborado no âmbito da unidade curricular de Prática de Ensino Supervisionada em Educação Pré-escolar e posteriormente em Creche. O trabalho foi elaborado durante os anos letivos de 2015-2017 e procura evidenciar como os educadores de infância percecionam a inclusão de crianças com Necessidades Educativas Especiais nas suas salas. Ao longo do relatório será feita uma abordagem aos princípios subjacentes à inclusão, bem como à evolução do termo Necessidades Educativas Especiais, ao papel do educador de infância, sem esquecer o apoio que a legislação portuguesa estabelece neste âmbito. Através da combinação de uma metodologia mista tentaremos “compreender, com (…) detalhe,...

  7. O brincar na educação de infância: considerações sobre o papel do adulto

    Miranda, Luz Fátima Monteiro
    O presente relatório aqui apresentado surge no âmbito das Unidades Curriculares de Prática de Ensino Supervisionada, do Mestrado em Educação Pré-Escolar, para aquisição do grau de Mestre em Educação Pré-Escolar. Surge com o intuito de mostrar o trabalho desenvolvido pela mestranda, ao longo da prática pedagógica, tendo como objetivo principal compreender, descrever e analisar a importância do papel do adulto no brincar da criança, em contexto de Creche e Jardim de Infância. A componente empírica deste relatório assume-se como sendo qualitativa, opção que se justifica por se tratar do tipo de investigação que melhor se adequa ao objetivo do estudo. A recolha dos...

  8. Intervenção pedagógica em crianças com perturbação do espectro do autismo e a envolvência das famílias

    Ribeiro, Cristiana Jacinta Teles
    O presente relatório de estágio centrou-se num estudo de caso de uma criança, do género masculino, com cinco anos de idade, a frequentar a educação pré-escolar, com Perturbação do Espectro do Autismo (PEA). Pretendemos com esta investigação perceber de que forma se deve intervir de modo a facilitar a inclusão destas crianças no grupo de Educação Pré-Escolar e envolver as suas respetivas famílias. Assim, compreendemos que a comunidade educativa e a família deverão juntas procurar novas formas de crescimento, aprendizagem e estratégias que possam contribuir para a inclusão e para o respetivo desenvolvimento global e social das crianças com PEA. Foi exatamente este vínculo que encontramos entre a...

  9. Condições necessárias a uma instituição para educar uma criança com perturbação do espetro do autismo – Estudo de caso

    Sousa, Soraia Alexandra Dias
    A Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) é encarada como uma perturbação do neurodesenvolvimento com características muito específicas. Neste sentido, a presente investigação pretende contribuir para uma melhor perceção acerca da realidade escolar, no que concerne, nomeadamente, às condições materiais e humanas que um estabelecimento educativo deve possuir, no seio de uma comunidade escolar, para educar crianças com autismo - “Que condições são necessárias a uma Instituição para educar uma criança com autismo?”. De forma a dar resposta à pergunta de partida, supramencionada, recorremos à aplicação de um inquérito por questionário a oito Educadoras de Infância, de uma entrevista estruturada à...

  10. Um percurso de um profissional da habilitação conjunta : a importância do ato de observar, planear, agir e avaliar numa perspetiva construtivista

    Santos, Joana Patrícia Barros dos
    Relatório de Estágio apresentado à Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti para obtenção de grau Mestre em Educação Pré-Escolar e Ensino 1º ciclo do Ensino Básico.

  11. A perceção dos professores do 1º e do 2º ciclo do ensino básico sobre a sua preparação nas respostas educativas aos alunos com necessidades educativas especiais

    Reinas, Joana Gilbert
    A educação inclusiva é, hoje, uma exigência do modelo da sociedade em que vivemos, onde não deve haver espaço para iletrados. O papel do professor é ensinar e educar a criança/jovem, orientando-a/o e ajudando-a/o no processo do seu próprio desenvolvimento. Para isso, este deverá proporcionar aprendizagens que lhe sejam significativas e eficazes. Todas as crianças têm Necessidades Educativas, mas só algumas têm Necessidades Educativas Especiais. Deste modo, é necessário que o professor esteja atento aos seus alunos e caso desconfie de que algo não se encontra bem deve informar os pais e/ou encarregados de educação para que estes procedam ao encaminhamento correto...

  12. A criação de um ambiente democrático na sala de jardim de infância: a criança como agente participativo

    Carvalho, Patrícia Joana Cabral de
    O presente relatório de estágio enquadra-se no âmbito do Mestrado em Educação Pré-Escolar e tem como grande objetivo evidenciar um trabalho de investigação e intervenção desenvolvido ao longo do estágio no contexto de Educação Pré-escolar. O tema principal deste trabalho incide sobre a participação da criança no processo de ensino-aprendizagem, mais concretamente sobre a criação de um clima democrático no jardim de infância, tendo como principais objetivos específicos: perceber a importância de um clima democrático no jardim de infância, perceber como o educador fomenta um clima democrático na sala, identificar as condições para a criação de um clima democrático e,...

  13. A motivação como estratégia para a promoção das aprendizagens nos 1º e 2º ciclos do ensino básico

    Pereira, Mariana Madureira
    O presente documento assume-se como um relatório de estágio que comtempla todo o processo de formação e construção da profissionalidade vivenciado pela estagiária nas valências do 1º e do 2º Ciclo do Ensino Básico. Refere-se a um estudo de natureza qualitativa e exploratória: imprescindível para analisar os contextos em que os estágios estiveram inseridos e todas as suas possibilidades de intervenção, para uma melhor intervenção pedagógica. Sabendo que cada indivíduo é um ser único, individual e que aprende de formas distintas e momentos diferentes, as estratégias revelaram-se diversificadas, direcionadas e intencionais. Assim sendo, é importante salientar que durante todas as intervenções pedagógicas,...

  14. O papel do professor no desenvolvimento das inteligências múltiplas em contexto de sala de aula

    Cardoso, Daniela de Carvalho
    A teoria das inteligências múltiplas desenvolvida por Howard Gardner defende que todos os seres humanos possuem nove tipos de inteligências (linguística, lógico-matemática, espacial, musical, corporal cinestésica, interpessoal, intrapessoal, naturalista e existencial) no entanto, umas podem estar mais ou menos desenvolvidas dependendo dos estímulos que receberem. Esta investigação baseou-se fundamentalmente na inteligência intrapessoal e na inteligência interpessoal pois são chave para o desenvolvimento humano e tendem a ser mais fortes que as outras inteligências, já que são trabalhadas dentro e fora da sala de aula. O presente estudo, cuja estratégia de pesquisa é a metodologia de investigação qualitativa visa compreender de que forma...

  15. Literacia estatística na resolução de problemas com alunos do 5º ano de escolaridade

    Melo, Ana Filipa dos Santos
    A capacidade crítica na resolução de problemas é uma competência essencial a desenvolver no indivíduo durante a sua formação. Compreender o nível de literacia estatística de um aluno e o seu estágio de compreensão do contexto, no processo de ensino-aprendizagem, permite a adoção de metodologias e instrumentos que inevitavelmente culminarão num processo importante para habilitar o aluno na construção de conhecimento matemático aliado ao desenvolvimento de uma atitude crítica na Resolução de Problemas, o que refletirá mais tarde na integração do aluno na sociedade. Abordando algumas correntes e conceções educacionais, o presente estudo pretende avaliar os níveis de literacia estatística de uma...

  16. Triângulos e paralelogramas no 2º ciclo: Aprendendo com tecnologia

    Sousa, Marília Gouveia Carneiro de
    As mudanças na sociedade implicaram que as tecnologias digitais se tornassem cada vez mais acessíveis e fossem parte integrante da vida dos seus cidadãos, quer a nível de trabalho quer de lazer, assim talvez os professores devessem pensar como podem integrar a tecnologia nas suas aulas. Neste contexto, um novo referencial teórico para a integração da tecnologia no ensino pelos professores apareceu, o TPACK ou conhecimento pedagógico, tecnológico do conteúdo. A generalização da utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no ensino da matemática provoca mudanças que exigem abordagens complexas e integradoras. Esta investigação teve como principal objetivo estudar o impacto...

  17. Perturbações de aprendizagem específicas. Atuação e perceção dos docentes no 1º ciclo do ensino básico

    Gomes, Ana Isabel Freitas
    Este trabalho de investigação foi realizado com o intuito de percecioanar como atuam os professores 1º Ciclo do Ensino Básico perante alunos com Perturbações de Aprendizagem Específicas (P.A.E.). Dividido em duas grandes partes, uma delas reservada apenas para a teoria relacionada com a temática e outra relacionada com a parte prática, onde numa metodologia de caráter qualitativo, foi realizado um inquérito por questionário. No final encontra-se uma análise dos dados e, posteriormente, a discussão dos resultados obtidos nos questionários respondidos

  18. Inovação e aprendizagem: Um dueto eficaz no processo de ensino

    Machado, Emília Cláudia Dias
    O mundo de hoje caracteriza-se por uma profunda revolução tecnológica com fortes consequências no ato educativo. Face à inovação, a escola como organismo social necessita de estar equipada perante este cenário inovador, criando condições para que a tecnologia ocupe o seu verdadeiro papel num contexto de aprendizagem que se pretende real e integrador de saberes. Deste modo, a escola tem que atuar em paralelo face às necessidades dos alunos, uma vez que é importantíssimo reunir condições para pôr em prática situações do dia-a-dia relacionadas com os conteúdos educativos. Não obstante, defendemos que a utilização de qualquer tecnologia é apenas um...

  19. Os números e as operações no 1º ciclo do ensino básico: do diagnóstico a uma proposta de intervenção para o 1º ano de escolaridade

    Fernandes, Inês Magalhães
    É no 1.º ano de escolaridade do 1.º Ciclo do Ensino Básico que se iniciam a exploração e a aprendizagem formais dos números e das operações numéricas: de facto, é neste ano de escolaridade que os alunos têm contacto obrigatório não só com conceitos, relações, operações e propriedades, de natureza numérica e operatória, mas também com as suas representações. Realizado no âmbito do Mestrado em Ensino do 1.º e do 2.º Ciclo do Ensino Básico, este relatório de estágio tenta dar resposta a algumas questões emergentes da Prática de Ensino Supervisionada realizada no 1º Ciclo do EB relacionadas com a exploração...

  20. As potencialidades das tecnologias de informação geográfica no processo de ensino e aprendizagem dos alunos do 1º e 2º CEB

    Azevedo, Luísa Maria Pinto de
    O ensino e a educação encontram-se em constante transformação, designadamente pela evolução das Tecnologias de Informação Comunicação. Por esse motivo, as tecnologias têm apresentado um grau de importância cada vez mais elevado na vida das pessoas, tornando-se substancial reconsiderar o papel da educação, mas, sobretudo, refletir acerca do papel dos professores e das metodologias utilizadas, atualmente, em sala de aula. O contacto com as novas Tecnologias de Informação Geográfica (NTIG) a partir do 1ºCEB é extremamente importante e, como tal, a sua manipulação deve ser estimulada, uma vez que contribuem para uma aprendizagem ativa e implicativa, fomentando a construção dos saberes, na qual o aluno passa a ser o...

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.