Mostrando recursos 1 - 20 de 54

  1. European refugee crisis : where do public intellectuals stand?

    Medeiros, Pilar Damião
    The European refugee crisis has become one of the most puzzling aspects of European society and politics. The continent’s worst humanitarian crisis since World War II has prompted a novel political and social labyrinth. As European leaders struggle to respond to the increasing number of refugees crossing their countries’ borders, divisions tend to become more visible in the public debate. This paper explores the different positions of European public intellectuals: from French intellectuals, such as Finkielkraut, Houellebecq and Onfray, who tend to show sympathy with right-wing Islamophobic populism, to Jürgen Habermas, Zygmunt Bauman, Slavoj Zizek, among others, who appeal to...

  2. Transição, praxe e resiliência. Estudos na Universidade dos Açores

    Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigou-se a resiliência em estudantes no Ensino Superior, com e sem vivência da praxe, e a relação entre resiliência e integração social. Participaram 163 estudantes do 1.º ano da Universidade dos Açores. Usou-se um questionário referente a dados pessoais, académicos e familiares, a Escala de Resiliência de Wagnild e Young (ER), o Questionário de Vivências da Praxe (QVP) e o Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES). Os inquiridos apresentaram níveis moderados de resiliência, não sendo encontradas diferenças significativas entre os que vivenciaram e os que não vivenciaram a praxe. Constatou-se uma correlação positiva e estatisticamente significativa entre ER...

  3. Transição, praxe e resiliência. Estudos na Universidade dos Açores

    Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigou-se a resiliência em estudantes no Ensino Superior, com e sem vivência da praxe, e a relação entre resiliência e integração social. Participaram 163 estudantes do 1.º ano da Universidade dos Açores. Usou-se um questionário referente a dados pessoais, académicos e familiares, a Escala de Resiliência de Wagnild e Young (ER), o Questionário de Vivências da Praxe (QVP) e o Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES). Os inquiridos apresentaram níveis moderados de resiliência, não sendo encontradas diferenças significativas entre os que vivenciaram e os que não vivenciaram a praxe. Constatou-se uma correlação positiva e estatisticamente significativa entre ER...

  4. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  5. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  6. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  7. Ensino Superior: transições e desafios de entrada e saída. Estudos na Universidade dos Açores

    Sousa, Áurea; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    A entrada para o Ensino Superior, a sua saída e as perspetivas de entrada no mercado de trabalho comportam desafios. Os jovens veem-se confrontados com a necessidade de ingressarem num mundo mais competitivo, onde as competências pessoais e interpessoais se afiguram tão importantes quanto as técnico-científicas. Pretende-se aferir se a frequência do Ensino Superior, por parte dos estudantes de uma universidade Portuguesa, contribuiu para que estes se ajustem a fatores de stress e a desafios do quotidiano. Procura-se, ainda, aferir se o grupo etário, a geração de universitários e a situação face ao emprego são fatores diferenciais para a resiliência.

  8. Novos elementos sobre praxes no Ensino Superior. Estudos na Universidade dos Açores

    Mendes, Maria; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Martins, Maria J.
    Este trabalho procura elementos que contribuam para um melhor entendimento da expressão tendencialmente positiva face à praxe académica, por parte de estudantes caloiros de uma instituição de ensino superior em Portugal. Participaram no estudo 163 estudantes de 1.º ano e de ambos os sexos que responderam ao Questionário de Vivências da Praxe (QVP), de Vieira (2012), e ao Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES), de Diniz, 2017. Os principais resultados indicam existir mais alunos a afirmarem sentir-se integrados, em detrimento de ansiosos (QVP), e que o sentimento de integração relaciona com a Relação com os Amigos (QISES).

  9. Novos elementos sobre praxes no Ensino Superior. Estudos na Universidade dos Açores

    Mendes, Maria; Caldeira, Suzana Nunes; Silva, Osvaldo; Sousa, Áurea; Martins, Maria J.
    Este trabalho procura elementos que contribuam para um melhor entendimento da expressão tendencialmente positiva face à praxe académica, por parte de estudantes caloiros de uma instituição de ensino superior em Portugal. Participaram no estudo 163 estudantes de 1.º ano e de ambos os sexos que responderam ao Questionário de Vivências da Praxe (QVP), de Vieira (2012), e ao Questionário de Integração Social no Ensino Superior (QISES), de Diniz, 2017. Os principais resultados indicam existir mais alunos a afirmarem sentir-se integrados, em detrimento de ansiosos (QVP), e que o sentimento de integração relaciona com a Relação com os Amigos (QISES).

  10. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  11. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  12. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  13. Transição, praxe e variáveis académicas e familiares. Estudos na Universidade dos Açores.

    Silva, Osvaldo; Caldeira, Suzana Nunes; Sousa, Áurea; Mendes, Maria; Martins, Maria J.
    Investigaram-se variáveis académicas e familiares, procurando-se descortinar a sua relação com o posicionamento dos estudantes face às vivências da praxe, a nível da sua integração académica. 163 estudantes do 1.º ano do Ensino Superior responderam a um questionário e à subescala “Integração” do Questionário de Vivências da Praxe (QVP). O “Tempo de estudo” foi a única variável, entre as estudadas, que apresentou uma associação estatisticamente significativa com o “Posicionamento face às vivências da praxe”. O rendimento académico é influenciado por diversas variáveis, entre as quais o “Sexo”, a “Posição da opção de escolha do curso” e o “Tempo de estudo”.

  14. Total and attuned multiple autonomy support and the social development of early adolescents

    Simões, Francisco Alexandre Melo; Calheiros, Maria Manuela de Amorim; Silva, Madalena Moutinho Alarcão; Sousa, Áurea; Silva, Osvaldo
    The effects of Multiple Autonomy Support (MAS), meaning the autonomy support provided by two or more sources, is an overlooked topic in social development literature. The aim of this study is to understand how two types of MAS, Total Multiple Autonomy Support (TMAS) and Multiple Autonomy Support Attunement (MASA), are related to early adolescents’ social development indicators (prosocial behavior, self-regulation, antisocial behavior, alcohol use, and 1-year substance use intention). TMAS pertains to the general amount of autonomy support perceived by a MAS recipient, irrespectively of each provider’s contribution to that score. MASA refers to the interindividual patterns of perceived coordination...

  15. Total and attuned multiple autonomy support and the social development of early adolescents

    Simões, Francisco Alexandre Melo; Calheiros, Maria Manuela de Amorim; Silva, Madalena Moutinho Alarcão; Sousa, Áurea; Silva, Osvaldo
    The effects of Multiple Autonomy Support (MAS), meaning the autonomy support provided by two or more sources, is an overlooked topic in social development literature. The aim of this study is to understand how two types of MAS, Total Multiple Autonomy Support (TMAS) and Multiple Autonomy Support Attunement (MASA), are related to early adolescents’ social development indicators (prosocial behavior, self-regulation, antisocial behavior, alcohol use, and 1-year substance use intention). TMAS pertains to the general amount of autonomy support perceived by a MAS recipient, irrespectively of each provider’s contribution to that score. MASA refers to the interindividual patterns of perceived coordination...

  16. Boaventura Sousa Santos : between academia and social activism

    Medeiros, Pilar Damião
    This paper intends to explore the social and political engagement of a Portuguese public intellectual, Boaventura Sousa Santos. Along with his academic work and social activism, the sociologist assumes the need to invigorate the European civitas throughout the emergence of privileged players that should be forging new synergies, alternative social movements and inspiring new forms of reflection and demands. It will also be brought to discussion how the resurgence of critical intervention and political engagement of civic-minded intellectuals, like Boaventura Sousa Santos in the public arena has been contributing to a greater vitality and re-politicization of the European public sphere.

  17. Boaventura Sousa Santos : between academia and social activism

    Medeiros, Pilar Damião
    This paper intends to explore the social and political engagement of a Portuguese public intellectual, Boaventura Sousa Santos. Along with his academic work and social activism, the sociologist assumes the need to invigorate the European civitas throughout the emergence of privileged players that should be forging new synergies, alternative social movements and inspiring new forms of reflection and demands. It will also be brought to discussion how the resurgence of critical intervention and political engagement of civic-minded intellectuals, like Boaventura Sousa Santos in the public arena has been contributing to a greater vitality and re-politicization of the European public sphere.

  18. Organization as an analytical level for investigation organizational culture

    Serpa, Sandro Nuno Ferreira
    This research seeks to show what the mobilization of the concept of organization refers to at an analytical level of differentiated inquiry which should be clarified in each investigation with an interdisciplinarity between sociology and history. To this end, a brief conceptual discussion that seeks to illustrate our position, exemplified by the organizational culture of institutionalization in a boarding school will be conducted. It is concluded that organizational culture is found in perpetual transformation. This results from a combination of factors both internal and external to the organization with the actor whether individual or collective playing a given role in...

  19. Organization as an analytical level for investigation organizational culture

    Serpa, Sandro Nuno Ferreira
    This research seeks to show what the mobilization of the concept of organization refers to at an analytical level of differentiated inquiry which should be clarified in each investigation with an interdisciplinarity between sociology and history. To this end, a brief conceptual discussion that seeks to illustrate our position, exemplified by the organizational culture of institutionalization in a boarding school will be conducted. It is concluded that organizational culture is found in perpetual transformation. This results from a combination of factors both internal and external to the organization with the actor whether individual or collective playing a given role in...

  20. An overview of the concept of organisational culture

    Serpa, Sandro Nuno Ferreira
    Organisational culture may be considered as the shared way of being, thinking and acting in a collective of coordinated people with reciprocal expectations; it is shaped, disseminated, learned and changed over time, providing some predictability in every organisation. This study seeks to contribute to a clarification of the concept of organisational culture, so often defined in different ways and with distinct guidelines for application. Results allow concluding that this interdisciplinary concept is ultidimensional and its mobilisation involves being aware of scientific implications, either theoretical or methodological, involved in its apprehension and analysis, so as to better control these complexities.

Aviso de cookies: Usamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios, para análisis estadístico y para mostrarle publicidad. Si continua navegando consideramos que acepta su uso en los términos establecidos en la Política de cookies.