Friday, May 22, 2015

 

 



Soy un nuevo usuario

Olvidé mi contraseña

Entrada usuarios

Lógica Matemáticas Astronomía y Astrofísica Física Química Ciencias de la Vida
Ciencias de la Tierra y Espacio Ciencias Agrarias Ciencias Médicas Ciencias Tecnológicas Antropología Demografía
Ciencias Económicas Geografía Historia Ciencias Jurídicas y Derecho Lingüística Pedagogía
Ciencia Política Psicología Artes y Letras Sociología Ética Filosofía
 

rss_1.0 Clasificación por Disciplina

Nomenclatura Unesco > (22) Física

Mostrando recursos 61 - 80 de 71,540

61. Rotinas de vida das crianças e a atividade física. Qual é o contributo do percurso casa escola? - Pereira, Beatriz; Cunha, Joquim Octávio; Souza, Sergio C.; Matos, Ana Paula; Costa, Lourival
A  Organização Mundial de Saúde recomenda a realização de uma hora por dia de atividade física para as crianças (WHO, 2010). Para atingir estas recomendações de forma sustentável é necessário considerar as rotinas de vida e, após uma análise detalhada verificamos que é na deslocação para a escola que a atividade física pode ser aumentada de forma sustentável com efeitos positivos no desenvolvimento integral da criança e no ambiente. A disciplina de Educação Física, o Desporto Escolar, Federado ou de Lazer e o tempo de recreio são fundamentais mas não são suficientes para que a criança atinja os níveis de...

62. A atividade física e desportiva das atletas sub-16 das seleções distritais de futebol - 7 - Afonso, João; Serrano, João; Paulo, Rui
Vivemos numa sociedade em que a atividade física (AF) e desportiva assumem grande relevância no quotidiano das pessoas, relevância essa que corresponde à forma como a sociedade encara valores essenciais da vida do cidadão, como a liberdade, a educação, a igualdade, a saúde e a qualidade de vida (Vasconcelos, 2001).Objetivo: Procurámos saber quais os hábitos de AF e Desportiva fora da escola e no contexto escolar; que tipos e com que frequência praticam AF; qual a opinião e nível de satisfação que têm das aulas de Educação Física, da AF e do Desporto Escolar e sobre a sua prática regular;...

63. Pessoas com deficiência visual: Esporte e lazer como fator de inclusão - Weschenfelder, L.; Dos Santos, A.; Pereira, A.; Pellicioli, A.; Girardi, F.; Bernieri, J.; Chiodelli, R.
O desafio deste Projeto é vivenciar práticas de atividades físicas e de lazer no ambiente da Universidade envolvendo pessoas com deficiência visual da APACE/Passo Fundo no sentido de repensar nossas práticas numa perspectiva de contribuir no processo de inclusão social.Elementos de leitura de realidade/diagnóstico: O esporte e o lazer nas variadas modalidades possibilitam espaços para diferentes idades, interesses e condições. Atuar com portadores de deficiência visual é desafiador em virtude de poucas vivências, informações, materiais, desconhecimento em adaptar atividades e a pouca motivação das pessoas para as práticas, tendo em vista, que muitos ainda permanecem na escuridão da sociedade, seja...

64. Efeitos da atividade física adaptada no perfil psicomotor de uma criança com espetro de autismo - Serrano, João; Petrica, João-Manuel; da Silva Batista, Marco Alexandre; Almeida, Diogo; Mesquita, Helena
Sabendo que a psicomotricidade engloba o movimento do corpo, a relação com o meio e a capacidade psíquica, a interação destes elementos leva a que a atividade física seja sentida e vivida de um modo rico e saudável para a mente e corpo de uma criança. A psicomotricidade pretende usar o corpo como instrumento de ação sobre o mundo e de relação e expressão com os outros (Fonseca, 2001).A criança com perturbação do espetro do autismo (PEA) tem caraterísticas únicas de um ser capaz de uma inteligência diferente de outras crianças, tendo dificuldades na relação com meio, dificuldades em se...

65. A dimensão corporal da educação em portugal: Dos exercícios gimnásticos à expressão físico - Sarmento, José Pedro
A dimensão corporal da educação em portugal: Dos exercícios gimnásticos à expressão físico

66. O modelo de formação em desporto e atividade física da escola superior de educação de castelo branco – o caso do módulo de desportos na natureza - Faustino, Antonio José D.; Silva Fraga, Nuno; Mendes, Pedro
Área Científica de Desporto e Bem-Estar da Escola Superior de Educação de Castelo Branco implementou, desde o início (2007) do Curso de Desporto e Atividade Física um modelo de formação.Objetivo: Esta comunicação visa apresentar uma vertente do modelo de formação no âmbito da unidade curricular de Desporto, módulo de Desportos na Natureza.Pretendemos ilustrar este modelo de formação à luz dos princípios da integração das competências profissionais na formação inicial. Deste modo procuraremos fundamentar e justificar algumas das opções metodológicas no que respeita aos objetivos e tarefas que a unidade curricular propõe.

67. Benefícios da hidroginástica na aptidão física de idosos - Santos, Inês; Morouço, Pedro
A realidade dos nossos dias é a existência de cada vez mais pessoas idosas, tanto em Portugal como em outros países da Europa e Mundo. Daí a necessidade de criar programas de atividade, seja ela física, de lazer ou turismo, perspetivando proporcionar um envelhecimento mais saudável. Assim, emerge a questão sobre o impacto que estes programas têm nesta população. Gostos, motivações, disponibilidades, diferem de grupo para grupo e estudos que atestem os benefícios da atividade física devidamente estruturada, poderão ser relevantes para os profissionais da área. Nomeadamente, no que concerne à escolha das atividades.Atualmente, a hidroginástica é identificada com uma...

68. A motivação autodeterminada para a prática do trail running - Coelho, L.; Amaro, Nuno; Matos, R.; Dias, P.; Morouço, Pedro
O estudo da motivação para a prática desportiva é um aspeto determinante para a sua compreensão. Algumas pessoas apresentam um perfil motivacional que lhes permite ir mantendo esse comportamento desportivo, enquanto outras, à primeira experiência de insucesso, desistem (Steinberg & Maurer, 1999). Os responsáveis pela promoção da atividade física e desportiva acreditam que a motivação intrínseca é o aspeto chave na manutenção de boas performances e envolvimento desportivo (Fernandes et al., 2004). Todavia, a dicotomia intrínseca-extrínseca é muito simplista e redutora para a compreensão da motivação, pela qual uma perspetiva autodeterminada diz que a motivação pode ser caraterizada de formas...

69. Etapas de formação para a especialização do jogador de futsal - Méndez Rayón, José Luis; Trasvassos, Bruno
No Futsal, face à constante competição e cooperação entre os praticantes, materializadas na variabilidade de relações entre jogadores, entre equipas, jogadores-bola e equipas-bola, são geradas um conjunto de interações espácio-temporais onde os fatores decisionais, táticos e estratégicos se apresentam como fundamentais para o desenvolvimento das ações de jogo (Travassos, Araújo, Davids, Esteves & Fernandes, 2012).Face à crescente preocupação com as etapas de formação do jogador de futsal em termos competitivos, do Desporto Escolar (DE) ou mesmo das aulas de Educação Física (EF), e consequentemente com a definição dos conteúdos a abordar, torna-se evidente a pertinência deste estudo.  Objetivo: O presente...

70. Perfil do crescimento somático de crianças e jovens com síndrome de down - Marques, Alexandre; Kruger, Gabriela R.; Marques, Alice J.; de Rosa, Daiana L.
A valiar o crescimento físico de crianças e adolescentes com Síndrome de Down (SD) não tem sido freqüente na literatura. Esses dados podem oferecer subsídios para intervenções nas mais diversas áreas relacionadas à saúde. Observa-se que o controle dessas variáveis é ainda insipiente, e poucos profissionais aproveitam estes dados corretamente.Objetivo: O objetivo desse estudo foi de descrever o perfil do crescimento somático de crianças e jovens com SD.

71. Prodown: Programa de avaliação da aptidão física de crianças e jovens com síndrome de down – normas de avaliação da aptidão física - Marques, Alexandre; Kruger, Gabriela R.; Marques, Alice J.; de Rosa, Daiana L.
O PRODOWN foi desenvolvido para a população de crianças e jovens com Síndrome de Down (SD) entre 10 e 20 anos. O programa está disponível na internet com livre acesso. Objetivo: Os objetivos são de descrever, acompanhar e analisar o comportamento do crescimento corporal, da aptidão física, do estado nutricional e dos hábitos de vida de jovens com SD.

72. “coopedaleando”: Una actividad física en bicicleta para niños y niñas con trastornos del espectro autista - Villalba Urbaneja, Irene María; Bores Calle, Nicolás Julio
Las personas con necesidades educativas especiales, particularmente con Trastornos del Espectro Autista (TEA), se han sentido alejados de las actividades físicas y lúdicas, a pesar de que la legislación vigente exige tenerlos en cuenta (Ley Orgánica 2/2006).El autismo es “una de las alteraciones más graves del desarrollo durante la primera infancia que constituye uno de los problemas más serios desde el punto de vista personal, familiar y social” (Crespo, 2001). Según señala el DSM-IV-TR (2000), los TEA son una serie de Trastornos Neuropsiquiátricos catalogados como Trastornos Generalizados del Desarrollo. Por todo ello, “todos los sujetos que presentan rasgos autistas tienen...

73. Benefícios de um programa de atividade física laboral em funcionárias que desempenham a sua atividade laboral sentadas - Ferreira, André Luiz; Henriques, Ana; Amaro, Nuno; Morouço, Pedro
O avanço da tecnologia, associado ao sedentarismo, tem limitado os movimentos corporais do ser humano, sendo considerado um dos graves problemas societais da atualidade (Hill et al., 2012). Num âmbito laboral, onde a posição sentada é predominante e mantida por longos períodos de tempo, as repercussões ao nível da saúde por problemas posturais são evidentes. De facto, a adoção de uma postura inadequada acresce a pressão nos discos intervertebrais, acarretando o surgimento de problemas físicos (e.g. lesões músculo-esqueléticas, de fadiga e sintomas de desconforto).No sentido de prevenir os problemas anteriormente descritos e de promover aos funcionários um tempo de descontração,...

74. Importancia del autocontrol en las clases de educación física: Una perspectiva desde la teoría de autodeterminación - Pulido González, Juan José; Sánchez Oliva, David; Amado Alonso, Diana; González Ponce, Inmaculada; Chamorro, José L.; Leo Marcos, Francisco Miguel
El contexto de la Educación Física (EF) se considera un escenario ideal para el desarrollo de valores como el esfuerzo, la superación, la cooperación, la tolerancia o el autocontrol (Escartí, Gutiérrez, & Pascual, 2011). Estas consecuencias positivas de un contexto han sido ampliamente estudiada desde la Teoría de la Autodeterminación (SDT: Deci & Ryan, 2000; Ryan & Deci, 2000), la cual demuestra que la motivación es un continuo que oscila desde la motivación intrínseca hasta las desmotivación. Además, la TAD defiende que para presentar conductas involuntarias, existen tres Necesidades Psicológicas Básicas (NPB: Deci & Ryan, 2000) esenciales que han de...

75. Proposta de avaliação para a área de gerontomotricidade - Alves, Nuno; Petrica, João-Manuel; Santos, Jorge
Objetivos: Avaliar a influência da prática de atividade física na melhoria da capacidade física funcional e na composição corporal de uma turma de atividade física da povoação de Sobral Fernando, concelho de Proença-a-Nova

76. Uma análise da literatura sobre a relação educação física/saúde na formação profissional em educação física no brasil - Pinho, Carolina S. B.; Sánchez Gamboa, Silvio
Tratar da relação estabelecida entre Educação Física e Saúde é como tratar da própria história da constituição da Educação Física como campo de conhecimento, marcada pelas relações que estabeleceu com outras ciências, com flutuações, ora sob influência das ciências naturais e da saúde, ora das ciências sociais e humanas (BRACHT, 1992). Neste texto, apresentamos algumas das conclusões de análises realizadas de obras e autores que contribuíram com o debate sobre a relação educação física/saúde no Brasil, tendo realizado críticas, elaborações e/ou proposições em diálogo com propostas de formação profissional na área.Objetivos: O objetivo de nossas análises foi sistematizar as principais...

77. Idosos e exercício físico: A aderência da prática como fator predominante para o wellness - Salvador Alves de Oliveira, Evandro; Batista da Costa, Júlio César; Soares Barbosa, Raphael; Silva Guabiroba, Juliana; Peixoto Silva, Inês
Este trabalho é fruto de uma revisão de literatura que traz algumas questões a serem apresentadas e problematizadas, como a prescrição de exercício, alterações fisiológicas durante o processo de envelhecimento, qualidade de vida e saúde do público idoso. Com o decorrer dos anos é possível notar no corpo humano diversas alterações na estrutura corporal, como o envelhecimento tecidual, a redução da massa muscular, força, flexibilidade, equilíbrio, coordenação motora limitada, entre outros fenômenos. Contudo, com a aderência em alguma prática desportiva é possível reduzir muito as consequências advindas do envelhecimento, atuando como fator preventivo a inúmeras patologias que podem se tornar...

78. Illinois agility test, o 5-0-5 agility test e o pro-agility shuttle test na avaliação da agilidade em alunos do ensino superior - Mendes, Pedro; Paulo, Silveira; Agostinho, Joana; Cruz Lunardi, Cláudia; Galvão, João; Silva, Fernanda
Geralmente, nos atletas, a capacidade de mudar rapidamente de direção é muitas vezes a diferença entre o sucesso e o fracasso. Nas modalidades desportivas, sejam individuais ou coletivas, os movimentos rápidos exigem uma grande capacidade de agilidade, isto é, de reagirem imediatamente, seja para acelerar, desacelerar ou mudar de direção em resposta a situações de jogo.A agilidade é considerada como a habilidade para mudar de direção rapidamente (Ackland, Elliot & Bloomfield, 2009). Recentemente, a agilidade foi definida como a habilidade para manter ou controlar a posição do corpo, enquanto se muda de direção rapidamente, durante uma séria de movimentos (Twist...

79. O perfil comum dos programas de atividade física das academias séniores - Serrano, João; Faustino, Antonio José D.; Rato, Verónica; Petrica, João-Manuel; Paulo, Rui; Mendes, Pedro; da Silva Batista, Marco Alexandre
A atividade física regular apresenta-se como determinante para que o idoso possa viver com mais qualidade. Shephard (2013) diz que para que os idosos tenham benefícios na sua saúde é necessário incluir na sua rotina a prática de atividade física regular e bem orientada, exigindo-se aos professores de atividade física essa responsabilidade. O autor acrescenta que é muito importante que haja um programa de exercícios para os idosos e que este deve ser direcionado para a socialização e com o objetivo de manter a mobilidade e a autonomia.Objetivo: Analisar e comparar os programas de atividade física das várias academias sénior...

80. A influência de um programa de jogos tradicionais nos níveis de aptidão física da mulher idosa - Petrica, João-Manuel; Gomes, Marla
O  envelhecimento é um dos fenómenos que mais se evidencia nas sociedades atuais. Por esta razão e de forma a atenuar todos os sintomas que lhe advém, a atividade física surge como o melhor remédio para a velhice. Tem-se verificado que as limitações do idoso estão menos comprometidas, assim como a sua autonomia e independência funcional. Por esta razão surge a necessidade de se oferecer à população idosa estímulos de natureza física, emocional, social e intelectual. Neste sentido, é de extrema importância proporcionar atividades aliciantes para que o idoso adquira o hábito de as praticar, ou apenas, para que não...

Página de resultados:
 

Busque un recurso