Tuesday, May 31, 2016

 

 



Soy un nuevo usuario

Olvidé mi contraseña

Entrada usuarios

Lógica Matemáticas Astronomía y Astrofísica Física Química Ciencias de la Vida
Ciencias de la Tierra y Espacio Ciencias Agrarias Ciencias Médicas Ciencias Tecnológicas Antropología Demografía
Ciencias Económicas Geografía Historia Ciencias Jurídicas y Derecho Lingüística Pedagogía
Ciencia Política Psicología Artes y Letras Sociología Ética Filosofía
 

rss_1.0 Clasificación por Disciplina

Nomenclatura Unesco > (55) Historia

Mostrando recursos 161 - 180 de 172,113

161. Usos e abusos da Antigüidade Clássica: sobre a apropriação do cinismo grego na descrição contemporânea de distúrbios psíquicos - Olimar Flores Júnior
Examinando particularmente a “síndrome de Diógenes” e a idéia de “gozo cínico” aplicado na tipificação do toxicômano das sociedades pós-modernas, este artigo retoma de maneira breve e sucinta o problema da leitura e das apropriações da antigüidade clássica na caracterização de fenômenos culturais contemporâneos (ou pelo menos descritos na contemporaneidade). Sem qualquer intenção crítica diante dos fenômenos descritos, já que a perspectiva adotada é a da história da filosofia e não a do domínio específico da psiquiatria e da psicanálise, busca-se apenas demonstrar, através de uma remissão sistemática ao texto das fontes antigas – neste caso, ao corpus cínico –,...

162. Escrita, doutrina e esquecimento: Kafka e Benjami - Romero Freitas
Qual o significado da escrita no motivo benjaminiano da história como salvação do passado? No ensaio sobre Kafka (1934), o problema do caráter estético da escrita da história alia-se à questão do valor de verdade (“doutrina”) da literatura de ficção. Entre ambos, esboça-se uma dialética entre memória e esquecimento, na qual a escrita faz da narrativa uma espécie de memória que, agindo contra si mesma, atinge o “mar do feliz esquecimento”.

163. A leitura de uma ficção: A história sem fim - Celso Rennó Lima
O autor ensaia um estudo na fronteira entre literatura e psicanálise. Para alcançar este seu objetivo trabalha o texto de Michael Ende: “Uma história sem fim”, para demonstrar como a imagem do eu é construída a partir de traços especulares e da fantasia. Ao mesmo tempo é possível clarear as funções dos traços simbólicos como a única forma de abandonar o mundo encantado das imagens. Em outras palavras, este texto é um passeio através da loucura do poder ilimitado do imaginário (eu ideal) em direção ao traço limite da identificação no simbólico (ideal do eu) que é capaz de organizar...

164. Muita história com poucas letras: um olhar literário ao presépio do Pipiripau - Mariângela Andrade Paraizo
Este trabalho propõe uma leitura do Presépio do Pipiripau, tomando como ponto de partida as obras literárias publicadas sobre ele, bem como outras leituras feitas através de fotografias, pinturas ou cinema. Utilizando-se das teorias de Italo Calvino e Ricardo Piglia, defende a idéia de que se podem ler as várias histórias entrelaçadas no Pipiripau à luz da teoria literária e dos estudos sobre a intermidialidade.

165. Filosofia em quadrinhos: uma análise intermidiática de Salut Deleuze! - Leonora Soledad Souza Paula
Neste trabalho pretendo discutir o diálogo entre discurso filosófico e narrativa gráfica na obra Salut Deleuze! Resultado de um processo de apropriação da obra Diferença e Repetição (1968) do filósofo Gilles Deleuze, Salut Deleuze! desenvolve-se através de uma experiência de transposição do tema filosófico para a linguagem das histórias em quadrinhos. A repetição deliberada da mesma cena por cinco vezes indica a estrutura narrativa através da qual o enredo é construído e sugere uma criativa reescrita do texto deleuziano ao demonstrar que a repetição é, por natureza, algo sempre novo. Em seguida, proponho observar o processo de intertextualidade com outras obras e discutir...

166. Histórias de rua ou sexo & violência: o realismo suburbano de Fernando Bonassi - Maurício Silva
Este artigo procura analisar as principais características da produção literária de Fernando Bonassi, um dos autores contemporâneos que, com mais persistência, procurou promover uma série de deslocamentos estruturais em sua ficção. Destacando aspectos formais e temáticos de sua obra, o presente texto insere o autor no diversificado plano estético do realismo suburbano.

167. Uma pequena história do espaço (e do tempo): o conceito de espaço em Kant, Lessing, Foucault e Benjamin - Georg Otte
O presente trabalho visa mostrar que tempo e espaço não são apenas “formas de intuição” (Kant), fundamentais na percepção dos objetos, mas que as duas categorias possuem um valor diferenciado nas “epistémes” (Foucault) de cada época. Nossa hipótese é que a temporalização do pensamento, que marca a passagem da “Idade Clássica” para a Modernidade, encontra em Walter Benjamin um dos seus mais expressivos adversários mediante a valorização do espaço.

168. Identidade, nação e território na escrita dos intelectuais Mapuches - Claudia Zapata Silva
Este artigo tem por objetivo dar conta de um novo sujeito indígena, surgido na segunda metade do século XX: o intelectual indígena contemporâneo, formado em instituições de educação superior e que constrói discursos e representações a partir de uma disciplina do conhecimento (História, Sociologia, Literatura, Antropologia, entre outras). Abordarse- á o caso particular dos intelectuais mapuches na década de noventa, a partir de uma perspectiva de análise que os considera como autores e como atores de contornos próprios no interior do que, na atualidade, se conhece como Movimento Mapuche.

169. História da Cadeira de Língua e Literatura alemãs na Faculdade de Letras - Tarcísia Ribeiro
.

170. História, utopia e contranarrativa da nação em Angels in America - Isabella Santos Mundim
Este artigo visa analisar Angels in America, a Gay Fantasia on National Themes, do dramaturgo norte-americano Tony Kushner. Kushner, neste que é seu trabalho de maior impacto, retoma eventos e figuras da história recente de seu país, com foco na crise que a epidemia de AIDS desencadeia, o descaso do governo Reagan em relação às minorias que a epidemia vitima e a consequente devastação que acomete a comunidade gay da época. Nessa perspectiva, o trabalho de Kushner supera o mero registro e aponta para acontecimentos e pessoas ausentes do relato dominante. Para além da versão oficial, emerge aí uma contranarrativa...

171. "El carácter tétrico de la historia": "Meditações" sobre a Guerra Civil Espanhola na obra de Juan Benet - Gunnar Nilsson
O autor do ensaio analisa o papel exercido pela Guerra Civil Espanhola nos romances e contos de Juan Benet. Considerase a guerra um dos temas mais importantes na obra literária de Benet. Partindo de um comentário da estética antirrealista do escritor, o autor mostra os procedimentos irônicos que desconstroem a própria representação mimética dos textos. O objetivo – segundo o autor do artigo – é a criação de um discurso alternativo, no qual os enigmas da guerra não são solucionados senão evocados e conservados em sua condição original e tétrica.

172. A trajetória de um gaúcho na Guerra Civil Espanhola: Saga, de Erico Veríssimo - Elcio Loureiro Cornelsen
Nossa contribuição visa a refletir sobre o processo de ficcionalização da Guerra Civil Espanhola no romance Saga, de Erico Veríssimo, publicado em 1940. Neste caso, a relação entre Literatura e História desempenha um papel fundamental, pois o escritor tomou por base o diário de um ex-brigadista brasileiro para escrever seu romance sobre a guerra fratricida que assolou a Península Ibérica entre os anos de 1936 e 1939. Saga também documenta o engajamento político de Erico Veríssimo, numa postura contrária ao regime autoritário vigente no Brasil, na época de sua publicação: o Estado Novo.

173. Que mi nombre no se borre de la historia . La transposición intertextual de la novela histórica la posguerra española al Cine: el caso de las trece rosas - Ana María Iglesias Botrán
La Guerra Civil Española supuso uno de los acontecimientos más tristes y sangrientos de la historia de España. Después, durante los años de posguerra, los perdedores sufrieron una cruel represión por parte de los fascistas. La visión de los hechos que permite la distancia en el tiempo da lugar a un tipo de literatura basada en la utilización de estos episodios traumáticos como escenarios o bases argumentativas. Los acontecimientos de la historia desde la visión del perdedor se reflejan en la novela y en el cine como una forma de evocar lo olvidado y que constituye la base de los...

174. Ernest Hemingway e a Guerra Civil Espanhola - Tom Burns
Este artigo discute o romance For Whom the Bell Tolls, 1940 [Por quem os sinos dobram], do escritor e jornalista americano Ernest Hemingway, uma ficção sobre a Guerra Civil Espanhola que o autor escreveu na Espanha enquanto servia como correspondente de guerra. O romance, favorável à causa legalista, parece assumir uma posição mais política que os romances e histórias anteriores de Hemingway, mas, na verdade, desenvolve mais uma variação do típico “herói de Hemingway”, celebrado em quase toda a obra do autor: o indivíduo solitário, corajoso, destinado ao fracasso, mas determinado a extrair algum significado da vida em um mundo...

175. Monsieur Pain, de Roberto Bolaño: a dor da história - Graciela Ravetti
Este artigo propõe uma leitura do romance Monsieur Pain, de Roberto Bolaño, como caso exemplar do transgênero performático que, na contemporaneidade, experimenta formas e linguagens para dar conta das tragédias pessoais e históricas sem cair no didatismo. Para isso busca-se elaborar uma reflexão teórica sobre esta obra da perspectiva da experimentação acerca da representação pela linguagem da dor e das perdas pessoais e culturais, individuais e coletivas, enfim, políticas.

176. Modo de escrita da história na antiguidade: a perspectiva luciânica - Pedro Ipiranga Júnior
Este artigo se propõe estudar as relações entre escrita da história, ficção e retórica na obra de Luciano de Samósata, Como se deve escrever a história.

177. Pré-história de um conceito: o mito de Europa - Leonardo Francisco Soares
Este texto busca rastrear a origem da noção geográfica de Europa a partir de um olhar sobre o mito dentro da literatura antiga. Tal percurso salienta o caráter inventado, poroso e adaptável dessa noção “cartográfica”: o que se chama de Europa é menos um dado da natureza do que uma produção intelectual do homem, uma geografia imaginativa. Uma imagem acompanha este estudo, a de um touro branco que carrega em seu dorso, cercado pelas águas do oceano, agarrada aos seus cornos em forma de crescente, uma princesa chamada Europa.

178. Traduzir o intraduzível: o impacto dos textos sagrados orientais no ocidente - Felipe Santos
As obras do remoto Oriente foram trazidas para a Europa ao longo dos séculos XVIII e XIX para serem estudadas inicialmente com intenção polêmica, visando fortalecer as crenças coloniais na superioridade ocidental. Porém o seu estudo tomou caminhos imprevisíveis, colocando em causa a identidade religiosa e cultural da Europa dominante e as crenças religiosas dos conquistadores. No final a cultura do vencido acabou conquistando a do arrogante vencedor, segundo o paradigma horaciano (Hor., Epistulae 2.1.156-7). Um novo mundo “antigo” surge ante os olhos estupefatos dos homens de pensamento, um mundo cuja pervivência poderia e deveria ser estudada in situ. Deu-se...

179. História do futuro e a profecia do passado: o pensamento profético de Padre Antônio Vieira face aos autores antigos e modernos - Marcus Martini
Espalhado em vários de seus sermões e obras, o pensamento profético do padre Antônio Vieira tem sido cada vez mais alvo de estudos. Intimamente relacionado a determinado período da história portuguesa – a perda da autonomia para a Espanha e a sua posterior Restauração – o pensamento profético vieirino foi forjado a partir de uma vasta fonte de referências, tanto canônicas, quanto não canônicas. A partir disso, o objetivo do presente trabalho é analisar a interpretação de Vieira das profecias veterotestamentárias, como também dos oráculos sibilinos, procurando destacar seu procedimento exegético. Para isso, busca-se relacionar a leitura de Vieira da Quarta Écloga...

180. A rosa e a mensagem: o imaginário grego na poesia de Fernando Pessoa - Sonila Morelo
A partir de uma leitura comparativa entre a composição de Fernando Pessoa, especialmente de Mensagem, e a poesia grega Arcaica em que encontramos imagens de Afrodite – versos de Hesíodo e Safo sobre o nascimento e as qualidades da deusa –, este artigo tem como objeto de análise a Rosa. Através do diálogo entre história e literatura, a discussão proposta perpassa as semelhanças encontradas entre a Rosa de Mensagem e a deusa Afrodite de Hesíodo e Safo.

 

Busque un recurso