Sunday, February 7, 2016

 

 



Soy un nuevo usuario

Olvidé mi contraseña

Entrada usuarios

Lógica Matemáticas Astronomía y Astrofísica Física Química Ciencias de la Vida
Ciencias de la Tierra y Espacio Ciencias Agrarias Ciencias Médicas Ciencias Tecnológicas Antropología Demografía
Ciencias Económicas Geografía Historia Ciencias Jurídicas y Derecho Lingüística Pedagogía
Ciencia Política Psicología Artes y Letras Sociología Ética Filosofía
 

rss_1.0 Clasificación por Disciplina

Nomenclatura Unesco > (59) Ciencia Política

Mostrando recursos 101 - 120 de 5,138

101. Divorcios, contubernios y separaciones. Perfil ideológico de las constituciones de Colombia, 1863 -1936 - Bustamante Fontecha, Luis Alejandro
Resumen: la palabra “Constitución” no es un término nuevo; ya en la antigüedad se usaba corrientemente. En la Edad Media se empleaba también en la terminología eclesiástica para designar con ella las reglas monacales. Después vuelve a aparecer en el siglo XVIII en la terminología política bajo la influencia de los filósofos. Estos designaban como “Constitución” al conjunto de leyes que organizaban un país. Se le empleará en un sentido nuevo al de antaño. Para ellos, esa idea de Constitución recubre, ante todo, la de organización en el sentido de estructuración racional y coherente de instituciones políticas. La idea de...

102. Estado e burguesia no capitalismo neoliberal - Armando Boito Jr.
O artigo é fruto de pesquisa ainda em curso e procura fazer um tipo de análise que foi, em grande medida, deixado de lado no Brasil. Reatando com uma rica tradição da Sociologia e da Ciência Política brasileiras, que se formou nos anos 1960 e 1970, o autor tenta examinar os interesses das frações da burguesia brasileira que chegam a agir como frações distintas no processo político nacional, bem como as relações desses interesses com a política de Estado. São examinados também os conflitos entre essas frações burguesas e as relações que, enquanto frações burguesas de um país dependente, elas...

103. Minimalismo schumpeteriano, teoria econômica da democracia e escolha racional - Ricardo Borges Gama Neto
A democracia é um dos temas mais discutidos na Ciência Política. Existe uma unanimidade em torno da legitimidade do regime democrático vis-à-vis seus opositores. Contudo, se a defesa da democracia é consensual, não há a mesma concordância sobre o que ela significa. O debate sobre o tema ressurge como conseqüência da crise da representação política nos países de democracia consolidada, da falência dosregimes autoritários nos países do Leste Europeu, Ásia e América Latina e das incertezas quanto à consolidação dos regimes democráticos. O artigo analisa alguns pontos de inflexão existentes na teoria democrática, mormente as questões envolvendo a relação entre...

104. Mortes por agressão em Pernambuco e no Brasil: um óbice para a consolidação da democracia - José Maria Nóbrega Jr.; Jorge Zaverucha; Enivaldo Rocha
No Brasil as taxas de homicídios alcançaram índices alarmantes. A maioria das análises em Ciência Política negligencia a relação entre violência e qualidade da democracia. O Index of Democracy do The Economist Unit (2008) avaliou o Brasil como sendo um país de elevada pontuação no indicador de liberdades civis. Levou em consideração aspectos dos direitos civis que ignoram os homicídios. Isso fez com que a conceituada revista inglesa chegasse à equivocada conclusão que o Brasil teria níveis de direitos civis acima de países como os Estados Unidos e o Reino Unido. O cerne deste trabalho está em analisar a qualidade...

105. A contraposição das noções de técnica e política nos discursos de uma elite burocrática - Elisa Klüger
ResumoO artigo faz uma análise comparativa da forma e do sentido da utilização e contraposição dos termos “técnica” e “política” nos discursos de dirigentes e funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDE(S), em dois momentos: de 1952 ao início dos anos 1970 e de 1994 a 2011. A comparação foi feita através do exame de um conjunto de entrevistas realizadas nos anos 1980, com funcionários e dirigentes do primeiro período, e um segundo conjunto de entrevistas, feitas entre 2012 e 2014, com diretores do segundo período. A análise dos dados permite ver que há uma transição do...

106. Rumos da democratização brasileira: a consolidação de um modelo majoritário de democracia? - Luzia Helena Herrmann de Oliveira
O objetivo do artigo é analisar as questões teóricas da consolidação democrática no Brasil, tendo em vista que o tema é controverso dentro da ciência política. A tese desenvolvida é que o modelo poliárquico de Dahl, costumeiramente apresentado como o referencial das democracias estáveis, não se adapta à análise dos processos de democratização em países como o Brasil, de passado autoritário. Propõe-se, assim, um estudo comparativo com os países do sul da Europa, hoje considerados democracias consolidadas, observando-se em que medida a relação entre partidos e governos no Brasil tende à consolidação de um modelo "majoritário" de democracia.

107. A noção de antagonismo na ciência política contemporânea: uma análise a partir da perspectiva da teoria do discurso - Daniel de Mendonça
O artigo tem por objetivo problematizar o emprego da noção filosófica de antagonismo no contexto da Ciência Política. O âmbito teórico-epistemológico é o da Teoria do Discurso, desenvolvida, sobretudo, por Ernesto Laclau e Chantal Mouffe, a partir da já clássica obra Hegemony and Socialist Strategy - Towards a Radical Democratic Politics, publicada em 1985. A noção de antagonismo tem sido empregada por vezes de maneira genérica e imprecisa por esses autores, caso se considere, rigorosamente, seu sentido filosófico. Afirma-se que não somente o antagonismo é responsável pela impossibilidade do fechamento completo dos sentidos de um discurso, mas que o próprio...

108. Aonde vai a teoria política? - Terence Ball
Neste texto o autor propõe uma reavaliação da Teoria Política, a partir da constatação de sua "morte" e, ao mesmo tempo, da revalorização da disciplina a partir de meados dos anos 1970. A resposta do autor consiste em estabelecer uma distinção entre teorizações de primeira e segunda ordens, isto é, entre reflexões sobre as condições gerais de vida política em comum e o estudo dessas reflexões. Em seguida, o autor indica como os fatores que desvalorizaram a teorização normativa em décadas anteriores - em particular a Ciência Política comportamentalista - declinaram, ao mesmo tempo em que novas questões relativas à...

109. Croce, Gramsci e a "autonomia da política" - Álvaro Bianchi
Na reflexão que Gramsci desenvolveu nos Quaderni del carcere, o tema da autonomia da política ocupa uma importante posição. Foi com base nessa reflexão que Gramsci desenvolveu sua pesquisa a respeito de política e da possibilidade de uma ciência política. Segundo Benedetto Croce, cabia a Nicolau Maquiavel o mérito de ter afirmado pela primeira vez a autonomia da política. Para Croce, essa autonomia permitia estabelecer uma distinção radical entre ética e política e entre "filosofia da política" e "ciência empírica da política". Gramsci tomou criticamente a reflexão croceana como ponto de partida de sua leitura de Maquiavel. O reconhecimento da...

110. Neo-institucionalismo: fatores organizacionais na vida política - James G March; Johan P Olsen
As teorias políticas contemporâneas tendem a retratar a política como um reflexo da sociedade; os fenômenos políticos como as conseqüências agregadas do comportamento individual; a ação como o resultado de escolhas baseadas no interesse pessoal calculado; a história como sendo eficiente no alcance de desfechos singulares e adequados e a tomada de decisões e a alocação de recursos como os focos centrais da vida política. Entretanto, um pensamento teórico recente na Ciência Política combina elementos desses estilos teóricos com uma preocupação mais antiga a respeito das instituições. Esse neo-institucionalismo enfatiza a autonomia relativa das instituições políticas, as possibilidades de ineficiência...

111. Poder de decreto e accountability horizontal: dinâmica institucional dos três poderes e medidas provisórias no Brasil pós-1988 - Luciano Da Ros
O presente artigo pretende articular os estudos sobre as relações entre os poderes Executivo e Legislativo com a bibliografia referente à chamada judicialização da política, de modo a melhor compreender como processam-se os controles horizontais (horizontal accountability) no que diz respeito ao poder de decreto do Presidente brasileiro, no contexto recente de democracia. Para tanto, realiza-se breve apanhado da bibliografia recente, em Ciência Política brasileira, sobre o papel das medidas provisórias, cotejando-se com análises tanto quantitativas como qualitativas dos fenômenos observados. Conclui-se pela concordância com a tese de acordo com a qual as medidas provisórias facilitam o controle da agenda...

112. O contratualismo como método: política, direito e neocontratualismo - J. R. N. Chiappin; Carolina Leister
O objetivo deste artigo é apresentar o contratualismo como método e como o resultado de uma sistematização de outros métodos de construção do conhecimento. Enquanto o contratualismo clássico tem como paradigmas os modelos, geométrico e mecânico, da Física de Galileu e de Descartes - em particular, o modelo de escolha racional com Descartes -, o contratualismo rawlsiano tem como paradigma alguns modelos da microeconomia - em particular, o modelo de equilíbrio geral. O método contratualista tem como projeto a transformação, no século XVII, da política e do Direito em uma disciplina científica, assumindo que, no século XVII: (i) o modelo...

113. Posições e divisões na Ciência Política brasileira contemporânea: explicando sua produção acadêmica - Fernando Baptista Leite
O artigo é um estudo preliminar, exploratório, da história da Ciência Política brasileira. Buscamos fornecer subsídios para identificar as razões históricas por trás dos dois princípios de divisão da produção acadêmica da Ciência Política contemporânea: o contínuo teórico-empírico e o contínuo politicismo-societalismo. Em primeiro lugar, apresentamos o esquema teórico utilizado para interpretar a história da Ciência Política brasileira. Aproveitamos tal apresentação para discutir algumas questões teóricas importantes, especialmente de ordem conceitual. Em segundo lugar, apresentamos a hipótese de pesquisa, construída à luz daquele esquema, a fim de fornecer uma direção para a elaboração da explicação histórica. Enfim, com essa hipótese...

114. Direito, estado e poder: poulantzas e o seu confronto com Kelsen - Luiz Eduardo Motta
A Teoria do Estado, no campo da Ciência Política, viveu momentos de crise, em particular na passagem dos anos 1980 para os 1990, quando algumas correntes intelectuais apontavam que o Estado-nação e as instituições estatais deixariam de ocupar um papel central como objetos de análise. O presente artigo vai de encontro a essa posição e visa a estabelecer uma análise comparativa de dois dos mais sistemáticos autores que trataram do conceito de Estado moderno e da relação deste com o Direito moderno: Hans Kelsen e Nicos Poulantzas. O ponto de partida é a analogia estabelecida entre ambos por David Easton,...

115. O uso de estudos de caso em pesquisas sobre política ambiental: vantagens e limitações - Andrea Steiner
A análise das questões ambientais em um contexto político é um tema de estudo crescente na Ciência Política, mas que requer considerações metodológicas específicas. Um dos métodos utilizados com mais freqüência nas pesquisas ligadas à política ambiental é o estudo de caso. O objetivo deste artigo é discutir o papel dessa metodologia nessa subdisciplina. Delineia-se questões conceituais gerais sobre o método, suas vantagens e desvantagens; distingue-se o estudo da política ambiental de outros temas de pesquisa dentro da Ciência Política, contextualizando suas necessidades metodológicas específicas; e analisa-se o papel dos estudos de caso nas pesquisas sobre política ambiental, abordando suas...

116. A crítica de Charles Taylor ao naturalismo na Ciência Política - Tiago Losso
Os mais recentes esforços de revitalização do enfoque interpretativo na Ciência Política têm sua gênese na década de 1960, quando vários autores passaram a advogar a centralidade do estudo dos significados lingüístico e hermenêutico dos fenômenos políticos. Dentre tais autores, destaca-se o filósofo e politólogo Charles Taylor, cujos textos dos anos 1960 e 1970 desferem críticas contundentes ao naturalismo subjacente ao mainstream da Ciência Política da época. Meu objetivo é explorar a crítica de Taylor ao naturalismo, pensadas no contexto de uma proposta de abordagem interpretativa para a Ciência Política. Primeiramente, contextualizarei as contribuições de Taylor no âmbito mais amplo...

117. Derrotas eleitorais e carreiras políticas: o caso do PT no Rio Grande do Sul - Frédéric Louault
O objetivo do artigo é mostrar a importância das derrotas na competição eleitoral, revertendo assim o enfoque clássico da análise eleitoral. Muitas vezes esquecido (ou deixado de lado) nos trabalhos de Ciência Politica, o tema da derrota eleitoral levanta problemáticas cruciais para compreender o jogo politico democrático. Estudando as experiências eleitorais do Partido dos Trabalhadores (PT) no Rio Grande do Sul entre 1982 e 2008, apresentamos alguns desafios das derrotas eleitorais no que diz respeito a construção das carreiras de candidatos e colaboradores: reações às derrotas e aceitação das regras do jogo; mobilização de recursos e mobilidades no campo político;...

118. Religando as arenas institucionais: uma proposta de abordagens multidimensionais nos estudos legislativos - Paulo Peres; Ernani Carvalho
A área de estudos legislativos foi uma das linhas de pesquisa que mais se desenvolveram no Brasil nos últimos anos. Ela formou-se em torno da oposição entre as explicações "distributivistas" e as explicações "partidárias" do processo legislativo. Seus achados empíricos e seu debate teórico certamente trouxeram grandes contribuições à Ciência Política do país e, até mesmo, ao debate de política comparada. Não obstante, essa linha de investigação incorreu no problema de adotar abordagens monodimensionais do fenômeno. A explicação partidária promoveu certo "insulamento" do poder Legislativo em relação às outras arenas institucionais, analisando-o em função de sua autodeterminação. A abordagem distributivista...

119. Por uma sociologia histórica da circulação e da recepção de textos: Robert Michels e Sociologia dos partidos políticos nos Estados Unidos - Mario Grynszpan
O objetivo deste artigo é, partindo das ponderações de Pierre Bourdieu acerca da importância do estudo das condições sociais da circulação internacional de ideias, fazer uma sociologia histórica da circulação e da recepção do livro Sociologia dos partidos políticos, de Robert Michels. Toma-se como foco a passagem de Michels e de seu livro pelos Estados Unidos, procurando mostrar como consolidou-se a partir daí uma forma de leitura do texto e uma representação do autor que é hoje predominante e que está na base da sua celebração e da sua consagração como um clássico da Ciência Política. Para tanto, faz-se uma...

120. Oligarquia e processos de oligarquização: o aporte de Michels à análise política contemporânea - Cláudio Gonçalves Couto
O termo "oligarquia" perdeu boa parte de sua utilidade analítica na Ciência Política em virtude de seu uso pouco rigoroso, tornando-se mais um adjetivo de aplicação subjetivamente orientada do que um conceito instrumentalizável para a pesquisa empírica e a reflexão teórica. Este artigo visa a retomar a contribuição fundamental de Robert Michels com vistas a obter maior clareza terminológica e serventia para a pesquisa empírica. A partir do conceito micheliano é possível elaborar um modelo institucional de análise que permita identificar e explicar processos de oligarquização de organizações sociais e políticas específicas, compreendendo sua lógica institucional de modo a entender...

Página de resultados:
 

Busque un recurso