Monday, May 30, 2016

 

 



Soy un nuevo usuario

Olvidé mi contraseña

Entrada usuarios

Lógica Matemáticas Astronomía y Astrofísica Física Química Ciencias de la Vida
Ciencias de la Tierra y Espacio Ciencias Agrarias Ciencias Médicas Ciencias Tecnológicas Antropología Demografía
Ciencias Económicas Geografía Historia Ciencias Jurídicas y Derecho Lingüística Pedagogía
Ciencia Política Psicología Artes y Letras Sociología Ética Filosofía
 

rss_1.0 Clasificación por Disciplina

Nomenclatura Unesco > (71) Ética

Mostrando recursos 141 - 160 de 23,814

141. A percepção corporal no paradigma da mente encarnada - Marília Etienne Arreguy
Discuto algumas concepções teóricas a respeito da percepção eu-objeto a partir de influências filosóficas, da ciência cognitiva e da psicanálise, visando demonstrar como a oscilação entre a experiência adualista e dualista da relação eu-mundo pode estar associada a diferentes formas de significar a relação com o entorno. Essa experiência cognitiva e afetiva é baseada num know how que define a ética da ação no mundo. Como conciliar a percepção de si e do outro enquanto objetos simultaneamente distintos e contíguos? Que repercussões as diferentes formas de perceber-se no mundo podem trazer para a preservação da vida e do laço social?

142. Permanecendo no próprio ser: a potência de corpos e afetos em Espinosa - Carlos Augusto Peixoto Junior
Este artigo tem como objetivo principal percorrer algumas passagens da Ética de Espinosa, buscando delimitar o lugar e a importância da noção de corpo em seu pensamento. No decorrer deste percurso, também são abordadas outras questões fundamentais correlacionadas ao tema central, tais como os conceitos de substância e potência, assim como as relações entre corpo e mente. Por último, procura-se delimitar a especificidade do corpo humano, articulando-a com o lugar decisivo ocupado pelos afetos na teoria espinosana. Com isso busca-se destacar também a importância fundamental das noções de vida e imanência em sua teoria.

143. Ética profesional y profesores de posgrado en México - Ana Hirsch Adler
Se presentan los resultados obtenidos con una muestra de 704 profesores de los cuarenta posgrados de la Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), con la pregunta abierta ¿Considera usted que debería existir una materia de ética profesional para todo el alumnado? - ¿Con qué contenidos?. Las múltiples respuestas se organizaron con base en dos clasificaciones: tres grupos: "Respuestas no directamente ligadas con la ética profesional", "Valores vinculantes entre la ética general y la ética profesional" y "Respuestas directamente ligadas con la ética profesional" y las cuatro grandes áreas de conocimiento en que la UNAM clasifica sus posgrados: Ciencias Físico Matemáticas...

144. Autoria e esquiva: pensamento, ética e subjetivação em Michel Foucault - Eduardo Leal Cunha
Este artigo se fundamenta nos argumentos de Richard Bernstein em defesa da postura crítica de Foucault, contextualizados a partir do debate com Habermas, para quem a teoria foucaultiana do poder se ressentiria da explicitação de seus fundamentos normativos. Procuramos indicar, baseados na conferência sobre a função do autor, de 1969, o modo como tal postura se materializa precisamente na recusa em assumir uma posição de enunciação vinculada à proclamação tanto da Verdade quanto do Bem. Tal recusa, aqui denominada esquiva, faz com que a crítica seja permanente e se constitua como entrelaçamento entre trabalho filosófico, problematização ética e formas de...

145. O exercício ético na constituição do sujeito político como cidadão - Lidiane Leite; Elizabeth Maria Andrade Aragão
Este artigo discute a construção do sujeito ético-político a partir das experiências relacionais engendradas nos espaços de um fórum popular em Vitória -ES. Recorre, principalmente, ao pensamento de Michel Foucault acerca do poder e da ética, de modo a problematizar a idéia de sujeito político atrelada, basicamente, à idéia de sujeito de direito. Propõe pensar a experiência política situada na trama articulada entre o poder e a resistência, tomada nos termos éticos do cuidado de si

146. Juventudes e violências: implicações éticas e políticas - Ana Lúcia Canetti; Kátia Maheirie
O artigo realiza uma revisão bibliográfica e uma análise crítica sobre a relação historicamente construída entre juventudes e violências. O texto também convida a uma reflexão, realizada a partir do referencial teórico materialista histórico e dialético na Psicologia, sobre questões éticas e políticas implicadas na relação de jovens autores de atos infracionais com as violências vividas e praticadas por eles. Destacamos o caráter contraditório destes atos infracionais, que parecem buscar uma visibilidade e inscrição (inclusão) na cidade, porém instauram, por meio desta busca, novamente o estigma (exclusão) de "desviante", os colocando ainda mais perto de seu próprio desaparecimento e extermínio

147. Relações estéticas e uma ética para um mundo vivo - Janaina Rocha Furtado
Este artigo trata das relações estéticas e sua relevância para criar novas formas de produção de conhecimentos, as quais sejam capazes de preservar a vida. Entende-se que a partir de relações mais sensíveis com tudo o que vive é possível construir outra ética de existência, bem como outras práticas em ciência e em psicologia. A partir de vários autores discute-se sobre as estéticas cotidianas e as possibilidades de ampliar as percepções sobre o mundo. A crítica às práticas científicas modernas faz-se pertinente, neste contexto, enquanto viabiliza a discussão dos moldes de pensamento que perpetuam e fundamentam um projeto de sociedade...

148. A subjetividade fora da mente - Alexandre Simões; Gesianni Amaral Gonçalves; Batistina Maria de Sousa Corgozinho; Ana Mônica Henrique Lopes
O artigo contextualiza uma tradição que se apresenta de maneira recorrente nas práticas clínicas da psicologia e da saúde mental: o Mentalismo. O Mentalismo pressupõe uma concepção interiorizada do sujeito em prol de modelos instrumentais de clínica. A partir da crítica ao Mentalismo, os autores examinam outras possibilidades de se lidar não mais com o sujeito essencializado, porém, com os complexos processos de subjetivação. Esta é uma perspectiva clínica que recorrendo a Deleuze, Guattari e à Filosofia da Diferença oferece estratégias mais condizentes com a complexidade do mundo contemporâneo, introduzindo debates éticos, políticos e estéticos na dimensão psíquica.

149. Modos de ensinar e conhecer Historia da Psicologia - Rosângela Luz Matos
Este artigo parte do relato de uma experiência profissional na docência para problematizar o ensino de História da Psicologia na formação de psicólogos. O percurso argumentativo descreve as circunstâncias e os questionamentos que contribuíram para o desenvolvimento de metodologias fundadas na perspectiva genealógica de ensinar e conhecer psicologia. A análise da experiência enfatiza a potência ético-política presente nas atividades de ensino de História da Psicologia, no conjunto das práticas disciplinares dos currículos de graduação para formação de psicólogos.

150. Humanização do cuidado em saúde: de tecnicismos a uma ética do cuidado - Maria Elizabeth Barros de Barros; Rafael da Silveira Gomes
O cuidado em saúde tem sido um tema bastante debatido. Muitas são as noções e concepções propostas. A produção sobre o tema é numerosa e a demanda por um "cuidado humanizado" é recorrente. O texto propõe analisar o "cuidado humanizado em saúde" a partir da problematização das noções de humano, saúde e cuidado, bem como das práticas de saúde. Propõe uma noção de cuidado que emerge no encontro entre os diferentes atores que habitam os serviços de saúde, numa relação em que o outro é percebido como legítimo, fundando uma clínica transdisciplinar, que produz desvios, sujeitos e modos de vida.

151. O neutro em psicanálise: da técnica à ética - Carolina Rodrigues Alves de Souza; Daniel Menezes Coelho
O presente artigo retoma a noção de neutralidade proveniente da técnica clínica psicanalítica, confrontando-a com noções próximas, tais como a neutralidade científica e o neutro na semiologia de Barthes. Procuramos demonstrar como tal noção descreve bem a postura analítica, exigida tanto do paciente (associação livre) quanto do analista (atenção flutuante), e como ela nasce na prática clínica freudiana, respondendo a problemas decorrentes dela. Assim, abordaremos os temas da hipnose e da sugestão, como também aqueles ligados à contra-transferência. Defenderemos, ainda, que a neutralidade não é apenas questão de técnica, mas é central para o entendimento da própria ética da psicanálise.

152. Cartografia: estratégias de produção do conhecimento - Vitor Martins Regis; Tania Mara Galli Fonseca
Este artigo trabalha o conceito de cartografia procurando propor um estilo singular de produção do conhecimento que desenvolve a ideia de expansão da vida cunhada por Espinosa. Inicialmente, nós criticamos algumas influências filosóficas de Platão e Descartes no campo das discussões metodológicas como ainda constituintes de modos de vida que tendem à homogeneização calcados na racionalidade moderna. Depois disto, utilizamos o pensamento contemporâneo de autores como Deleuze, Einstein, Heisenberg, Gödel e Prigogine para sugerir que a produção do conhecimento deve afirmar a heterogeneidade da vida, respeitando preceitos éticos, estéticos e políticos.

153. Crítica ao postulado positivista da psicologia: de Heidegger a Foucault - Rômulo Marques dos Santos Ballestê; Ricardo de Barros Cabral
A objetivação do ser humano, que segue os ideais de precisão das ciências físico-matemáticas, bem como a sua identificação com o fato biológico, orienta o projeto de ciência da psicologia, desde o século XIX. Michel Foucault aponta esta questão como um paradoxo. A redução do ser humano a objeto dado se mostra contrária às considerações de Martin Heidegger ao tratar do problema do Ser. Portanto, partindo das observações desses dois autores, será realizada uma crítica ao modelo positivista de cientificidade adotado no desenvolvimento da ciência psicológica moderna e, para, por fim, problematizar a ética que se supõe necessária nesta questão.

154. O lugar do quantitativo na pesquisa cartográfica - Janaína Mariano César; Fabio Hebert da Silva; Pedro Paulo Gastalho de Bicalho
Este texto se propõe discutir as noções de qualitativo e quantitativo no âmbito da pesquisa cartográfica, com ênfase neste último. Estas estão articuladas na direção ético-política de um plano de inseparabilidade entre formas e forças, não restritas à perspectiva dicotômica entre "quali" e "quanti". A partir de dois casos de pesquisa, em suas específicas estratégias, um teste psicológico e um questionário de medição de transtornos mentais leves busca problematizar os efeitos da operação do quantitativo como uma das pistas possíveis ao método da cartografia: a noção de quantitativo como quantum de forças e do qualitativo como diferencial entre quanta de...

155. Clínica sensível à cultura popular na atenção ao sofrimento psíquico grave - Ileno Izídio da Costa; Filipe Willadino Braga
Este estudo problematiza a atenção em saúde mental, resgatando a cultura popular como forma de encontro afetivo, cuidado e criação na clínica do sofrimento psíquico grave. Por meio de reflexão teórica, articularemos o conceito de cultura popular à noção de presença sensível e ambiente suficientemente bom. Compreendemos a cultura popular, no campo da saúde mental, pelo jogo do conformismo e da resistência frente à cultura hegemônica. Ressaltamos a importância de uma atenção sensível aos modos de expressão da cultura popular no cotidiano dos serviços de saúde mental, a partir de uma postura ética e estética frente ao sofrimento psíquico grave.

156. Escutar silêncios, povoar solidões: há vida secreta nas palavras - Michele de Freitas Faria de Vasconcelos; Patrícia Abel Balestrin; Simone Mainieri Paulon
O objetivo deste ensaio é problematizar políticas hegemônicas de subjetivação, imagéticas, linguagem, atenção, corpo, gênero ou sexualidade. Em diálogo com ofilme A vida secreta das palavras, toma-se o silêncio emblemático da trama deIsabel Coixet para forçar um pensamento intempestivo que produza conhecimento na articulação entre ciência e arte. Perscrutando o sentido de problematização de imagens clichês, sobretudo, de imagens de masculinidade, a finalidade é a de partir da análise do filme, construir um território de experimentação política e ética, por meio do qual se possa povoar solidões, habitar silêncios, traçar um mapa onde as palavras têm uma força secreta.

157. A noção de alteridade radical e sua importância na docência - Vera Lúcia Blum
Este artigo ensaia alguns passos na direção da dimensão ética do processo de ensinar e aprender, com a ajuda do pensamento de Emmanuel Lévinas. A noção de alteridade radical permite pensar o desejo de aprender como uma modalidade do desejo, que depende justamente daquilo que muitas vezes se busca suprimir: o contato, pelo discurso, com as coisas que se dão como excedente de sentido e que, por isso, são estranhas e inassimiláveis. Ideais de planejamento e cálculo do conteúdo a ser ensinado favorecem tal supressão. Assim, é possível suspeitar que esses ideais também respondem pelo enfraquecimento do desejo de aprender.

158. A história do presente em Foucault e as lutas atuais - Kleber Prado Filho; Lilia Ferreira Lobo; Flávia Cristina Silveira Lemos
Este artigo promove um debate sobre as lutas sociais e políticas a partir das pesquisas de Michel Foucault, em uma história do presente, apontando contribuições das análises de arquivos e de ferramentas que nos inquietam pela força do questionamento que produzem e também pela atitude crítica e política que possibilitam, bem como a postura ética que movem nos trabalhos em psicologia social, no Brasil. O legado de Foucault é vasto pela potência de seus escritos e rupturas provocadas em diferentes áreas entre pesquisadores e militantes, em muitos países, o que diz de suas ressonâncias e da importância de escrever a...

159. Sobrevivências, clandestinidades, lampejos: o trabalho vivo da criação literária - João Batista de Oliveira Ferreira
O artigo tem como objetivo refletir sobre algumas relações entre criação literária, trabalho vivo e processos de subjetivação. O trabalho vivo é caracterizado como processo de criação que implica o poder de sentir, pensar e inventar. A criação literária é analisada como referência crítica às instituições das formas alienadas de viver. São propostos os conceitos de trabalho morto, subjetivação alienada, ética viva e poética da subjetivação. Com base nestas proposições, busca-se analisar a poética da subjetivação como ação que produz e é produzida pelo trabalho vivo, e também suas ressonâncias ético-políticas nos processos de construção das formas politicamente qualificadas de...

160. A formação do cartógrafo é o mundo: corporificação e afetabilidade - Laura Pozzana
Este texto discute a formação do cartógrafo colaborando na construção de pistas do método da cartografia. Ao considerar a processualidade na produção de conhecimento, o texto argumenta que tal formação se faz na abertura atenta do corpo ao plano coletivo de forças em meio ao mundo. O aprendizado e a transformação do pesquisador se fazem no acompanhamento dos efeitos das ações de pesquisa, produzem habilidades e rigor ético. Varela e Latour nos dão suporte na afirmação de que a formação do cartógrafo se faz como inscrição corporal, é acompanhada por processos de corporificação do conhecimento e práticas que configuram regimes...

 

Busque un recurso