Saturday, April 18, 2015

 

 



Soy un nuevo usuario

Olvidé mi contraseña

Entrada usuarios

Lógica Matemáticas Astronomía y Astrofísica Física Química Ciencias de la Vida
Ciencias de la Tierra y Espacio Ciencias Agrarias Ciencias Médicas Ciencias Tecnológicas Antropología Demografía
Ciencias Económicas Geografía Historia Ciencias Jurídicas y Derecho Lingüística Pedagogía
Ciencia Política Psicología Artes y Letras Sociología Ética Filosofía
 

rss_1.0 Clasificación por Disciplina

Nomenclatura Unesco > (72) Filosofía

Mostrando recursos 181 - 200 de 36,870

181. Aproximación interdisciplinar a la mediación lingüística mapudungun-castellano ss. XVII-XIX: traductología, antropología histórica, filosofía - Payàs, Gertrudis; Zabala, José Manuel; Samaniego, Mario; Garbarini, Carmen Gloria

182. La puesta en página en la traducción de textos teatrales contemporáneos - van Muylem, Micaela
En el contexto teatral de las últimas décadas, y en el marco de lo que Hans-Thies Lehmann denominó teatro postdramático, en gran cantidad de producciones teatrales la función comunicativa del texto a menudo ha sido relegada a un segundo plano, permitiendo un mayor protagonismo de la imagen y lo corporal. Este fenómeno ha generado como consecuencia un cambio en el estatuto del texto literario, tanto en las puestas en escena como en las publicaciones en papel. A partir del ejemplo de  la reciente traducción de la trilogía Sad Face, Happy Face del belga Jan Lauwers (Needcompany), publicada por la Editorial...

183. La representación de la “tradición filosófica alemana” en sus traducciones al español: una mirada paratextual - Castro Ramírez, Nayelli
La denominación "filosofía alemana" o "filosofía española" es resultado de proyectos de nacionalismo cultural que vinculan la producción filosófica de un país con su lengua nacional. Del romanticismo alemán del siglo XIX a las posiciones historicistas latinoamericanas, pasando por el proyecto de renovación cultural de José Ortega y Gasset, puede trazarse un mapa intelectual en el cual filosofía, lengua y nación están estrechamente vinculadas y en el cual la relación entre las diferentes "tradiciones" no puede prescindir de la traducción. En el contexto del movimiento de renovación cultural española, esta geografía intelectual da lugar a un pronunciado interés por la...

184. La traducción religiosa y su impronta filosófica en el nivel de la praxis: El budismo en América latina - Tizzano Fernández, Paula
Las obras de filosofía religiosa permiten observar de qué manera las ideas éticas, metafísicas, ontológicas, cosmológicas se traducen en creencias, y en qué medida estas configuran conductas, metas y actitudes hacia la vida. Un caso de interés histórico es la transmisión del budismo Mahayana, sostenida en una milenaria producción textual que hoy, de la mano de la traducción, nutre movimientos pacifistas en Occidente y en América Latina. En este artículo, primero presentaremos algunos ejes filosófico del Sutra del loto-una de las escrituras más influyentes del canon budista-; luego, rastrearemos históricamente la transmisión y la traducción de esta filosofía proponiendo un...

185. Didática-artista da tradução: transcriações - Corazza, Sandra Mara
Este texto pensa a Didática, em seus processos de criação, desde a filosofia da diferença, teorias de tradução literária e formulações didáticas contemporâneas. Configura-a como Didática-Artista, operando em um território transdisciplinar, translinguístico, transemiótico, transcultural e transpensamental. Defende que a especificidade do ato didático consiste na tradução transcriadora de elementos originais, criados pela Arte, pela Ciência e pela Filosofia. Conclui que essas traduções tornam-se autônomas e mais relevantes do que os originais, desde que a língua da Didática mostra-se digna de repercutir os impactos filosóficos, artísticos e científicos; enquanto estratégia de renovação dos sistemas educacionais e culturais contemporâneos.

186. Los mediadores en arte y su incidencia en la pintura contemporánea sevillana: 1975-1995 - Expósito Aragón, Jesús
Entre la relación del artista y el público en nuestra sociedad, tal u como ésta última está estructurada, existe la necesidad de un mediador. El mediador en arte, puede incidir a través de su actuación, en muchos factores determinantes. Son necesarios, tanto para los artistas como para la sociedad, y forman parte de la estructura sobre la que sobrevive el arte. Entre los hilos que mueven están los espacios expositivos, el dinero del mecenazgo, la promoción y venta del producto artístico, la influencia en el poder político, el acceso y el control de los medios de comunicación, la capacidad del...

187. El concepto de autonomía del arte en TH. W. Adorno - Sert Arnús, Genara
Esta tesis constituye un trabajo de reconstrucción de la categoría de autonomía del arte. Su carácter reconstructivo responde a la voluntad de, primero, remedar un descuido incomprensible, partiendo de la constatación de que se le ha dedicado poca atención en el ámbito de la filosofía, a pesar de que está fuertemente enraizada en la tradición, como de ello da cuenta la interpretación de Adorno y, segundo, poner en evidencia la importancia que reviste en el propio pensamiento adorniano, siendo de obligado cumplimiento dedicarle un análisis y comentario pormenorizado. En consecuencia, la importancia de esta tarea reside tanto en llamar la atención...

188. As insuficiências na analítica existencial e os posicionamentos heideggerianos sobre a questão do corpo - Silva Albuquerque, José Fabio da
A Fenomenologia de Martin Heidegger difere da husserliana, em um dos seus pontos capitais, pelo fato de tomar a investigação da subjetividade através do seu âmbito mais imediato e próprio: a cotidianidade. Isso coloca o pensamento heideggeriano num caminho alternativo à Filosofia Moderna, instaurada por Descartes e que, predominantemente, tomou o sujeito como uma instância de cunho fundamentalmente anímico-cognoscitivo. A consequência disso é que a subjetividade heideggeriana constitui-se enquanto ser-no-mundo (In-der-Welt-Sein). Partindo dessa perspectiva, o presente artigo trata de três momentos distintos, todavia intercalados. O primeiro é apresentar critérios a partir dos quais o horizonte do corpo é avaliado como...

189. Nicola abbagnano entre a filosofia da crise e a filosofia do compromisso - Mori, Massimo
O texto propõe, a partir de Nicola Abbagnano, uma forma de existencialismo, que de um lado vem retomar suas noções fundamentais, e por outro postular uma filosofia de compromisso e de projetualidade positiva. O artigo mostra como, para Abbagnano, o pressuposto de partida do existencialismo é o abandono da certeza que deveria caracterizá-lo, tanto no que tange ao positivismo quanto ao idealismo. O texto discorre ainda sobre a recepção do existencialismo pelo idealismo alemão, sobretudo na obra de Heidegger, auxiliando a conceber a dimensão problemática do ser humano, levando, então Abbagnano a considerá-lo como uma “indeterminação problemática”. A indeterminação teria...

190. Liberais ou comunitaristas? - Andrade Almeida, Paulo Roberto
Contextos da justiça: filosofia política para além de liberalismo e comunitarismo é, sem dúvida, uma obra de amplo espectro, na medida em que discute virtualmente questões de grande relevância para quem pretende apreender um conceito de justiça numa sociedade complexa e pluralista como a nossa. Rainer Forst investiga o tema ao largo de uma década aproximadamente e procura colocar de forma explícita a discussão em torno de questões que envolvem teorias da justiça e as várias tentativas de equacionar tais aporias. O autor considera, inicialmente, a justiça como a virtude político-moral mais elevada, mas admite que cada época ou cultura...

191. Aportes para pensar a democracia a partir de jonas e levinas - Carrara, Ozanan Vicente
Jonas e Levinas, como duas presenças mais do que significativas na ética contemporânea, deixam, em seus pensamentos, algumas pistas que nos ajudam a pensar a política e a democracia atuais, embora não tenham se ocupado primeiramente de filosofia política. O artigo pretende mostrar alguns elementos decisivos que Jonas aponta para a democracia contemporânea no que diz respeito ao meio ambiente e aos desafios que ele traz para a democracia, visitando as críticas daqueles que o acusam de se afastar do espírito democrático em nome da salvação da natureza. Da parte de Levinas, o artigo reúne alguns aspectos fundamentais através dos...

192. Um retorno a schiller: “a beleza é a liberdade na aparência” – estética como desafio para o modo moderno de pensar - Rigoti dos Anjos, Vitor Luiz
This essay re-evaluates Schiller's idea of beauty as “freedom in appearance,” as brought forward in his Kallias or On Beauty (1793), against the backdrop of early modern and modern thinking that based itself on a fundamental split between nature and freedom, world and man.  Schiller's claim that natural beauty results from freedom in nature bridges this gap.  His suggestion is confirmed by modern science. Schiller's view is recommended and defended as a way of escaping modern bigotry. [doi:http://dx.doi.org/10.7443/problemata.v5i2.21481]

193. Democracia, culturas e religiões: Reflexões introdutórias à possibilidade da convivência democrática, participativa e política em face à multiplicidade cultura e religiosa a partir da teoria da ação comunicativa de habermas - Moraes Junior, Manoel Ribeiro
Ao proporem princípios teóricos que considerassem o mundo humano como expressões espirituais e materiais localizadas numa época histórica e num mundo experimentado entre sentimentos, habilidades técnico-manuais e significações, as teorias culturais, sociais, psicológicas, filosóficas e humanas procuraram aprimorar o ponto de vista interpretativo e compreensivo como paradigma de um novo horizonte de Ciência. Essa dimensão compreensiva de cultura não levou a um relativismo ou ceticismo epistemológico, mas graduou o cognitivismo teórico aplicado aos estudos humanos à virtude de superar a antropologia metafísica ou transcendental no qual o ser humano era pensando como uma unidade radicalmente elementar e pré-estruturada independente do...

194. A moral kantiana do dever (sollen) - Andrade, Renata Cristina Lopes
Mediante a investigação da capacidade prática da razão, o projeto moral kantiano almeja: i) mostrar que a moralidade é possível e, ii) como os seres humanos (seres racionais e sensíveis) podem agir moralmente. Procuraremos, no presente artigo, abordar a primeira tarefa da moral kantiana. Com esse propósito, pretendemos elucidar um dos elementos centrais à compreensão da sua filosofia prática, a saber, o conceito de Dever. A filosofia prática kantiana apresenta, primeiramente, a preocupação com a busca, o desenvolvimento e a fixação de uma proposição prática fundamental, a saber, uma lei prática, a qual possa se apresentar enquanto um princípio prático...

195. O conhecimento como modo de ser do ser humano na fenomenologia hermenêutica - Seibt, Cezar Luis
As reflexões sobre a natureza do conhecimento conduzem, na tradição, a dicotomias, tais como a separação entre o sujeito e objeto, que exigem uma teoria que reaproxime os dois elementos. As teorias do conhecimento são elaborações que procuram fundar e justificar essa relação. Buscamos mostrar que Heidegger, com a sua fenomenologia hermenêutica, na insistência em torno da faticidade e do ser-no-mundo, apresenta uma forma de entender o fenômeno do conhecimento a partir do reconhecimento da condição originária do ser humano, da sua finitude. Neste pensamento dá-se a superação da dicotomia e da exigência de sempre novas fundamentações exteriores ao próprio...

196. A história e seus imprevistos em levinas - Batista de Souza, José Tadeu
O texto tem como objetivo apresentar a compreensão de história de Emanuel Levinas. Inicialmente, tenta situar a percepção levinasiana dos fatos mais significativos ocorridos na história do século XX. Em seguida tenta apresentar as raízes motivadoras e legitimadoras das famigeradas ocorrências. O autor apontou a estrutura do modelo de racionalidade implementada no Ocidente, incapaz de expressar o vigor inovador da alteridade. Afirma que o outro foi o grande negado na história do Ocidente. A negação efetivou-se pela prioridade conferida ao primado ontológico e pelo modo como foi realizada dita prioridade. Um ímpeto de dizer de modo profundo a essência do...

197. A constituição ambígua do político em staat, bewegung, volk de carl schmitt - Costa, Danilo Vaz-Curado R. M.
O presente texto propõe a analisar o conceito do político em duas obras de Carl Schmitt. As obras utilizadas serão Conceito do Político e Estado, Movimento, Povo. Espera-se poder demonstrar que o político é um conceito de esfera extrema, não sendo pois definível. Espera-se também demonstrar que desta comparação resulta o uso ambíguo do conceito político em Carl Schmitt. 

198. A filosofia kantiana da religião relida em chave agnóstica - Luchi, José Pedro; Cavalieri, Edebrande
O artigo expõe, comenta e exerce crítica sobre o empreendimento habermasiano de um resgate normativo da religião, a partir de um diálogo com os textos kantianos pertinentes. Diante de um enfraquecimento das fontes de solidariedade social e as insuficiências de uma Teoria da Justiça, Habermas pretende uma apropriação agnóstica de conteúdos semânticos de tradições religiosas para superar o derrotismo esclarecido da descrença. Com isso, ele também reconstrói as delimitações entre Fé e Saber. São aqui retomados eixos da reflexão kantiana: a moralidade como critério para uma hermenêutica resgatadora de conteúdos religiosos, com destaque para o conceito de comunidade ética e...

199. Do logos apropriado - Goto, Roberto
Há, no marxismo, uma tensão entre a empresa de um conhecimento objetivo e impessoal – sem sujeito –, pelo qual a realidade seria apropriada e no qual se reproduziria e/ou se refletiria, e a impossibilidade de fazê-lo sem um trabalho exegético dos escritos de Marx, sobretudo no que diz respeito às ideias que fundamentariam aquele conhecimento, ou seja, que fundariam a ciência marxista. Na medida em que essa ciência é reivindicada e praticada concretamente por sujeitos bem específicos e distintos, cada qual se considerando na posse da (verdadeira) realidade e da verdadeira interpretação dos textos fundadores, a tensão se converte...

200. Epistemologia do testemunho: O testemunho como fonte de justificação - Silva, Ronaldo Miguel
O testemunho ganha estatuto epistêmico justamente pela sua indispensabilidade. Uma tese amplamente difundida, reacendendo forte interesse entre a classe dos atuais epistemólogos, é a de que o testemunho é uma fonte de crenças penetrante e natural, no qual muitas das crenças nele fundamentadas constituem conhecimento e estão justificadas. Desse modo, face à relevância do estatuto epistêmico do testemunho, este artigo propõe, sob tríplice aspecto: i) mostrar a origem do cenário histórico a partir do qual permeiam os debates contemporâneos da epistemologia do testemunho; ii) apresentar as principais teses de discussões sob as quais versam as explicações sobre as condições em...

 

Busque un recurso